PARA CASAL - FAMÍLIA - BACK-UP 2

01/08/2012 11:13

"ERRAR É HUMANO, RECONHECER O ERRO É DOM DE DEUS"

2011-08-07 12:24
 Quando reconhecer que errou é tarde demais!
 Amado(a), se você tirar um tempinho para ler esta história até o final, você terá lucrado muito neste dia. Uma mensagem ilustrada pode marcar nossa vida para sempre!
Por Josué Gonçalves
 
Era uma vez um rapaz que ia muito na escola. Suas notas e o comportamento eram uma decepção para seus pais que, como bons cristãos, sonhavam em vê-lo formado e bem sucedido.
UM BELO DIA, O BOM PAI LHE PROPÔS UM ACORDO:
- Se você, meu filho, mudar o comportamento, se dedicar aos estudos e conseguir ser aprovado no vestibular para a Faculdade de Medicina, lhe darei então um carro de presente. Por causa de carro, o rapaz mudou da água para o vinho. Passou a estudar como nunca e a ter um comportamento exemplar. O pai estava feliz, mas tinha uma preocupação. Sabia que a mudança do Rapaz não era fruto de uma conversão sincera, mas apenas do interesse em obter o automóvel. Isso era mau !
O rapaz seguia os estudos e aguardava o resultado de seus esforços. Assim, o grande dia chegou ! Fora aprovado para o curso de Medicina. Como havia prometido, o pai convidou a família e os amigos para uma festa de comemoração. O rapaz tinha por certo que na festa o pai lhe daria o automóvel.
Quando pediu a palavra, o pai elogiou o resultado obtido pelo filho e lhe passou às mãos uma caixa de presente, Crendo que ali estavam as chaves do carro, o rapaz abriu emocionado o pacote. Para sua surpresa era uma BÍBLIA. O rapaz ficou visivelmente decepcionado e nada disse.
A partir daquele dia, o silencio e distancia separavam pai e filho. O jovem se sentia traído e, agora, lutava para ser independente. Deixou a casa dos pais e foi morar no Campus da Universidade. Raramente mandava notícias à família. O tempo passou, ele se formou conseguiu um emprego em um bom hospital e se esqueceu completamente do pai. Todas as tentativas do pai para reatar os laços foram em vão. Até que um dia o velho, muito triste com a situação, adoeceu e não resistiu. FALECEU...
No enterro, a mãe entregou ao filho, indiferente, a BÍBLIA que tinha sido o último presente do pai e que havia sido deixada para trás. De volta à sua casa, o rapaz, que nunca perdoara o pai, quando colocou o livro numa estante, notou que havia um envelope dentro Dele. Ao abri-lo, encontrou uma carta e um cheque. A CARTA DIZIA:
"Meu querido filho, sei o quanto você deseja ter um carro Eu prometi e aqui está o cheque para que você escolha aquele que mais lhe agradar. No entanto, fiz questão de lhe dar um presente ainda melhor: A BÍBLIA SAGRADA. Nela aprenderás o AMOR A DEUS e a fazer o bem, não pelo prazer da recompensa, mas pela gratidão e pelo dever de consciência".
Corroído de remorso, o filho caiu em profundo pranto.
E A CARTA FINALIZAVA ASSIM:
"Como é triste a vida dos que não sabem perdoar. Isso leva a erros terríveis e a um fim ainda pior. Antes que seja tarde, perdoe aquele a quem você pensa ter lhe feito mal. Talvez se olhar com cuidado, vai ver que há também um cheque escondido".  Antes de fazer qualquer julgamento, pense, reflita, durma sobre a questão, porque a precipitação pode nos trair e nos roubar os tesouros mais preciosos que nós temos. Leia 1 Corintios cap 13.
 
 
 
" A MULHER SÁBIA EDIFICA SEU LAR A TOLA......"
2011-08-08 09:33
 
Mulheres Cristã: Toda Mulher Deve Ser…
Como Eva, que soube seguir em frente, e aceitar o perdão de Deus, mesmo tendo sido a primeira pessoa a pecar.
 
Como a esposa de Noé, que acreditou nele, apoiando-o, mesmo quando ninguém quis acreditar na mensagem que ele pregava.
 
Como Sara, embora tendo duvidado da palavra de Deus, arrependeu-se, tornando-se mãe de uma grande nação.
 
Como Rebeca, que aceitou a vontade de Deus para sua vida, sem hesitar.
 
Como Raabe, que arrependendo-se de sua vida de pecados, se deixou ser usada por Deus, ajudando numa das grande vitórias do povo de Deus.
 
Como Rute, que deixando para trás seu povo para seguir a Deus, mostrou como Deus, se preocupa com suas filhas e deseja que vivam uma linda história de amor!
 
Como Débora, profetisa, que julgava o povo com sabedoria e justiça.
 
Como Ana, que orou pedindo um bebê, e o devolveu a Deus para que ele se tornasse um grande profeta.
 
Como Abigail, mulher sensata, que evitou uma guerra e que muitos fossem mortos.
 
Como Ester, mulher fiel a Deus, disposta a morrer pela sua fé e pelo seu povo!
 
Como Maria, que com humildade, aceitou ficar grávida do Espírito Santo, antes de estar casada, numa época, em que isso poderia lhe custar a vida!
 
Como Maria Madalena, que após ser convertida, expressou sua gratidão a Jesus, de uma forma tão singular, que sua história, é contada até hoje!
 
Como Dorcas, que por viver abnegadamente, Deus a ressuscitou!
 
Como Lídia, mulher temente a Deus, de coração aberto às mensagem de Deus.
 
Como Eunice e Lóide, mulheres de fé, que souberam criar seus filhos nos caminhos de Deus, em momentos difíceis!
 
Todas estas grandes mulheres da Bíblia, foram como nós, tiveram seus momentos de fraquezas, mas se levantaram e deixaram seus exemplos de fé, amor, desprendimento, humildade, coragem, perseverança e esperança!
 
Que eu e você sejamos como elas, todos os dias, aliançadas com Jesus
 
Regiane
 
 
 
 
" CASAIS A TODA PROVA "
2011-08-09 11:59
 Um casamento a prova de tempestades
Autor(a): Pr. Josué Gonçalves
 
PRINCÍPIOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM CASAMENTO A PROVA DETEMPESTADES 
Alguém disse certa vez que as pessoas não ouvem o que você fala - elas observam o que você faz. E o que você faz é resultado do que você é.
 
 
1. PRIORIDADE
1) Sucesso que vale a pena se alcança quando se tem compromisso com prioridades. 2) O que era prioridade para Jesus? "A minha comida é fazer a vontade de meu Pai, e realizar a sua obra". (Jo. 4.34)
3) Devo fazer o que é urgente ou o que é importante?
4) Onde quero chegar? Como chegar? O que fazer para chegar? Por que é importante chegar?
5) Estabelecendo ordem.
6) Compromisso com um sistema de valores compartilhado.
7) O casal precisa ter uma visão compartilhada de propósitos essenciais.
8) Compromisso com prioridades requer disciplina.
 
 
2. SENSIBILIDADE
1) A sensibilidade é uma das mais sublimes características da personalidade; sem ela não se desenvolve a arte da contemplação do belo, a criatividade e a socialização. (ugusto Cury)
2) Na sensibilidade de Jesus vemos o quanto ele era
a) AFETIVO - Crianças, Jovens, Viúvas, Pobres, Ricos etc.
b) OBSERVADOR - Suas parábolas...
c) CRIATIVO
d) DETALHISTA
e) PERSPICAZ
f) ARGUTO
g) SUTIL
 
 
Ele era sensível com as crianças, velhos, viúvas, crianças, pobres, ricos etc. No Ev Segundo João no cap 11. 53 diz "Jesus chorou..." Ele era capaz de ouvir o que as palavras não diziam.
 
 
3.MATURIDADE.
1) Não faz tempestade em copo d'agua.
2) Ouve os dois lados.
3) Pondera antes de responder.
4) Sabe o que quer.
 
 
4. EQUILÍBRIO
1) O equilíbrio é vital para quem quer construir um projeto de vida que valha a pena.
2) Graça e verdade.
3) Dar e receber.
 
 
5. EDUCABULIDADE
1) Ter o coração ensinável é marca daqueles que constroem seu projeto de vida para não cair. Só os educáveis admitem não saber tudo. Não se pode ao mesmo tempo ser orgulhoso e educável.
2) Nunca cometa duas vezes o mesmo erro.
3)Seu crescimento determina quem você é.
 
 
6. FLEXIBILIDADE
1) As árvores flexíveis não se quebram quando são atingidas por ventos fortes.
2) O radical geralmente é muito tolerante consigo mesmo.
3) Na casa do filho pródigo havia graça que é o elemento que não permite rigidez na construção do projeto.
 
 
7.GENEROSIDADE
1) O lugar que mais precisa e mais falta generosidade é no lar. Não basta ser bom com os de fora, se falta generosidade com os de dentro. A mulher de Provérbios 31 era generosa com os de dentro e com os defora.
 
 
8.HONESTIDADE
1) Ser honesto não é virtude, mas uma obrigação.
2) Sua palavra é o seu compromisso.
 
 
9.AUTO-CONFIANÇA.
1) Auto-estima...
2) Auto imagem...
3) Jesus tinha elevada auto imagem e estima e isso ficou claro quando Ele disse por algumas vezes EU SOU...
4)O ciúme é a maior evidência da falta de auto-confiança.
 
 
10. SACRIFÍCIO.
1) Sempre que a família é solicitada a assumir um prejuízo ou abrir mão de um benefício, você dá o exemplo assumindo uma carga tão pesada quanto a deles? Está disposto a abrir mão de algo em prol dos seus?
2) É impossível amar se se sacrificar em favor da pessoa amada.
 
 
11.CUIDADO
1) Tudo o que nos custa caro, cuidamos com especial atenção.
2) O desleixo no cuidado com aquilo que é essencial, pode ser evidência de que estamos invertendo os valores.
 
 
12.GRATIDÃO
1) Quando fazemos o bem, não devemos esperar retribuição. Porém quando recebemos o bem, devemos ser gratos. A ingratidão é a marca das pessoas que por onde passam vão fechando as portas.
2) Ser grato é atitude de nobreza de alma.
 
 
13.RESPONSABILIDADE.
1) Você está sempre disposto(a) a pagar o preço de seus erros?
2) Casamento requer firmeza de caráter, para que cada assuma sua parte na construção.
 
 
14.DEDICAÇÃO
1) Nenhum atleta atinge seu objetivo de ser um campeão, se não for dedicado naquilo que faz.
2) Tudo o que é feito sem aplicação, carinho e muito esforça, o resultado final é fracasso e mediocridade.
 
 
15.LEALDADE.
1) O bem-estar de uma família é o primeiro item da lista de suas prioridades?
2) Ser leal e ser capaz de viver consciente da aliança que fez com a pessoa amada.
 
 
16.ALTRUÍSMO.
Você se preocupa menos com o seu status do que com a reputação da família e o que ela está lucrando em todas as áreas?
 
 
17.PONTUALIDADE.
Você considera importânte e faz de tudo para cumprir horários?
 
 
18.ENTUSIASMO.
Uma vida sem entusiasmo não tem sentido.
 
 
19.CONFIABILIDADE.
O meu caráter determina o grau de confiança que a família pode depositar em mim.
 
 
20.CRIATIVIDADE.
A rotina é a maior evidência de falta de criatividade.
 
 
21.HUMOR.
Todo homem e mulher têm uma criança dentro de si que não pode morrer.
 
 
22.ADAPTABILIDADE.
Você gosta de experimentar coisas novas?
É aberto a mudanças?
Está disposto a rever suas desições quando alguém lhe mostra algo no qual não pensou?
 
 
23.TRABALHO EM EQUIPE.
A família é uma equipe onde um depende do outro para que todos vivem de forma gratificante.
 
 
24.CONHECIMENTO.
Se de certa forma somos o livro que lemos, o que estamos lendo? A quem estamos ouvindo? Com quem estamos aprendendo? De onde vem o nosso conhecimento?
 
 
25.CAPACIDADE DE DECISÃO
Você precisa saber o que você quer, pelo contrário as pessoas não te manipular.
 
 
26.ABERTURA A CRÍTICAS
Quem não sabe lidar com as criticar vive amargurado e correndo o risco de se tornar uma pessoa sem capacidade de superação.
 
 
27.TEMPO.
O tempo é a moeda de maior valor que possuímos, quando perdemos, não conseguimos recuperar. Você gerencia bem seu tempo?
 
 
28.APARÊNCIA.
Nossa aparência diz muito sobre outras áreas de nossa vida. Quem não se preocupa com sua aparência, pode estar revelando sua baixo auto imagem.
 
 
 
 
" ADULTERAR É ASSASSINAR OS SONHOS DA FAMÍLIA"
2011-08-10 10:43
 Evitando um caso extra-conjugal
Autor(a): Pr. Josué Gonçalves
 
Procedimentos Bíblicos para uma vida feliz
Guarde o seu tempo livre
O pecado traz divertimento, mas somente por pouco tempo. A Bíblia está em equilíbrio quando fala sobre o pecado. Não apenas reconhece como o pecado excita a inata natureza pecaminosa do homem, como também avisa que o pecado tem uma inclinação para essa natureza. o pecado destrói uma boa reputação. Destruirá a saúde. Vai deformar a mente. Encurtará a vida. Tudo isto é um preço muito grande para se pagar por pequenos momentos de divertimento ou prazer. Pergunte ao Rei Davi sobre o que o pecado faz a um bom homem. Davi cedeu à tentação e cometeu o adultério. Depois ele teve o marido de sua companheira de adultério morto. Davi perdeu seu filho nascido daquela relação adúltera e o seu lar e sua família foram divididos pelo resto de sua vida. Ele nunca mais se restabeleceu desse caso extraconjugal. Davi rogaria a nós hoje para tomarmos um grande cuidado para evitarmos ter um caso. "Eu nunca terei um caso extraconjugal", diria você? Isto é o que Davi pensava também. a vulnerabilidade de nossa carne, o espírito de nossa sociedade e o engano de Satanás são forças que podem combinar a qualquer momento e derrotá-lo. Esta mensagem enfoca a vida de Davi para identificar algumas sugestões práticas para ajudar a evitar um caso extraconjugal.
Vá para casa ficar com sua família
Você já tentou conversar com uma pessoa cujos valores eram diferentes ou contradizentes aos seus? Se já, você pode entender como é um problema tratar conosco. Ele diz, "Meus pensamentos não são os seus pensamentos, nem os Meus caminhos são os seus caminhos, diz o Senhor. Porque como os céus são mais altos que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos e os meus pensamentos mais altos que os vossos pensamentos" (Is 55:8,9). Não há área mais evidente disso do que as de assuntos morais e éticos. Aquilo que simplesmente chamamos de erro, Deus chama de pecado. Quando Deus condena o que nós tentamos justificar, nós respondemos, fingindo, que pecado não é tão sério como Ele diz que é. A única maneira de justificarmos a nós mesmos é modificando os rótulos daquilo que chamamos pecado. Aquilo que Ele chama de cobiça, luxúria, nós chamamos de amor. A quem Ele chama de prostituta, nós chamamos de consorte, companheira ou "garota de programa". E o que Ele chama de adultério, nós consideramos apenas como "um caso". Mas se "uma rosa, por qualquer outro nome perfuma como uma rosa", o pecado, por qualquer outro nome seria pecaminoso. Se você possui uma garrafa de veneno e mudar o rótulo dela para "vitaminas", isto modifica a natureza do efeito do veneno? Claro que não. Por certo vai matar a quem dele consumir.
O problema com nossa geração é o mesmo de todas as gerações da história: nós não queremos "jogar com as regras de Deus". Nós queremos tudo do pecado sem nenhuma de suas conseqüências. Mas Ele nunca age dessa maneira. Deus diz: ...ficarei desculpados perante o Senhor... se não fizerdes assim, estarei pecando contra o Senhor, e sabei que o vosso pecado vos há de achar" (Números 32:22,23). Quando nós temos tudo do pecado nós colhemos as suas conseqüências. "Não vos enganeis: Deus não se deixa escarnecer. Tudo o que o homem semear, isso também ceifará. O que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna" (Gálatas 6:7,8). Observe estes princípios bíblicos demonstrados em uma situação real na vida. Você pode ler o incidente registrado em II Samuel capítulos 11 e 12. Ocorreu na vida de Davi, Rei de Israel, que era conhecido como "o homem com o coração de Deus". Davi enviou seu exército para lutar contra a cidade de Rabá, porém ele permaneceu em seu palácio em Jerusalém. Uma noite quando ele andava na varanda de seu palácio ele viu uma mulher bonita que tomava banho em sua casa. Ele perguntou quem era ela e soube que seu nome era Bate-Seba. Ela era casada com Urias, que estava no campo de batalha com o exército de Davi. Davi trouxe Bate-Seba ao seu palácio e cometeu adultério com ela. Depois ele tentou encobri-lo pelo engano e finalmente pelo assassinato. Daquele verdadeiro incidente histórico nós podemos aprender vários princípios os quais podem guardar uma pessoa de ter um "caso extraconjugal" nos dias de hoje. O primeiro princípio de pureza moral é este: Guarde o seu tempo livre. Está evidente que o Rei Davi não fez isto. O texto mostra claramente que era comum para os reis irem aos campos de batalhas com seus exércitos. Mas não para Davi. Ele permaneceu em seu confortável palácio enquanto seu exército permanecia nas barracas próximas à cidade sitiada de Rabá. Os negócios do dia tinham terminado. O rei andava livremente na varanda de seu palácio. Ele tinha tempo em suas mãos e não sabia o que fazer com ele. Portanto, foi daquela elevada varanda que ele pôde ver através das janelas das casas na vizinhança. Foi quando ele viu Bate-Seba e a cobiçou. Há um ditado que diz: "Mente vazia é oficina do diabo". Davi experimentou isto pessoalmente. Ele não possuía nada para ocupar sua atenção àquela hora. Seus pensamentos voltavam para a bonita Bate-Seba. Ele planejou então como poderia criar uma situação onde pudesse seduzi-la. Se ele estivesse ocupado e tivesse controlado sua mente, o pecado não teria ocorrido. Uma tragédia que ele não controlou. Assim, eu lhe aconselho a observar o seu tempo livre. É nestas horas que o diabo está especialmente ativo. Ele não tem essa oportunidade quando você está envolvido em atividades construtivas ou saudável amizade social. Porém, quando a mente está livre de outras ocupações o diabo pode trazer todo o tipo de pensamentos malignos à ela. E maus pensamentos produzem más ações.
Saia com sua família
Quando você sair em atividades sociais, guarde a sua companhia. Fique com seu companheiro (seu marido, esposa ou amigos). Se você está com um grupo, fique com eles. Um conhecido e amplamente divulgado caso de tentativa de estupro resultou de um homem que encontrou-se com uma mulher que ele não conhecia em um local de divertimento público.
Guarde os seus intervalos de café
Também guarde os seus intervalos de café ou de lanche quando você está no trabalho. Tenha cuidado com o tempo e as conversas junto ao bebedouro ou na lanchonete. Todos os tipos de contatos inocentes podem se tornar ocasiões para envolvimentos sérios se eles não estiverem sob controle. Eu poderia contar-lhe trágicas histórias que ouvi em aconselhamento pastoral (mas não compartilharia aquilo que foi falado confidencialmente), tragédias que começaram com "inocentes flertes" de contatos no escritório ou no trabalho.
Evite pessoas à toa
Eu lhe digo para você não gastar muito tempo em volta de pessoas à toa ou disponíveis. Pode-se identificar por palavras ou ações a pessoa que está voluntária a se envolver em um caso sexual com você. Se você reconhecer que se trata de um envolvimento em potencial, e particularmente, se você sente uma atração por aquela pessoa, siga o conselho dado ao jovem Timóteo pelo apóstolo Paulo, "Corra" (II Timóteo 2:22). As mais puras resoluções podem falhar quando a tentação é grande. Mantenha-se longe da tentação.
Faça seu tempo produtivo
Existem duas coisas que você pode fazer com seu tempo livre para que seja mais produtivo. (1) Passe seu tempo livre com sua família. Muitos pais gastam tão pouco tempo de qualidade com seus filhos e um com o outro que isto contribui para a quebra do casamento e do lar. Dê tempo à sua família em amizade casual, em recreação, em entretenimento, em trabalho produtivo em volta da casa... Apenas dê um pouco de atenção a isso e você encontrará muitas coisas que você e sua família podem fazer juntos para sua mútua alegria. (2) Dedique seu tempo livre para as coisas de Deus. Deus decretou que um dia em sete deveria ser dado a Ele e determinou que se observasse o Dia do Sábado para o descanso. Mas você pode dedicar mais do que isso para Ele. Ajude alguns idosos em suas casas. Visite algumas pessoas nos hospitais ou em repouso domiciliar. Apare a grama. Asse um bolo. Saia com as crianças para se divertir com elas. Demonstre interesse pessoal um no outro, e ambos irão crescer como resultado desse envolvimento. Davi nunca teria se tornado um adúltero com Bate-Seba ou assassino de seu marido se ele tivesse guardado o seu tempo livre. Você pode se prevenir do pecado sexual se você guardar o seu tempo livre. Tome a resolução de ser puro. comece hoje.
Controle seus olhos
Howard A. Walter, escritor americano, escreveu estas palavras em um dos grandes hinos cristãos: " Eu serei verdadeiro, porque há aqueles que confiam em mim; Eu serei puro, porque há aqueles que se preocupam comigo; Eu serei forte, porque há muito por que sofrer; Eu serei bravo, porque há muito que fazer." Me lembro dessa canção ao considerar esse assunto que estamos tratando, "Como Evitar um Caso Extraconjugal". Deixe a pessoa que está tentada na área sexual se lembrar dessas palavras: "Eu serei puro porque há aqueles que se preocupam comigo; Eu serei verdadeiro, porque há aqueles que confiam em mim." Envolver-se em pecado sexual é trair a confiança daqueles que confiam em nós e quebrar os corações daqueles que se preocupam por nós. Uma coisa não é correta só porque parece que não machuca alguém e está de acordo com os parâmetros de pessoas adultas. Uma coisa é correta quando ela concorda e está de acordo com a natureza e o propósito de Deus, aí sim ela está correta. A Bíblia fala tão claramente contra os pecados sexuais que inclusive pronuncia a pena de morte para o adultério (Lv 20:10), porém, a opinião humana os considera simples pecados. Precisamos encontrar uma resposta para a pergunta. "Como posso evitar o envolvimento em pecados sexuais em nossa sociedade tão permissiva?" Já chamei sua atenção para a experiência de Davi, um antigo Rei de Israel, e seu caso adúltero com Bate Seba, a mulher de um soldado de seu exército. Nós vimos princípios que o rei violou: "se você quiser se manter puro, guarde seu tempo de lazer", e "se você quer se manter puro, controle seus olhos." A Bíblia diz que Davi estava andando na varanda de seu palácio no frescor do anoitecer quando, de sua elevada posição, ele olhou através da janela de uma casa da vizinhança e viu uma bonita mulher que se banhava. Daquele olhar seguiram cobiça, sedução, decepção e finalmente assassinato.
Quão diferente seria se tão somente Davi controlasse seus olhos! Há um ditado que diz: "Os olhos são as janelas da alma." Aquilo que permitimos que entre pelas janelas dos olhos tem uma tremenda influência sobre nós. É esta a razão pela qual nós viramos o rosto de algo que repelimos ou nos amedronta. Nós nos delatamos a nós mesmos pela maneira que controlamos os nossos olhos ou aquilo que olhamos em volta. Uma vez Davi orou: "Desvia os meus olhos de contemplarem a vaidade; preserva a minha vida segundo a tua palavra" (Sal 119:37). Porém ele se esqueceu o que tinha orado quando olhou para Bate-Seba. A Bíblia diz que ela "era mui formosa" (II Sm 11:2). Acho que o olhar de Davi não foi um simples olhar de relance, o qual ele teria se virado para o lado em respeito a ela e sem intenção de ter invadido a sua privacidade. Ele a observou. Ele fixou-se nela. Ele fantasiou um possível envolvimento sexual com ela e a seguiu com seus olhos. Ali foi a sua queda. Ele não controlou os seus olhos. Não creio que Bate-Seba era uma mulher sedutora que se banhava propositadamente em um local visível para chamara atenção do rei. Ela estava na sua casa. Ela só poderia ser vista da varanda elevada do palácio e não percebeu que estava sendo observada. O olhar de Davi foi uma intrusão em seu lar. Era como se estivesse dando uma espiadela pela janela da vizinha. O que ele fez era uma coisa indigna para um rei, para um homem que reverenciava a Deus e um homem que era responsável pelo bem-estar de todo o povo de sua nação. A conseqüência de sua queda foi não controlar seus olhos.
Espero que você tenha sido abençoado. Deixe que os princípios bíblicos aqui apresentados orientem a sua vida conjugal na direção desejada por Deus.
 
 
 
 
"OUVIR E DIALOGAR PARA HARMONIZAR"
2011-08-11 14:36
 A arte de Ouvir e Dialogar
Autor(a): Pr. Josué Gonçalves
 
A ARTE DE OUVIR É:
1) Arte de se esvaziar para ouvir o que os outros tem para dizer e não o que queremos ouvir.
2) A capacidade de se colocar no lugar dos outros e perceber as suas dores e necessidades sociais.
3) Penetrar no coração psíquico e desvendar as causas da agressividade, da timidez, da angústia, dos comportamentos estranhos.
4) Interpretar o que as palavras não disseram e o que as imagens não revelaram.
5) Ter a sensibilidade para respeitar as lágrimas visíveis e perceber as que nunca foram choradas.
                                           A ARTE DE DIALOGAR É:
1) Arte de falar de si mesmo.
2) Trocar experiência de vida.
3) Revelar segredos do coração.
4) Ser transparente. Não simular os sentimentos e as intenções.
5) Não ter vergonha das suas falhas e nem medo dos seus fracassos.
6) Respeitar os limites e os conflitos dos outros. Não dar respostas superficiais.
7) O diálogo interpessoal que cruza os mundos psíquicos e implode a solidão.
A arte de ouvir e de dialogor são duas das mais nobres funções da inteligência. Elas são cultivadas no terreno da confiabilidade, da empatia e da liberdade. Onde a falta de confiança, muitas cobranças excessivas e controle social, essas duas preciosas artes da inteligência não sobrevivem.
As duas artes se complementam. Uma depende da outra. Quem não aprender a ouvir nunca saberá dialogar. Quem não aprender a falar de si mesmo, nunca será um bom ouvinte.
                                           A RELAÇÃO CONJUGAL
Grande parte dos casais desenvolvem uma grave crise afetiva porque não aprendem a arte de ouvir e dialogar. Sabem conversar, mas não sabem falar de si. Conversam sobre política, dinheiro, teatro, mas emudecem sobre suas histórias. Sabem ouvir sons, mas não a vós da emoção. Têm ousadia para brigar, mas têm medo de falar dos próprios sentimentos. Ficam anos juntos, mas não se tornam grandes amigos.
A personalidade é uma grande casa. A maioria dos maridos e esposas conhecem, no máximo, a sala de visita uns dos outros. Conhecem os defeitos de cada um, mas não as áreas mais intimas do seu ser. Discutem os problemas, mas não se tornam cúmplices da mesma aventura.
Não revelam as sua mágoas, não falam dos seus conflitos, não apontam sua dificuldades. Se você quer cultivar o amor, o melhor caminho não é dar caros presentes, mas dar uma jóia que não tem preço: o seu próprio ser. A arte de ouvir refresca a relação e a arte de dialogar nutre o amor. São leis universais que fundamentam a qualidade de vida das relações sociais.
Quem deseja cultivar o amor precisa ter coragem para fazer pelo menos quatro importantes perguntas durante toda a vida à pessoa que ama: quando eu a(o) decepcionei? Que comportamentos meus a(o) aborrecem? O que eu deve fazer para torna-la(o) mais feliz? Como posso ser um(a) amigo(a) melhor?
Você têm feito com freqüência essas perguntas? Muitos nunca as fizeram. Eles consertam as trincas da parede, mas não as trincas do relacionamento; estacam a água da torneira que vasa, mas não o vazamento da amizade e da afetividade.
Belos casais com belos começos têm tristes finais, porque não treinaram ser amigos, não treinaram trocar experiências. São ótimos para defender seus pontos de vistas, mas raramente reconhecem seus erros. Quem não erra? Quem não tem atitudes tolas? Ganham batalhas, mas perdem o amor.
A dependência na espécie humana e as lições de vida.
Muitos pais trabalham para dar o mundo aos filhos, mas se esquecem de abrir o livro da sua vida para eles. Muitos professores dão milhões de informações lógicas para os seus alunos, mas nunca contam os capítulos da sua história.
Quanto mais inferior é a vida de uma espécie, menos dependente ela é dos seus progenitores. No mamífero, há uma dependência grande dos filhos em relação aos pais, pois eles necessitam, não apenas do instinto, mas de aprender experiência para poderem sobreviver.
Na nossa espécie, essa dependência é intensa. Por que? Porque as experiências aprendidas são mais importantes do que as instintivas. Uma criança de sete anos é muito imatura e dependente, enquanto muitos mamíferos com a mesma idade são idosos a beira da morte.
Infelizmente, a família moderna tem se tornado um grupo de estranho. Pais e filhos respiram o mesmo ar, se alimentam da mesma comida, mas não desenvolvem a arte de ouvir e dialogar. Não tem havido aprendizado mútuo das lições de vida. Eles estão próximos fisicamente, mas distantes interiormente.
O mesmo processo tem acontecido nas escolas. No livro Pais Brilhantes, Professores Fascinantes, comento que a educação está em crise e comete vários erros. Ela desconhece os papeis da memória. Por isso não desenvolve ferramentas adequadas para formar pensadores. Usa a memória das crianças como um depósito de informações.
O excesso de informações gera falta de deleite de aprender e ansiedade. O pequeno microcosmo da sala de aula tornou-se um canteiro de pessoas estranhas, tensas, sem relacionamento mais profundo. A educação tem de se humanizar. O professor deve falar do seu mundo, enquanto fala do seu mundo exterior. Enquanto ensina física, matemática, química, línguas.
Professor e aluno ficam anos juntos sem cruzar suas histórias, sem aprender lições mútuas de vida. O resultado? Os alunos saem das universidades com diplomas nas mãos, mas despreparados para lidar com fracassos, decepções, desafios, confrontos. Não sabem abrir as janelas da sua mente, libertar sua criatividade, pensar antes de reagir, interpretar o que as imagens não revela e resgatar a liderança do "eu" nos focos de tensão.
Para finalizar, gostaria de dizer que se você quiser ter uma família perfeita, filhos que não o decepcionem, alunos que não o frustrem e colegas de trabalho que não o aborreçam, é melhor mudar-se para outro planeta. Aceite as pessoas com os seus limites e construa relações saudáveis com elas. Como disse, a melhor maneira de construir excelentes imagens nos solos da memória das pessoas é surpreendendo-as, tendo comportamentos inesperados.
Nunca critique alguém antes de valoriza-lo. Não poucas vezes errei por apontar primeiro o erro dos outros, inclusive das minhas queridas filhas. Felizmente, aprendi que primeiro devemos elogiar, conquistar o território da emoção, para depois conquistar os terrenos da razão.
Grave essa perola: uma pessoa inteligente aprende com os seus erros; uma pessoa sábia aprende com os erros dos outros... Transforme a relação com as pessoas que você ama numa grande aventura.
         O MESTRE DOS MESTRES DA QUALIDADE DE VIDA
Grande homens tem medo de falar de si mesmos
Há muitos padres que tem um caráter excelente, amam a Deus, mas nunca tiveram coração de abrir a caixa de segredo da sua vida. Tem receio de falar de seus conflitos, de suas crises depressivas para seus amigos. Não encontram alguém que possa ouvi-los sem criticá-los. Tem medo de não ser compreendidos.
Há muitos pastores protestantes que tem gasto sua vida para servir a Deus e às pessoas, mas igualmente se isolam dentro de si. Conhecem muitas pessoas, mas não tem amigos a quem possa revelar seus sofrimentos. Alguns estão estressados e com síndrome do pânico, choram nos cantos do templo, mas calam-se. Têm medo de não ser compreendidos.
Há rabinos que ensinam por anos nas sinagogas. Recitam a Tora com maestria, mas não recitam a linguagem das suas angustias. Falam sobre tudo, mas emudecem diante das sua aflições.
Há lideres mulçumanos que orientam milhares de fieis. Eles explicam as suratas do Alcorão, comentam sobre Jesus descrito nos seus textos, mas não comentam sobre suas dores e seus temores. Ficam anos se martirizando. Adquiriram um conceito de que um líder não pode revelar suas lágrimas.
Há lideres budistas que ficam anos meditando, mas não abrem a sua boca para falar das sua crises depressivas. Ensinam as pessoas a mansidão e a humanidade. Alguns tomam a mansidão de Cristo com modelo, mas não têm o desprendimento para falar das suas dificuldades. Têm receio de ser julgados como frágeis.
Não apenas esses magníficos lideres espirituais se isolam em seus mundos nos momentos em que mais precisam falar, mas também lideres empresariais, políticos e sociais se aprisionam em seus casulos. Falam sobre o mundo exterior, mas não sabem dialogar sobre si mesmo. São controlados pelo medo do que os outros vão pensar e falar deles. Represam seus sentimentos, sufocam a sua qualidade de vida.
Jesus, como o Mestre dos mestres da qualidade de vida, não reagiu desse modo. Ele deu-nos excelentes lições fundamentais para expandirmos a arte de ouvir e dialogar. Usou sua própria história como modelo. No Getsêmani, momentos antes de ser preso, julgado e morto, não apenas como vimos, resgatou a liderança do "eu" no teatro da sua mente, mas também não escondeu a sua angustia e seus sintomas.
Ele teve a coragem de chamar um grupo de amigos (Pedro, Tiago e João) e falar para eles que sua emoção estava profundamente triste. Teve a coragem de mostrar seus sofrimentos e sintomas psicossomáticos para discípulos tão jovens e inexperientes. Hora depois eles fugiram amedrontados, abandonando-o. Mas foi para essas frágeis pessoas que ele revelou a sua dor mais intensa. Não teve medo de ser incompreendido, julgado e criticado.
Poderia ter preferido mostrar heroísmo, mas ele precisa ensinar que dependemos uns dos outros, que necessitamos ser confortados e encorajados uns pelos outros. Mostrou que para ter qualidade de vida precisamos ser seres humanos e não heróis. As barreiras e as distâncias tinham de ser rompidas. A solidão deveria ser superada, pois só é útil para meditar e refletir, não para viver.
A pessoa mais forte que passou nesta terra chorou sem medo das suas lágrima. Foi transparente. O fenômeno RAM registrou uma imagem excelente dele no inconsciente dos seus discípulos.
Eles aprenderam a amá-lo em toda situação. Entenderam que também passariam por crises e precisariam enfrenta-las e compartilha-las. Seu comportamento os surpreendeu e os ajudou mais do que ajudariam hoje décadas de escola.
Mostrou nos que não devemos ter vergonha das nossas misérias e fragilidades. Para ele os fortes as declaram, pelo menos para os íntimos. Os fracos as escondem Você forte ou fraco. Algumas pessoas cometem suicídio porque nunca tiveram coragem de abrirem seu ser. Outras tem seus sonhos esmagados, sua esperança dilacerada, sua criatividade esfacelada, seu amor pela vida dissipado, porque não souberam cruzar suas histórias. Tiveram medo da critica dos outros. Viveram ilhadas dentro de si mesmas.
A sociedade moderna é superficial. Ela tem abortado a arte de ouvir e de dialogar. As pessoas representam, vivem maquiadas. Certas coisas não devemos falar publicamente, mas para um grupo de amigos íntimos como Jesus fez. Espero que com o PAIQ (Programa da Academia de Inteligencia de Qualidade de vida) possamos começar a reverter esse processo.
             O MESTRE NA ARTE DE OUVIR E DIALOGAR
Somos a única geração de toda a história que conseguiu destruir a capacidade de sonhar dos jovens. Nas gerações passadas, os jovens criticavam os conceitos sociais, sonhavam com grandes conquistas. Onde estão os sonhos dos jovens? Onde estão os seus questionamentos?
O sistema social é tão agressivo que tornou os jovens passivos, controlou-os internamente, roubou-lhes a identidade, transformou-os em número de identidade. Eles não criticam o veneno do consumismo, a paranóia da estética e a loucura do prazer imediato produzido pela propaganda da mídia. Para muitos deles, o futuro é pouco importante. O que importa é o hoje. Não tem uma grande causa para lutar.
Os pais e professores deveriam ser vendedores de sonhos. Deveriam plantar as mais belas sementes no interior dos jovens para faze-los intelectualmente livres e emocionalmente brilhantes.
Jesus Cristo foi um excelente vendedor de sonhos. Ele inspirava as pessoas que o seguiam. Levava-as a sonhar com grandes conquistas, conquistas de uma vida irrigada com paz, justiça, sabedoria. Conquistas de uma vida exuberante. Ele exaltava a vida humana.
Quando alguém queria saber sobre sua origem, ele não falava sobre sua origem eterna, mas sobre sua origem temporal. Ele era demasiado humano. Proclamava a todos os ouvintes: "Eu sou o Filho do homem". O que isso significa? Significa valorizava a sua natureza humana, amava ser uma ser humano, amava não ter rótulo. Era profundamente apaixonado pela vida.
Nunca analisei alguém que amasse tanto a vida como ele. Nós amamos as coisas que a vida nos trás, como dinheiro, casa, prestigio social, carro, conforto material. Ele amava existir, pensar, sonhar, criar, dialogar, ouvir. Nunca investiguei alguém que dizia orgulhosamente que era um ser humano. A vida humana, de fato, era uma pérola inigualável para ele. E para você?
Ao andar com ele, os insensíveis se encantavam pela vida, os agressivos acalmavam as águas da emoção e os iletrados se tornavam engenheiros de idéias. Sempre dócil ouvia os absurdos dos seus discípulos e, pacientemente, trabalhava nos recônditos das emoções deles.
Na última ceia, ele deveria ficar mudo, abatido, mas ainda teve fôlego para ter profundos diálogos com os seus íntimos. Os seus olhos estavam para fechar, mas ele conseguiu gerenciar seus pensamentos para dar importantes lições de vida. Disse que no seu reino a qualidade de vida era tão elevada, que o maior não era o que dominava e controlava os outros, mas o que servia, o que se doava, o que emprestava seus ouvidos e seu coração e não cobrava juros (retorno).
Ele foi um escultor de personalidade. Tinha prazer de dialogar com as pessoas que não tinham valor. Via uma obra de arte dentro do bloco de mármore da alma humana Tinha um cuidado especial para com as pessoas complicadas, com os errantes, os ansiosos, os incautos.
Para o Mestre do mestres, as pessoas que mais nos dão dor de cabeça hoje poderão vir a ser as que mais nos darão alegria no futuro. Invista nelas, cative-as, ouça-as, cruze seu mundo com o mundo delas. Plante sementes. Não espere o resultado imediato. Colha com paciência.
Esse é o único investimento que jamais se perde. Se as pessoas não ganharem, você, pelo menos, ganhará. O que? Experiência, paz interior, e consciência de que fez o melhor.
Pontos sugeridos para reflexão e discussão:
1. A arte de ouvir é a capacidade de ouvir sem preconceito. Quando você escuta alguém procura se colocar no lugar dele ou ouve o que quer ouvir?
2. A arte de dialogar é a arte de falar de si mesmo, traçar experiência de vida. Você têm medo de falar de si? Têm medo de ser criticado, julgado, incompreendido?
3. Como está seu relacionamento conjugal? Você têm sido um livro aberto para quem ama? Estão faltando elogios e sobrando crítica? Você têm feito pequenos gestos para encantar seu cônjuge?
4. Como está o seu relacionamento com os seus filhos? Você os critica muito? Têm cruzado a sua história com a deles? Têm parado para ouvi-los, conhecer seus sonhos, seus temores, suas angustias? Eles o conhecem? Conhecem suas metas, sucessos, fracassos, lágrimas?
5. O Mestre dos mestres não tinha vergonha de falar de si, não tinha medo das suas angustias. Existe alguma dor emocional ou conflito sobre o qual você gostaria de falar e não têm conseguido?
 
14/11/2004 - Augusto Cury
Extraído do Livro 12 Semanas Para Mudar uma Vida
Editora Academia de Inteligência - Edição - ano 2004
 
 
 
"SAIBA COMO MELHORAR O SEU CASAMENTO"
2011-08-12 10:07
 10 Dicas para melhorar seu casamento
Autor(a): Pr. Josué Gonçalves
 
Se você deseja melhorar o seu casamento, diariamente precisa tomar atitudes nesse sentido. Veja algumas atitudes que você poderia tomar a partir de hoje no seu casamento. Se cada cônjuge fizer a sua parte, ambos experimentarão uma relação conjugal bem melhor.
1.TRATE O SEU CASAMENTO DE FORMA SINGULAR.
Não existe nenhum outro igual ao seu. É preciso, porém, determinar o que é o casamento e o que queremos do casamento.
2.JOGUE FORA, DE VEZ EM QUANDO, O RESTO DE LIXO DO SEU CASAMENTO.
Nosso problema nesse sentido consiste em juntar até não caber mais, queixas, mágoas, até se tornar insuportável. Viva o seu presente.
3.AJUSTE AS FINANÇAS COMO UM BEM COMUM.
Aprenda a manusear o dinheiro como sendo da família, e não de um em particular. Cuidado com as ambições e o secularismo. Ponha Deus em primeiro lugar nas suas finanças.
4.REVIGORE A COMUNICAÇÃO FAMILIAR.
Desenvolva o senso de humor como uma necessidade diária. Relembre o seu estilo galanteador, e renove a alegria da sua casa todas as manhãs. Cuidado com o 'nunca' e 'sempre'.
5.DESCUBRA A ALEGRIA DO LAZER FAMILIAR.
Trabalhar é importante, mas não se esqueça do lazer. Passeio com o seu cônjuge ou com sua família. Faça aquele passeio que há muito tempo estão planejando. Descubra formas criativas de lazer na sua própria casa ou na sua cidade.
6.EXERCITE O DIÁLOGO CONJUGAL ATÉ O FIM.
Evite o desabafo com vizinhos e colegas. Faça tudo que puder porque o divórcio é muito 'caro'.
7.REALIZEM NOVAS LUAS DE MEL SEM OS FILHOS
Use a sua imaginação indo a um lugar próximo ou a um hotel mais barato ou por poucos dias. Desvencilhe-se do excesso de apego aos filhos. Mantenha sempre a diferença entre a relação paterno-filial.
8.APRESENTE A SUA VOLUNTARIEDADE NOS SERVIÇOS DOMÉSTICOS
Antes de pensar que é o homem ou a mulher, lembre-se que são uma só carne. Descubra o prazer da ajuda mútua. Isto equilibra as forças de poder e mando e as relações afetivas.
9.CONTINUE INCENTIVANDO SUA RELAÇÃO AFETIVO-SEXUAL.
A relação sexual está para o casamento como a calda de ameixa está para o pudim. Em muitos lares é como se o fogo da paixão afetiva já estivesse apagado. Lembre-se dos dias do fogão a lenha, um abano mantinha o fogo aceso e portanto a chama mais duradoura. Contudo a relação sexual depende da felicidade da relação afetiva e permanente.
10.PARTILHE COM O CÔNJUGE E SEUS FILHOS TODA EXPERIÊNCIA DO SEU CRESCIMENTO ESPIRITUAL BÍBLICO.
Relembre a decisão de Josué e o testemunho de Noé e ponha Deus em primeiro lugar na sua família. Seja um sacerdote como Jó que apresentava seus filhos em oração a Deus porque podiam ter pecado (Jó 1:5). Relembre Deuteronômio 6 e ensine e pratique a vontade de Deus na sua palavra, sem materialismo, farisaismo, hipocrisia ou fanatismo, mas a palavra pura e simples, de Deus.
 
 
 
"FAÇA A DIFERENÇA COM ATITUDES CORRETAS"
2011-08-13 10:24
 12 ATITUDES QUE PODEM FAZER TODA...
 
12 ATITUDES QUE PODEM FAZER TODA
A DIFERENÇA NO SEU CASAMENTO
(Jo 2.1-12)
 
Pr. Josué Gonçalves
         
Toda mudança começa a partir de uma atitude. Pessoas acomodadas acabam se tornando escravas de uma vida sem significado. Há momentos em que o casal deve se rebelar contra tudo aquilo que precisa ser mudado para que os dois alcancem uma vida de excelência. Quando atitudes são tomadas por aqueles que desejam mudanças, Deus entra em ação e faz aquilo que nós não podemos fazer. Atitude é o que Deus espera de todos nós
 
1.            CRIE UM CLIMA EMOCIONAL POSITIVO.
(1)  Encha a sua casa com provas de seu amor.
(2)  Transforme sua casa em um santuário emocional.
(3)  Use sua criatividade para externar o seu amor.
2.           DESATIVE SEU BURRO EMOCIONAL.
(1)  Ninguém pode fazer isso por você. Conte até 100 antes de responder, respostas precipitadas quase sempre destroem em vez de construir.
(2) Não faça tempestade com as pequenas manias. Não sucumba à lei do capricho, seja flexível.
(3)  Não vá para a cama aborrecido (a). Ira não pode ser guardada, é lixo emocional.
(4)  Jogue fora, de vez em quando, o resto de lixo do seu casamento
3.           NÃO FALE PELAS COSTAS.
(1)  Seja honesto (a)
(2)  Use as três peneiras para estancar processos de fofocas.
(3)  Nunca aceite em sua família que pessoas difamem a igreja. Pelo contrário, promova a igreja em sua casa. 
4.           PARE DE COMETER OS MESMOS ERROS.
(1)  Errar é humano, permanecer no erro é tolice.
(2)  No final de cada dia, faça uma auto-avaliação dos seus erros e acertos, para que no dia seguinte você erre menos.
(3)  Peça para o seu cônjuge lhe ajudar nas áreas que você é mais vulnerável.
5.           VALORIZE AS PEQUENAS MUDANÇAS.
(1)  É de pequenas mudanças que se constrói um grande projeto de vida.
(2)  Seja exigente com você e paciente com os outros. Todo mundo merece uma segunda oportunidade, até você.
(3)  Lembrem-se, os detalhes podem ser a causa das nossas vitórias ou derrotas. Leve-os a sério.
6.           NÃO PERMITA QUE A TV JOGUE TODO O SEU LIXO MORAL EM SUA SALA, COZINHA E QUARTO. SEJA SELETIVO.
(1)  Você é resultado daquilo que vê e ouve.
(2)  Tenha o controle em relação a tudo aquilo que entra na sua casa.
7.           VENÇA A ROTINA ANTES QUE ELA SUFOQUE SEU CASAMENTO.
(1)  Faça coisas fora da agenda.
(2)  Surpreenda positivamente as pessoas que o rodeiam. Tenha gestos nunca tidos.
(3)  Liberte a criatividade para fazer coisas fora da agenda a fim de nutrir a sua história conjugal com o sabor da aventura.
(4)  Tente fazer algo da forma que você nunca fez.
(5)  Faça tudo o que você gosta, sem ferir o cônjuge e transgredir princípios.
8.           CONTRIBUA COM O QUE VOCÊ PODE PARA MANTER A CASA SEMPRE EM ORDEM, ARRUMADA, DECORADA, ETC.
(1)  Sua casa deve ser o melhor lugar do mundo.
(2)  Gente equilibrada interiormente não se sente bem no meio da bagunça e sujeira.
(3)  A qualidade do relacionamento familiar também depende de como nós arrumamos a nossa casa. 
9.           DEMONSTRE INTEGRIDADE PESSOAL.
(1)        Reputação e caráter são as duas colunas da nossa vida.
(2)        Caráter é a definição do que eu sou.
(3)        A crise de integridade é a causa da crise em muitas famílias.
(4)        Hoje há muita preocupação com o "TER" e bem pouco com o "SER".
(5)        A pergunta que devemos estar fazendo sempre é: "Qual é o meu conceito diante das pessoas, do diabo e de Deus?"
10.       SEJA ECONÔMICO (A), MAS NÃO EXECESSIVAMENTE SEGURO (A).
(1)        Busque sempre o equilíbrio entre gastar e economizar.
(2)        Aprenda a planejar antecipadamente.
(3)        Tenha compromisso com prioridades.
(4)        Invista pensando no amanhã.
(5)        Cuidado com o desperdício.
(6)        Não tenha medo de assumir riscos.
(7)        Seja otimista para conseguir ver possibilidades na dificuldade.
11.       REVIGORE SUA VIDA SEXUAL.
(1)        De o valor devido ao "sexo no casamento", nem mais e nem menos.
(2)        Realizem novas luas de mel sem os filhos.
(3)        Esteja aberto para aprender mais sobre ajustamento sexual.
(4)        Não faça apenas "sexo", faça "amor". Alguém disse: Depois que um casal aprende a "fazer amor", nunca mais se contenta em apenas "fazer sexo".
(5)        A prática do ATO CONJUGAL com qualidade é uma arte que se aprende. Lembre-se, ninguém sabe tudo.
(6)        Continue incentivando sua relação afetivo-sexual.
12.       VALORIZE AMIZADES CONSTRUTIVAS E LIVRE-SE DAS DESTRUTIVAS.
(1)        Depois da família, quem mais nos influencia são os nossos amigos.
 
 
 
 
"SENDO FORTALECIDOS A CADA ADVERSIDADE DA VIDA"
2011-08-14 11:50
 COMO SAIR FORTALECIDO DA CRISE?
 
                                         
Pr Josue Gonçalves
 
 
"E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa,..."
 
 
 
Em nenhum momento Jesus disse que pelo fato de estarmos edificando sobre fundamento sólido, com material de primeira e de acordo com o projeto original, não teríamos problemas. Ele disse que o vento iria soprar, a chuva iria cair torrencialmente e haveria combate contra a casa. Jesus não prometeu te livrar dos problemas, mas sim no problema. Deus não livrou Daniel da cova, mas o livrou na cova. Problemas existem, mas podem ser superados.
 
"Seu casamento é fortalecido à medida que os dois aprendem
 
a transformar tragédias em triunfos e tornam-se vencedores
 
em vez de vítimas".
 
(Barbara Russel Chesser)
 
 
 
O que pode desencadear uma crise no relacionamento de casal? Uma gravidez não planejada, a morte de um filho, o desemprego do marido (desequilíbrio financeiro), impotência sexual ou frigidez da mulher, o nascimento do primeiro filho, a necessidade de acolher os pais em casa, doenças, um acidente que colocou um dos cônjuges em uma cadeira de rodas, um filho que assume um comportamento homossexual, um filho que se envolve em drogas, uma filha que engravida do namorado e o mesmo não assume a criança, uma mudança de casa e de cidade contra a vontade de um dos cônjuges, um filho com problema mental, a necessidade de acolher um irmão, etc.
 
 
 
1.     Saiba que o casamento é o único "jogo" em que os dois podem "ganhar". Em artigo para a revista seleções o psiquiatra Pittman disse: "Não há como ganhar contra seu cônjuge. Ou vocês dois ganham ou os dois perdem".
 
2.     Não use o cônjuge como bode expiatório. Enfatize os sentimentos positivos de um para com o outro e não dê muita atenção aos sentimentos negativos. Focalize as qualidades do companheiro (a).
 
3.     Mantenha os canais de comunicação aberto. É nestes momentos de turbulência que o casal precisa conversar muito, dialogar e "discutir construtivamente".
 
4.     Evite a todo custo que o "passado" seja o combustível que alimenta e torna a crise mais intensa e prolongada. Podemos até lembrar o passado para recapitular as lições aprendidas, mas é necessário tirar o foco do passado e colocá-lo no futuro. (Fl. 3:13)
 
5.     Mantenha-se aberto para receber ajuda e aprender com outras pessoas. Sempre haverá pessoas com mais experiência que poderão ajudar, pode ser um membro da família, um irmão, um amigo ou alguém da liderança da igreja que trabalha na área de aconselhamento.
 
6.     Lute contra a tempestade, motivado por aquilo que gera esperança.Os chineses talvez tenham sido os primeiros a reconhecer a natureza dupla da crise. Sua palavra para crise é escrita com dois caracteres, um que significaperigo e um que significa oportunidade. A crise é, de fato, mais do que apenas um problema - é um momento decisivo, uma catalisadora de forças para quebrar velhos padrões, evocar novas reações e determinar novas direções e novos inícios.  Reflita nas palavras deste verso: "Dois espiam pela grade; Um vê a lama e o outro, estrelas de verdade" (Rm. 5:3-5).
 
7.     Seja sensível para perceber a presença de Deus. Este é um recurso espiritual muito poderoso. Concordo quando alguém diz que, sua razão para esperança e sua fé em Deus, lhes dá um senso de propósito e força. A percepção da presença de Deus te faz mais paciente, perdoador, o leva a vencer mais depressa a raiva, a ser mais positivos e a apoiar mais um ao outro.
 
8.     Lute consciente de que as promessas de Deus não morrem. Morrem os profetas, mas Deus é fiel no que prometeu. Quem tem promessas, tem razões para ter esperança. (Hb. 13:5; 6:18,19; Sl. 46:1; Sl. 23)
 
9.     Faça uma leitura positiva da crise. Paulo nos ensina sobre isso em Rm 5:3-4 quando diz: a) nos gloriamos nas tribulações; b) a tribulação produz apaciência; c) paciência a experiência; d) experiência a esperança.
 
10. Faça da crise uma oportunidade para o Espírito Santo desenvolver em você o seu fruto (Gl. 5:22). A crise pode adubar o terreno do nosso coração para a produção do fruto do Espírito.
 
11. Administre o problema com inteligência emocional. Deixa a razão ir à frente da emoção. Nunca se esqueça que os mansos herdarão a terra. (Mt. 5:5)
 
12. Olhe para o casamento com suas dificuldades, como ferramenta de Deus para libertar você de você mesmo. Uma das maiores vitórias de Deus em nossas vidas é quando Deus nos liberta de nós mesmos. O maior problema do homem é o próprio homem.
 
13. É na crise que se mede a profundidade de caráter. Os problemas, as tensões, as crises, têm este papel, revelar quem verdadeiramente somos.
 
14. É na crise que mostramos ao diabo, que a gente serve a Deus pelo que Ele É e não por aquilo que Ele nos dá. (Ex. Jó) Ao perder tudo, Jó disse, receberemos o bem de Deus, e não receberíamos o mal? Em tudo isto não pecou Jó com os seus lábios. (Jó 2:10)
 
 
 
Ernest Hemingway escreveu: "A vida quebra a todos e depois muitos ficam mais fortes nos lugares quebrados". Enquanto muitos casamentos fracassaram depois de uma crise, os cônjuges que sobreviveram a catástrofes dizem frequentemente, ao olhar para trás: - Saímos mais fortes agora.
 
 
 
"CUIDANDO DA SAÚDE ESPIRITUAL"
15/08/2011 09:31
 DICAS PARA A SAÚDE ESPIRITUAL DO HOMEM
Parte 1
 
Pr. Josué Gonçalves
 
__1__
 
Cultive a comunhão vertical e horizontal.
 
"Mas se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo pecado". (1 Jo 1:7)  A comunhão é um prazer que se constrói na proporção que vamos caminhando na luz. Quanto mais o homem se aproxima de Deus, melhor ele compreende o seu próximo. Os que andam na luz conseguem olhar para o outro na perspectiva divina. Observe que as pessoas com uma espiritualidade sadia conseguem se relacionar com os diferentes sem crise. Preconceito, racismo, pré-julgamento são evidencias de um coração que ainda não compreendeu o que significa andar na luz.
 
__2__
 
Ouça, leia e pratique as Escrituras, é uma necessidade vital do homem interior.
 
"Portanto todo aquele que ouve estas minhas palavras e as pratica, será  semelhante ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha". (Mt 7:24) Tudo o que o homem precisa saber para ser espiritualmente sadio, pode ser encontrado no Sermão da Montanha. O conteúdo de todo o Sermão, são princípios para a construção de um projeto de vida segundo a vontade de Deus. Jesus afirmou através de uma parábola: "Se vocês ouvirem e praticarem o que estou ensinando, podem ficar tranqüilos, ainda que venha a tempestade e sopre os ventos esta casa não vai cair, pois foi edificada sobre a rocha". Lembre-se, não bastar ouvir ou ler, o segredo está em praticar.
 
 
 
__3__
 
Tenha uma vida de oração disciplinada..
 
"Ora, quando Daniel soube que a escritura estava assinada, entrou em sua casa, no seu quarto em cima, onde estavam abertas as janelas para o lado de Jerusalém, e três vezes no dia se punha de joelhos, orava e dava graças, diante do seu Deus, como também antes costumava fazer.". (Dn 6:10)  Quatro razões porque o deve cultivar uma vida disciplinada de oração: 1) A oração é o termômetro que mede a nossa  vida espiritual. 2) A oração aprofunda a nossa comunhão com Deus. 3) A oração é a forma mais sublime de adoração, por isso, quem não ora ainda não aprendeu a adorar. 4) A oração faz com que o cristão seja corajoso, ousado, paciente, determinante e sobre tudo, santo.  Nada gera mais temor em nós do que a Palavra de Deus e a oração. Do início ao fim da vida de Daniel em Babilônia, vemos um homem que fez toda a diferença como sal e luz naquela terra (Mt 5:13,14)
 
__4__
 
Tenha sempre um parceiro de oração.
 
"Pedro e João subiam juntos ao templo à hora da oração, a nona". (At 3:1) Quando duas pessoas se unem com o propósito de orar, essa unidade movida pela oração tem implicações no mundo espiritual que vão além da nossa capacidade de dimensionar. É sempre bom ter pessoas que ajudam a nutrir sua fé e que sabem servir o amigo em tempo de crise. A Bíblia diz que o cordão de três dobras não se quebra com facilidade (Ec 4:12).
 
__5__
 
Seja um adorador que mantém o coração conectado com o Senhor da qualidade de vida - Jesus.
 
"...adorai ao Senhor na beleza da sua santidade". (2 Cro 16:29b) Quem ainda não aprendeu a adorar, nunca experimentou uma espiritualidade sadia. É na adoração que o homem reconhece a sua pequenez diante da grandeza do seu Senhor. É na adoração que o homem deixa vazar seu sentimento de gratidão. É na adoração que o cristão afirma que Jesus é o Senhor de sua vida.  Davi como um homem segundo o coração de Deus, sabia o valor e o significado da adoração. Foi ele quem disse: "Ó, vinde, adoremos e prostremo-nos; ajoelhemos diante do Senhor que nos criou". (Sl 95:6) "Exaltai ao Senhor nosso Deus e adorai-o no seu monte santo, pois o Senhor nosso Deus é santo". (Sl 99:9)
 
__6__
 
Mantenha seu compromisso com uma vida de santidade.
 
 "Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação;..." (1 Ts 4:3) A falta de compromisso com santidade, é um forte sintoma de que a vida espiritual não vai bem. O cristão deve crescer em santidade, este é o propósito da ação do Espírito Santo em nossas vidas. Sem santidade ninguém verá o Senhor (Hb 12:14). Foi Jesus quem disse: "Bem-aventurados os puros de coração, porque eles verão a Deus". (Mt 5:7) Deus é santo, por isso tudo o que se relaciona com Ele deve ser santo, inclusive eu e você. (1 Pe 1:16) Quando Isaias contemplou a pureza absoluta da santidade de Deus e do seu caráter, brotou nele uma convicção esmagadora da sua própria impureza (Is 6:5). Espiritualidade sadia deve se manifestar pelo desejo intenso de viver uma vida em santidade crescente.
 
__7__
 
Diga sempre não ao pecado, ele é a principal causa da estagnação e perda da vitalidade espiritual.
 
 "Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências". (Rm 6:12) O pecado é a principal causa da estagnação e perda da vitalidade espiritual. Pecado é tudo aquilo que compromete a  sua comunhão com Deus, com o corpo de Cristo que é a igreja e estagna a sua vida espiritual. Está escrito: "Mas as vossas iniqüidades fazem divisão entre vós e o vosso Deus, e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça" (Is 59:2). O apóstolo Paulo preocupado com a vida espiritual da igreja em Roma, escreveu: "Pois sabemos isto, que o nosso velho homem foi com ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, a fim de não servirmos mais ao pecado; ..." (Rm 6:6)
 
__8__
 
Procure cultivar sempre uma vida permeada pela presença de Deus.
 
"Uma coisa pedi ao Senhor, e a buscarei: que possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do Senhor, e aprender no seu templo". (Sl 27:4) Quando falo em vida permeada pela presença de Deus, isto pode ser traduzido em devoção à Escritura, intimidade em oração e em comunhão com os santos. A presença de Deus deve se manifestar em tudo aquilo que fazemos para o louvor e glória do seu nome.
 
 
 
 
 
" conhecendo as diferenças "
16/08/2011 10:02
 Porque os homens e as mulheres são tão diferentes?
Autor(a): Pr. Josué Gonçalves
 
A grande opção
Apesar de todas as dificuldades e desafios que a relação a dois envolve, as pessoas continuam encontrando boas razões para se casarem, que vão desde o medo de estar só (Gn.2.18), até os desencadeados pelos temores da vida contemporânea, de construir um lar que funcione como porto seguro num mundo cada vez mais cheio de incertezas, além de outros.
As diferentes motivações e necessidades
Homem e mulher são dois modos de ser. Têm estruturas cerebrais diferentes, estruturas emocionais diferentes e diferentes campos perceptuais da dimensão espiritual, ainda que em essência, sejam seres humanos.
Em face dessas diferenças fica mais fácil compreender que, em se tratando de casamento, as razões do homem parecem não ser as mesmas da mulher, de modo que, ao empreenderem o matrimônio, ambos o fazem por diferentes necessidades e motivações.
O QUE ELES QUEREM?
Satisfação sexual
Sem nenhum exagero, para homem, o casamento se faz na cama. Acredito que este instinto é mais focalizado no homem que na mulher.
No casamento o homem projeta a sua realização e satisfação sexual. Quando isto não acontece, o casamento pode perder a sua razão de ser, pois quase nada pode compensar tal carência. É evidente, que com a exploração que a mídia e a sociedade em geral, fazem do sexo, os problemas sexuais no homem, podem se transformar facilmente em traumas psicológicos.
Companhia prazerosa
Desde o princípio foi constatado por Deus. De fato, o homem é carente de uma companhia, da presença estável de uma mulher que esteja ao seu lado, livrando-o da terrível sensação de solidão.
O relacionamento para o homem é presença; ele se guia pela vista, ainda que não necessariamente, pelo tato, como acontece com a mulher. É necessário porém, que esta companhia lhe seja prazerosa, no sentido de lhe proporcionar certas gratificações ou prêmios, em face de sua condição de provedor. Pelo menos é assim na psique do homem.
O homem considera uma atividade compartilhada com sua companheira como uma alta expressão de intimidade. Isto lhe causa muito prazer. A mulher conquistaria melhor seu marido se participasse mais, com ele, de atividades recreativas. Na realidade, para o homem, não é tão importante o realizar junto, mas, estar junto dele em atividades que lhe dão prazer.
Uma esposa atraente
O livro de Cantares de Salomão ilustra bem esta necessidade do homem. O escritor, ao longo de todo o livro não deixa de expressar o seu encanto com as formas de sua esposa, partes do seu corpo que em geral, recebem alta cotação do clube masculino, chegando mesmo a descrevê-las, comparando-as com paisagens e formas da natureza que tanto os fascinam. Talvez, em função da valorização que o homem dá à aparência de sua esposa, muitas mulheres estão percorrendo verdadeiros calvários para manter suas formas bem acentuadas, o que tem levado algumas, inclusive, a comportamentos obsessivos a esse respeito. É bom lembrar que nem sempre as pessoas têm total controle sobre alterações que se processam no seu corpo.
Uma guardiã do lar
Muitas mulheres enganam-se, ao imaginar que os homens abandonaram definitivamente a imagem internalizada, ao longo de milhões de anos, da esposa que cuida da casa, desempenhando tarefas típicas dessa função. Muitas mulheres, inspiradas nos ideais feministas abandonaram por completo o cuidado da casa, para que não fossem vistas como súditas do império machista. Esta mudança radical causou um forte impacto na relação conjugal. Nem a mulher nem o homem conseguiu assimilar bem tal mudança. Estudos revelam que a grande maioria dos homens casados ainda se incomoda muito quando as suas esposas deixam de lhes fazer pequenas tarefas como, prega os botões de suas camisas.
Admiração
O desejo de ser admirado e reconhecido é mais aguçado no homem que na mulher. O homem parece viver em função desse desejo, que lhe é visto como o preço mais justo que pode lhe ser pago por aquilo que ele realiza. Sem admiração o homem definha e empobrece. Sem admiração, sua motivação para as conquistas e para as realizações se esvaem e seu entusiasmo pela vida desaparece. A admiração para o homem funciona como combustível e ao mesmo tempo, como parâmetro que mede a eficácia de seus atos.
O QUE ELAS QUEREM?
Afeto
A mulher é movida por afeto, que é o mais nutritivo alimento do seu coração. Quando elege o seu cônjuge, ela espera receber dele afeto, em forma de palavras, de toques e de atitudes, pois as relações conjugais lhes são sinônimos de relações afetivas. A sensibilidade da mulher ao toque, por exemplo, é dez vezes maior do que a do homem. O casamento para a mulher, é acima de tudo, a expressão máxima de amor e compromisso entre duas pessoas, e só secundariamente, entendido como uma instituição.
O afeto é uma de suas necessidades permanentes e, independente do tempo que está casada, a mulher espera receber sempre do seu esposo boas e constantes doses de carinho e afeto.
Intimidade
No relacionamento conjugal, quanto mais proximidade, melhor. No caso da mulher, parece que sua estrutura emocional e sua estrutura cerebral, têm este campo de necessidade maior que a do homem, fazendo com que, a convivência íntima seja muito mais buscada por ela do que por ele, no casamento. A mulher cobra constantemente do homem esse tipo de convivência e um ambiente onde haja compreensão empática e um nível de confiança baseado no compromisso da fidelidade e da continuidade das relações conjugais.
Diálogo
Um outro aspecto relevante, é que para a mulher, a comunicação vai além de mera conversa clichê, aquela que se faz através de frases prontas e chavões, em que as palavras soam vazias. Ao se comunicar, a mulher expressa sentimentos e usa a comunicação num nível mais profundo, para se aproximar e tornar-se íntima. Daí a sua grande necessidade de falar sobre a relação e de ter o feeedback do seu cônjuge a esse respeito.
Sem sombra de dúvida, ao lado de um homem calado, com o olhar perdido, sempre há uma mulher se sentindo desprezada e distante, com a sensação de que algo vai muito mal na sua relação conjugal. O silêncio do homem é uma das maiores ameaças para a mulher.
Honestidade
A personalidade de uma pessoa sempre foi um aspecto importante a ser avaliado no momento de se decidir por uma relação duradoura. Nas mulheres, isto parece ser ainda mais valorizado que nos homens. Enquanto estes têm a tendência de se basear mais pela vista, aquelas se interessam mais por qualidades interiores do homem, os traços de sua personalidade, suas características pessoais, seu caráter. A honestidade é um dos traços que a mulher mais admira no homem. Só numa relação de honestidade e franqueza a mulher se sente segura e tranqüila para expressar livremente toda a grandeza dos seus sentimentos.
Sustento financeiro
Quase que em toda história da humanidade o homem exerceu o papel de provedor da família. Era o responsável pelo abrigo e o sustento desta. Há no seu cérebro, uma estrutura programada para esse tipo de comportamento e, mesmo nos nossos dias, não é simples para ele conviver numa situação em que a mulher esteja fazendo o seu papel, como acontece em muitas famílias. A mulher, por sua vez, não superou o condicionamento de milhões de anos, vivendo sob a proteção do homem e continua a vê-lo como o mantenedor do lar, mesmo nos casos em que esteja ganhando mais que ele.
Concluindo, a dinâmica dessas diferenças dentro de um ambiente de mútua compreensão enriquecerá ainda mais a fascinante aventura da vida, o casamento.
 
 
 
 
 
" CRIAR FILHOS, DEUS NOS ENSINA" - Parte 1
17/08/2011 11:50
 Como Criar Filhos Masculinos e Filhas Femininas Parte 1
Autor(a): Pr. Davi Merkh
 
Se existe uma chave para criar filhos masculinos e filhas femininas, creio ser a influência marcante e  constante da presença dos pais com seus filhos!  Este é o verdadeiro discipulado, a impressão digital deixada por um pai no filho, a mãe na filha, e vice-versa.  Como vamos criar um filho à distância? 
"Pai" significa ser discipulador! E o verdadeiro discipulado significa participar no processo de formar Cristo em outras pessoas.  Começa em casa.  Sou o primeiro responsável para tornar meus filhos súditos do Rei Jesus.  Onde já se viu um discipulado acontecer sem o contato constante e íntimo?   Tentamos hoje com nossos muitos modismos, mas não conseguimos.  Para Jesus formar  discípulos, exigiu-se dele  24 horas por dia durante 3 anos!
Tentamos escapar, criando palavras como "mentor", pois reconhecemos que não somos suficientemente abertos, transparentes, vulneráveis ou perfeitos (!) para outras pessoas nos observarem de perto.  Criamos "programas" de discipulado para tentar resolver isso.  Ao mesmo tempo ignoramos o contexto ideal que temos para deixar uma marca profundíssima na vida de outros-nossos filhos!
Quando olhamos para a Bíblia, logo nos seus primeiros capítulos, percebemos que se espera que a imagem de Deus nos pais (Gn 1.27,28) seja reproduzida nos filhos (Gn 5.1-3).Portanto, a preocupação principal dos pais deve ser  criar filhos à imagem de Deus (a imagem de Deus resgatada) e depois permitir que Deus mesmo, pelo Seu Espírito, desenvolva os papéis da verdadeira masculinidade e feminilidade conforme Ef 5:22-31.
Infelizmente, o Inimigo continua seu ataque feroz contra a imagem de Deus (1 Pd 5:7; Ap 12:9,10). E como ele não pode atacar diretamente a Deus, sua estratégia é atacar ao homem, feito a imagem de Deus, desfigurando-o por meio das tentações e do pecado. É como se o homem fosse um espelho refletindo a glória de Deus, mas, que, de repente, o diabo vem e nele lança sua lama. A lama que o diabo lança no espelho impede-o de refletir perfeitamente a glória de Deus. O mesmo tem acontecido com as famílias: elas são alvo da lama diabólica.
Haverá algum meio de se limpar a lama jogada nos espelhos individuais e familiares? Sim! Jesus veio resgatar a imagem de Deus no indivíduo e na família pela sua obra na cruz (2 Co 5.17-21). Em Jesus, pelo poder do Espírito, a verdadeira masculinidade e feminilidade podem ser resgatadas (Ef 5.18-6.4).
Mas, afinal, o que significa ser masculino ou feminino?
Será que ser Homem significa ser bom de briga, artilheiro no futebol e ter capacidade de consertar qualquer problema mecânica? Ou ter "pelos no peito" e conquistar muitas garotas são provas da verdadeira masculinidade?
E quanto às mulheres, será que ser uma boa cozinheira é sinônimo de ser feminina? Ou ter um corpo "malhado" e ser sedutora são as marcas da verdadeira feminilidade?
A verdade é que as pessoas têm seus conceitos formados muitas vezes pelos amigos ou pela mídia e, portanto, suas bases neste assunto são seculares e mundanas.
A verdadeira definição de  masculinidade e feminilidade é uma questão, segundo a Bíblia, do coração - um coração que segue o padrão de Deus traçado para ambos os sexos, especialmente no contexto do casamento.
 Permitamos que Deus defina nossa sexualidade, e não a cultura. Em sua Palavra, Deus define o homem como sendo o "líder-servo" do lar, que ama, protege, providencia, educa, cuida e disciplina; e a mulher como sendo a "auxiliadora idônea", que cuida do lar, cria seus filhos, ama-os e ao marido (Confira: Gn 2:15-18; Pv 31:10-31; Ef 5:21-31; 1 Pd 3:1-7; 1 Tm 3; Tito 2:1-5).
Deus mesmo que nos deu a definição exata de nossos papéis como homens e mulheres, também nos deu, por meio da família, o privilégio de ensinar aos nossos filhos estes mesmos papéis. Provérbios 22.6 nos diz:
Ensina a criança no caminho em que deve andar e,  ainda quando for velho, não se desviará dele.
Com isso Salomão quer nos mostrar que criar nossos filhos à imagem de Deus exigirá treinamento e dedicação(Dt 6:4-9; Sl 78; Ef 6:4). Dedicação para abrirmos pacientemente uma "trilha" para nossos filhos e treiná-los perseverantemente para seguirem esta trilha aberta. É um processoabrangente que demanda muito do nosso tempo, mas, se queremos de fato formar nossos filhos, devemos investir neles a maior quantidade de tempo possível com qualidade. Embora durante este demorado processo devemos ser sensíveis à natureza de nossos filhos, em nenhum momento podemos esquecer que nosso dever nele é sermos "pró-ativos". Ou seja, os pais devem antever as situações e buscarem sabedoria na Palavra para se prepararem para enfrentá-las, visto que o caminho natural da criança é estultícia e vergonha (Pv 29:15, 22:15). Todavia, este esforço para criar nossos filhos à imagem de Deus traz sua recompensa: a alma dos pais experimentará delícias! (Pv 29.17).
 
 
 
 
" REVIGORANDO O RELACIONAMENTO MATRIMONIAL"
18/08/2011 12:56
 REVENDO OS VOTOS QUE FORAM FEITOS NO DIA DO CASAMENTO:
A ansiedade era grande, pois o dia da realização do sonho havia chegado. Muitos convites foram distribuídos, alguns dos convidados vieram de longe, a igreja está enfeitada e a hora do grande encontro se aproximava. O noivo se preocupou com os mínimos detalhes. Com o auxilio das irmãs e da mãe, a noiva procurou se produzir como a princesa idealizada pelo amado.
 
O momento chegou, os convidados enchem o templo, a música cria o clima do encontro festivo dos amantes, o noivo aguarda trêmulo no altar o aparecimento da sua amada. De repente, ouve-se o som da marcha nupcial, as portas do templo se abrem e o momento tão aguardado, sonhado, idealizado está acontecendo.
 
Ao som da música, os dois caminham e se encontram no meio do corredor do santuário. O pai entrega a jovem ao noivo, que a recebe com um beijo, e os dois se dirigem até o altar. O sermão é ministrado. Após a pregação, que não durou mais do que trinta e cinco minutos, chega o momento em que os dois, publicamente, fazem os seguintes votos:
 
 "Prometo te amar na saúde e na doença, na alegria e na tristeza, na prosperidade e na adversidade, em todas as circunstâncias, até que a morte nos separe". São votos que serão testados diariamente.
 
Cinco características dos votos conjugais:
 
1.      Uma decisão voluntária. Você tinha a opção de permanecer solteiro (a). Mesmo que a escolha tenho sido feita na base da pressão ou como válvula de escape de alguma situação, você é responsável pela decisão que tomou.  Todos nós tínhamos a opção de escolher outro (a). Deus deu ao homem o direito de decidir. Lembre-se que ter um (a) sócio (a) implica em dependência, compromisso e prestação de contas. Nenhuma sociedade se firma sem estes princípios básicos.
 
2.      Uma proclamação pública. O que se diz diante de muitas testemunhas revela a seriedade dos votos que fizemos no dia do casamento. Duas pessoas conscientes da grandeza deste ato, jamais o farão com leviandade.
 
3.      Uma promessa incondicional. O que foi prometido deve ser cumprido até que a morte os separe. Segundo o que foi projetado por Deus, casamento não é um relacionamento descartável, é um compromisso que deve durar a vida inteira. Quando Dietrich Bonhoeffer estava encerrado na prisão nazista, escreveu um sermão para um casamento de uma sobrinha. Disse ele: "O casamento é maior do que o amor que vocês têm um pelo outro. Ele tem em si grande dignidade e força por ser a ordenança santa através da qual Deus planejou a perpetuação da raça humana, até o fim dos tempos. No amor que os une, vocês veem apenas a si mesmos no mundo, mas ao se casarem tornam-se um elo na cadeia das gerações que Deus faz aparecer e partir para a sua glória, chamando-as para o seu reino. Em seu amor, vocês veem apenas o 'sétimo céu' da sua felicidade, mas no casamento recebem uma posição de responsabilidade perante o mundo e a raça humana. Seu amor é propriedade particular, mas o casamento não pertence apenas a vocês, é um símbolo social, uma função de responsabilidade".
 
4.      Um propósito sério. (Ec 5.5; Mt 19.6)  Pessoas sérias cumprem suas promessas e votos. A falta de seriedade pode ser uma questão de caráter.  Para enriquecer o casamento é necessário compromisso perseverante e fé determinada - algo que talvez alguns casais  jamais puderam observar nos lares de suas respectivas infâncias.
 
5.      Votos que obrigam. (Mt 5.37) Ninguém é obrigado a votar, porém, depois que o fizeram, são obrigados a cumprir esses votos. 
 
 
 
 
 
 
" NÃO DEIXE BROTAR RAÍZES DE AMARGURA" Parte 1
19/08/2011 10:58
 Mágoas e Perdão - Parte 1
Autor(a): Pr. David J. Merkh
 
Longe de vós toda a amargura, e cólera, e ira, e gritaria...Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, PERDOANDO-VOS UNS AOS OUTROS, COMO TAMBÉM DEUS EM CRISTO VOS PERDOOU (Ef 4.31,32)
De todas as tempestades que assolam a família atualmente, talvez nenhuma seja responsável por mais destruição que as mágoas.  As mágoas representam ira não-resolvida.  Quase sempre envolvem as pessoas mais próximas de nós.  Enquanto nos indignamos quando ouvimos de tragédias acontecendo a pessoas em outras partes do planeta (terrorismo, genocida, etc.) normalmente não guardamos mágoas contra os vilões.  A pessoa magoada experimenta ira contínua, fervendo um pouco abaixo da superfície da sua vida, uma ferida aberta e podre que tempo nunca cura.  Talvez ela fique adormecida por um tempo, mas até que seja drenada do seu veneno fatal pelo poder curador da cruz de Cristo, mata a pessoa física e espiritualmente aos poucos.  As mágoas corrompem as fontes da vida.  
O primeiro passo para libertação das mágoas é identificar nossa ira.  Mas para alguns, não é muito "espiritual" admitir a ira.  Por isso, usamos outros termos para descrever o que a Bíblia identifica, sim, como "ira": "frustração", "tristeza", "decepção", etc.  (Ef 4.26,27,31).
Deus nos chama para uma vida de perdão, o mesmo tipo de perdão que Cristo nos ofereceu pela Sua morte na cruz. Somente Cristo Jesus,vivo em nós, será capaz de transformar mágoas em perdão.
Conselheiros bíblicos apontam para o fato de que a raiz de ira crônica (mágoa) muitas vezes é uma questão de nós não recebermos o que desejamos desesperadamente de outra pessoa ou situação.  Esse desejo pode ser tão intenso que se torna um ídolo em nosso coração, um objeto de adoração, mais importante que Deus em nossa vida.  Quando nosso desejo é bloqueado por alguém, respondemos com ira, guardamos mágoas, procuramos vingança, fofocamos ou odiamos essa pessoa que nos privou daquilo que achamos tão importante.
Se você se encontra irado por muito tempo contra alguém, especialmente alguém da sua família de origem ou família atual, reflita sobre essa questão: "O que eu desejava tanto, que fulano não me deu?"  Por exemplo, alguém que foi rejeitado pelos pais ou um cônjuge pode responder, "Eu queria ser aceito." Outra pessoa poderia responder, "Eu queria um pai presente, que brincasse comigo e se interessasse por mim." Outra pessoa, "Eu queria que meu marido me tratasse como uma pessoa e não objeto".    
Nossa cultura de vitimização justifica ira e mágoas como respostas a situações como essas-afinal de contas, realmente somos vítimas.  Mas uma cultura de vitimização nunca alcança vitória ou livramento da escravidão de mágoas.  E falha por não levar em consideração a vida de Cristo em nós-Aquele que foi o maior Vítima de todos os tempos. Na cruz Ele exclamou, "Pai, perdoa-lhes, porque  não sabem o que fazem"(Lc 23.34) 
Certamente não queremos minimizar ou negar o fato de que muitos entre nós SOMOS vítimas.  Mas afirmamos que, mesmo assim, somos RESPONSÁVEIS pelas nossas respostas aos abusos que sofremos.  
Em Mateus 18.21-35 Jesus contou a história de um servo devedor que não podia pagar uma dívida que equivalia entre 260.000 e 360.000 QUILOS de metal precioso (talvez ouro)--uma quantia que demoraria milhares de anos para quitar.  O rei perdoou-lhe sua dívida, só para descobrir que o servo ingrato lançou na cadeia um conservo que lhe devia o equivalente de 100 dias de serviço de um trabalhador comum.  
A moral da história?  Quando realmente percebemos o tamanho da dívida que temos com Deus, TODAS as ofensas que pessoas cometem contra nós, embora reais e difíceis, diminuem em comparação.  A chave está em reconhecer nossa própria dívida, e mergulharmos no amor e perdão que nosso Rei nos estendeu.
Pessoas que ainda não reconheceram o verdadeiro estado do seu coração, a profundidade do seu pecado, a miséria da sua alma diante de Deus, muitas vezes têm dificuldade em perdoar outras pessoas os males que lhes fizeram.  Não entendem tamanha dívida que elas mesmas foram perdoadas e, por isso, guardam mágoas contra essas pessoas. 
Muitas vezes vivo grato pelo perdão, mas não ao ponto de perdoar aos outros.  Minha tendência é diminuir o tamanho da minha dívida para com Deus, imaginando que sou capaz de pagá-la, quando de fato a conta é impossível.  Por isso, recuso perdoar aqueles que me magoaram.  Guardo a minha ira, e responsabilizo as pessoas por satisfazerem meus desejos.
Existe alguém que eu estou responsabilizando por ter me ofendido, que eu mantenho como devedor?  Guardo mágoas contra essa pessoa? 
Perdoar alguém que nos abusou, ofendeu, machucou ou privou é impossível sem uma obra profunda de Jesus no coração.  Só a vida dEle em nós para perdoar do coração!  Mas Ele prometeu nos capacitar para fazer isso e muito mais.
Você realmente crê que Deus pode carregar a sua dor?  Sarar as feridas que você recebeu na jornada da vida?  Pela graça e pelo poder de Jesus, você pode confiar ao Pai aquele que fez de você uma vítima?  Viver livre da ira e das mágoas envolve um evento E UM PROCESSO.  Muitas vezes teremos de chegar a um ponto em que estendamos perdão "uma vez para sempre" para alguém que nos ofendeu.  Mas não significa que nunca mais seremos inclinados a lembrar o que ele fez, com a possibilidade de todas as velhas emoções voltarem como furação.  
"Perdoar e esquecer" soa melhor na teoria do que na prática.  Para muitos é impossível esquecer de eventos traumáticos em suas vidas.  Mas podem, sim, "esquecer" no sentido bíblico quando escolhem não levar em conta as ofensas do passado.  É isso que a Bíblia quer dizer quando diz que Deus "esquece" de alguma coisa.  Ele não deixa de ser Deus, tendo uma memória fraca.  Mas Ele decide nunca mais levar em conta nosso pecado (Sl 103.10, 12).  Por isso, talvez tenhamos de passar pelo processo de perdão em nosso coração repetidas vezes, escolhendo cada vez pela fé não mais responsabilizar a pessoa pelo seu pecado, morrendo momento após momento ao "direito" de vingança, e estendendo o amor e perdão de Cristo.
Também é importante lembrar que o perdão pode ser unilateral, quer dizer, podemos perdoar da nossa parte sem que a outra pessoa peça perdão, reconheça seu erro, ou aceite o perdão.  Não importa tanto quanto o fato de que estendamos para ela o perdão como Cristo fez por nós.  
 
 
 
 
 
 
" NÃO DEIXE BROTAR RAÍZES DE AMARGURA " - Parte 2
20/08/2011 13:06
 Mágoas e Perdão - Parte 2
Autor(a): Pr. David J. Merkh
 
Passos para o Perdão:
O que fazer se descubro ira e mágoa em meu coração?  Os "passos para o perdão" que seguem já ajudaram muitas pessoas a encontrar alegria, paz e liberdade da escravidão das mágoas.  Lembre-se de que esses passos são somente parte de um processo.  Não representam uma "fórmula mágica", mas uma expressão de princípios bíblicos sobre o perdão. 
1. Identificar as ofensas específicas que a outra pessoa cometeu contra mim.
2.  Arrependa-se do seu próprio pecado, confessando-o a Deus.
3. Conte o custo de não perdoar.
4.  Veja a pessoa que você está perdoando pela perspectiva divina.
5.  Ore pela pessoa que você está perdoando.
6.  Libere as ofensas que a pessoa cometeu contra você, e cancele a dívida dele(a).
7.  Reconstrua relacionamentos, dentro do possível (e sábio).  
Talvez não seja possível voltar o tempo e reconstruir o relacionamento como era antes.  Mas há passos concretos que podem ser tomados, tanto quanto depender de você (Rm 12.18), para reconstruir o relacionamento.
 
 
 
 
 
" A PRIMEIRA COMUNIDADE"
21/08/2011 14:11
 
 
                Família - Uma boa raiz entre homem, mulher e filhos
 
A família, criação de Deus, é a comunidade primária da raça humana. Ela antecede qualquer instituição, povo ou nação. Foi a célula primogênita da sociedade. Milênios se passaram e, junto com eles, muita coisa mudou no mundo. As mais diferentes culturas de todos os lugares do planeta sofreram grandes transformações ao longo de sua história. O mapa político e social dos continentes já mudou várias vezes. No entanto, os seres humanos continuam integrando-se em famílias.
 
Um projeto tão bem elaborado e consistente quanto este não poderia ter surgido ao acaso ? e, mesmo que tivesse acontecido assim, dificilmente seria uma unanimidade. Por isso, não é difícil concluir que sua origem é divina. Deus é o Criador da família e, como tal, o único com autoridade e direito de decidir o que ela é, para que existe e como deve funcionar. 
 
A família só pode viver e se desenvolver normalmente se contar com a presença e a bênção de Deus. "Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela"  (Salmos 127.1).
 
Apesar da boa raiz que a sustenta, a família sofre ataques constantes e mortais. O inimigo de nossas almas sabe que, destruindo os relacionamentos entre marido e mulher, pais e filhos, estará condenando à sociedade à morte. Por isso, a crise que vive a nossa geração focaliza-se principalmente nos lares. Assim como o primeiro pecado foi cometido dentro da família e atentou contra ela (Gênesis 3.6), também em nossos dias a maioria dos pecados se cometem no seio familiar.
 
Nos lares, vivem-se tensões, contendas, discussões, injúrias, gritos, ofensas, ressentimentos, amarguras e até separações e divórcios. A família é o foco dos ataques de Satanás, que trama sem parar contra ela ? infelizmente, em diversas oportunidades, ele ainda conta com a colaboração de pais ou filhos para facilitar esta tarefa. As evidências desta ofensiva diaból ica estão diante de nós: deterioração dos valores tradicionais, crescimento dos conflitos e um número crescente de separações em proporções alarmantes. E nós, o que estamos fazendo? 
 
Será que a Igreja tem algo a oferecer à nossa sociedade, alguma coisa que possa salvá-la? Há mesmo solução em Jesus Cristo para esta crise, como costumamos alardear, ou nosso discurso é ineficaz diante da morte de tantos lares? O Evangelho tem mesmo o poder de promover a ressurreição de tantas famílias das quais a vida fugiu? Se você me permite responder minha própria pergunta, afirmo enfaticamente que sim. Por acreditar que a deterioração da família deve-se ao fato de que a ordem de Deus para ela tem sido ignorada, abandonada e alterada por critérios humanos, também estou convencido de que contamos com recursos para a reconstrução dos lares:
 
Orientação precisa da Palavra de Deus
Somos muito privilegiados! Através de sua Palavra, Deus nos instrui sobre todos os aspectos da vida fa miliar. Seus ensinamentos são claros, simples, precisos e perfeitos (Salmos 19.7-9). E são para todas as famílias da terra, em todos os tempos.
 
O poder transformador do Espírito Santo Mediante o Espírito Santo, temos em nós a força de Deus para sermos mudados, melhorados e aperfeiçoados até chegarmos a ser famílias saudáveis e santas, para a glória de Deus. O fruto do Espírito Santo (Gálatas 5.22-23), manifesto em nós, faz aflorar todas as virtudes necessárias para uma maravilhosa convivência familiar.
 
A valiosa ajuda da comunidade cristã
Na igreja, sempre encontraremos pastores e irmãos mais instruídos, a quem possamos recorrer em busca de sabedoria, conselho e orientação. Ademais, haverá ali famílias bem formadas que serão, para nós, exemplo e modelo valiosos, de quem podemos aprender e em quem podemos nos espelhar?
 
Como Criador da família, Deus é o único com autoridade e direito de decidir o que ela é, para que existe e como deve funcionar?
 
Queremos lares projetados por Deus. Queremos aprender a ser famílias que vivem a realidade do Reino de Deus aqui na terra, debaixo do senhorio de Cristo. ?(...) tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até o dia de Cristo Jesus? (Filipenses 1.6). 
 
Creio, de todo o coração, que Deus nos aperfeiçoará até chegarmos a ser um povo com as características que o agradam: famílias sólidas, estáveis; solteiros que mantêm sua pureza; casais que convivem em harmonia e fidelidade; pessoas que vivem com a dignidade inerente a todo ser humano; pessoas diligentes, responsáveis, trabalhadoras, generosas e prontas para o serviço cristão, vivendo num ambiente de amor, ordem e paz.
 
Apesar de conhecermos bem as ciladas do diabo ? tanto pelo que a Palavra de Deus nos ensina quanto por nossas experiências diárias?, não podemos incorrer no escapismo de culpar o inimigo por tudo que conspira contra o lar. É preciso lembrar que boa parte dos problemas enfrentados pela família ocorre em função das inabilidades humanas e da falta de disciplina em relação aos projetos do Senhor para as vidas de seus filhos. 
 
Penso que determinados obstáculos começam dentro da própria estrutura do lar. Ao identificá-los, assumi-los e, humildemente, colocá-los diante do Pai celestial, a família pode dar o primeiro passo para ver realizado o milagre da Ressurreição dentro da própria casa. Gostaria de refletir sobre alguns deles com você.
 
Carência de propósito
Muita gente simplesmente não determina propósito algum para sua vida. Casa, trabalha, se esforça, adquire casas, tem filhos, mas não sabe bem para quê. 
 
Se perguntarmos à maioria dos noivos por que motivo pretendem casar, eles não saberiam dar uma resposta clara. São capazes de planejar os mínimos detalhes do casamento "o vestido, a festa, a viagem, os móveis, a lista de convidados etc. ", mas provavelmente jamais se fazem esta pergunta fundamental: "Por que vou casar?". Esta falta de propósito leva muitos pais a crer que cumpriram seu dever em relação aos filhos se forem bons provedores de comida, roupa, moradia, saúde, educação, recreação etc. Não se dão conta de que, ainda que tudo isso seja necessário, não constitui precisamente o fundamental.
 
Objetivos equivocados
A carência de um propósito claro para a família faz com que nos desviemos para os objetivos equivocados e façamos dos meios um fim, e do secundário, o principal:
 
Ganhos materiais: o progresso material tem se transformado no objetivo principal de muitas famílias. A grande meta é o suposto ?conforto?. Perde-se a vida desejando e trabalhando para alcançar o desejado; depois, segue-se trabalhando para manter o alcançado. O pensamento está sempre atrás de alguma nova aquisição. Neste caso, as pessoas sacrificam e adiam a família por causa do lucro. ?E (Jesus) disse ao povo: Acautelai-vos e guardai-vos de toda espécie de cobiça; porque a vida do homem não consiste na abundância das coisas que possui? (Lucas 12.15).
 
Gratificação pessoal e egoísta
Há aqueles que se casam pensando somente em si mesmos. Seu objetivo não é dar, mas receber; não servir, mas ser servidos. E isto acontece no âmbito da vida material, na vida sexual e no tocante às responsabilidades familiares. A única garantia, porém, é a do fracasso do lar. 
 
Endeusamento da própria família:
Alguns fazem da família um fim em si. Seu projeto pessoal de felicidade e conveniência converte-se na meta mais alta da vida familiar. Mesmo sem se dar conta, consideram Deus apenas um excelente meio para alcançar o bem-estar. Tais famílias vivem tão-somente preocupadas com sua própria fama e seu nome. Dedicam-se por inteiro à própria comodidade e ao prazer pessoal. 
 
Obtenção de benefícios
Este é o objetivo da maioria dos casamentos que se constituem, ainda que inconscientemente. É claro que há benefícios legítimos que Deus mesmo tem outorgado ao casamento, como a alegria de viver em companhia, o afeto, a felicidade, o deleite que proporciona o ato sexual, a alegria de pertencer a um núcleo familiar, a cobertura espiritual, a proteção, os filhos etc. 
 
A questão, porém, diz respeito a saber se é razoável fazer destes benefícios o propósito para a família. Mais adiante, durante o desdobramento deste texto, veremos que a resposta não é tão simples quanto parece. Diante de nossas limitações, não é difícil concluir que a família só pode experimentar a verdadeira vida plena se adotar os padrões de Deus como conduta e a glória do Senhor como objetivo. ?Porque dele, e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém? (Romanos 11.36). 
 
E há motivos de sobra para depositarmos no Pai nossa inteira confiança. Pense bem: Deus é o Criador da família. Ele criou todas as coisas, fez o homem e a mulher e os uniu em casamento. E instituiu o casamento para todas as gerações. Como Autor da vida, é Ele quem dá os filhos aos casais. Deus também é Dono da família. Tudo que foi criado pertence a Deus. Portanto, a família lhe pertence. ?Do Senhor é a terra e a sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam? (Salmos 24.1).
 
Sendo o Criador, o Dono e o Sustentador da família, é natural que o Pai celestial tenha um propósito para ela, assim como ele reserva um plano para todas as criaturas e para o universo, como um todo. Isto significa que também para os lares o Senhor traçou uma meta. ?(...) nele (...) também fomos feitos herança, havendo sido predestinados conforme o propósito daquele que faz todas as coisas segundo o conselho da sua vontade? (Efésios 1.11). 
 
Nem sempre a idéia de submeter a família ao plano de Deus agrada. Há quem prefira determinar os próprios rumos, desprezando a vontade e a autoridade que o Senhor exerce em amor. No entanto, quando nos conscientizamos de que a família existe para a glória daquele que a criou, a conseqüência natural é a felicidade e o bem-estar ? que constituem os acréscimos, não o propósito central. O fim supremo da família é a glória de Deus. ?Mas buscai primeiro o seu Reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas? (Mateus 6.33). 
 
Entender este propósito de Deus para a família é fator fundamental para a compreensão da importância de mantê-la viva ? afinal, a grande mensagem da Ressurreição é a vida. Há perguntas cuja resposta é crucial para a saúde do lar. Para que Deus instituiu o casamento? Por que deu uma esposa a Adão? Para que fez homem e mulher uma só carne? 
 
Deus tem um propósito eterno: desde antes da fundação do mundo, determinou ter uma família com muitos filhos se melhantes a seu Filho Jesus. "Porque aqueles que antes conheceu, também os predestinou para que fossem feitos conforme à imagem de seu Filho, para que Ele seja o Primogênito entre muitos irmãos" (Romanos 8.29). Boa parte dos problemas enfrentados pela família ocorre em função da falta de disciplina em relação aos projetos do Senhor para as vidas de seus filhos "Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; e nos predestinou para sermos filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade"  (Efésios 1.4-5). 
 
A família existe em função do propósito eterno de Deus, para cooperar com sua realização. Deus quer ser pai de uma grande família. Malaquias afirma o propósito de Deus ao fazer do homem e da mulher "uma só carne", quando diz: "E não fez Ele somente um, ainda que lhe sobejava espírito" E por que somente um? 
 
Não é que buscava descendência piedosa?
 
"Portanto guardai-vos em vosso espírito, e que ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade? (Malaquias 2.15). 
Não foi Adão quem quis ter uma família, mas Deus deu aos homens a capacidade de se multiplicar e ter filhos. E aprouve a Deus gerar, a partir desta descendência, muitos homens e muitas mulheres que se tornaram filhos por meio de Jesus Cristo. ?Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idônea? (Gênesis 2.18). Deus não deu ao homem uma simples companheira, mas uma ajudadora idônea, para que neles e através deles pudesse realizar seu plano.
 
Tenha sempre isto em mente: a família foi programada para Deus para cooperar com o propósito eterno do Senhor. E assim como a sepultura não foi capaz de impedir a realização deste propósito, também a família pode viver ainda hoje o milagre da Ressurreição. 
 
 
Autor: Carlos Alberto Bezerra 
 
 
 
 
 
 
 
" A VERDADEIRA PROSPERIDADE NÃO ESTÁ SÓ NO OURO E NA PRATA"
22/08/2011 10:37
 Cinco Princípios Para a Prosperidade Familiar
 
Estamos vivendo um tempo de avivamento familiar. A unção do Espírito Santo é palpável e temos experimentado o cumprimento da promessa de Deus para Abraão no livro de Gênesis 12:3.
 
Há uma história que diz que um judeu muito próspero ensinava o seu filho sobre 05 princípios para prosperidade, pois sobre ele havia a unção da prosperidade já que era um dos homens mais ricos de sua nação e era marcado por esses princípios. Falaremos sobre eles:
 
1. Amar a Deus
“Amaras, pois, ao Senhor teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e com todas as tuas forcas.” (Dt 6:5)
 
Só existe prosperidade em um casal, uma família, um líder, se amarmos a Deus em primeiro lugar. Essa é a exigência de Deus para os Seus filhos no livro de Deuteronômio 6:5. Do amor a Deus depende o sucesso em todas as outras áreas. Nada deve tomar o lugar desse amor, de se entregar de todo o coração, alma e força. Viver a plenitude desse amor fala de decidir amá-lO, entregando-se completamente. Quem ama verdadeiramente é fiel. Se queremos viver em prosperidade precisamos obedecer a essa chamada.
 
Após o culto, na hora em que o pastor faz o apelo e muitas pessoas entregam a vida a Jesus, o pastor ouviu, no meio desta multidão uma voz gritando se Deus a aceitaria. Ao olhar a multidão, lá estava um homem sem braços e sem pernas se arrastando com dificuldades e perguntando se Deus o aceitava apesar de ser uma pessoa pela metade. O pastor disse a ele que, ainda que pensasse ser apenas a metade, sua entrega era por inteiro e que Deus, só não aceitava aqueles que pareciam inteiros, mas se entregavam pala metade.
 
Entregar-se por inteiro a Deus representa renunciar os seus desejos e os seus sonhos para receber os desejos e os sonhos do coração de Deus.
 
2- Orar e amar a Jerusalém
“Orai pela paz de Jerusalém, prosperem aqueles que te amam.” (Sl 122:06) 
 
Jerusalém é a cidade do Grande Rei. 
Amar a Jerusalém e lembrar dessa cidade com intercessões e súplicas pela sua paz demonstra o sentimento de amor de alguém que não a ama superficialmente, de alguém que não permitirá que esse amor esfrie, pois possui um amor espiritual e o amor profético da chuva de bênçãos, como está escrito em Zacarias 14:16-19.
 
Nosso desejo é que você faça do seu devocional diário um tempo para orar e amar a Jerusalém.
 
3- Devolver o dízimo - Malaquias 3:8,9
Muitos têm o hábito de dizer: já devolvi o meu dízimo. Na verdade o dízimo não é nosso, é do Senhor. A entrega do dízimo é um ato profético que cancela a visitação do gafanhoto migrador, destruidor e cortador. Todos os grandes homens de Deus entenderam a importância de dizimar. Em Gênesis 28:22, Jacó entrega o dízimo em Betel, a casa de Deus e após esse dia, através desse ato de fidelidade, ele prosperou e foi transformado em Israel.
 
Como casal é preciso sentar com os nossos filhos e ensiná-los a importância da fidelidade a Deus em nossas finanças. Quem não é fiel a Deus nos dízimos é chamado pelo próprio Deus de ladrão (Ml 3:8-12).
 
Façamos uma aliança com o Senhor, como casais, como família, como líderes e sejamos fiéis nos dízimos, pois essa fidelidade nos fará prosperar e trará proteção espiritual sobre nossas finanças.
 
4- Estabelecer os objetivos e crer
Não existe fórmulas para prosperarmos naquilo que fazemos, o fundamental é termos fé (Hb 11). Porém, em tudo que fizermos devemos ser organizados e empenhar nossa força, envolvendo-nos e crendo que somos as pessoas certas para tal.
 
a) No casamento
Todo o casamento precisa de muito investimento. Isso envolve comunicação, pois através dela conhecemos melhor o cônjuge. Todo o tempo para a aliança não é gasto é investimento e essa consolidação deve ser diária no casamento. Os pequenos detalhes constroem os grandes alicerces. Aqui vai uma historinha muito simples, porém, verdadeira. Uma menininha ganhou do seu pai uma bela flor, colocou em cima da mesa da sala e deixou ali a flor. No terceiro dia ao olhar a flor, viu que estava murcha. A menininha ficou triste. No quinto dia ao olhar a flor, viu que as pétalas haviam caído e a flor morrera. Quando relatou em choro ao pai o que acontecera, ouviu dele: filha, isso é para que desde cedo você aprenda que tudo na vida que não for cuidado e regado diariamente morre.
 
Assim acontece no casamento. Seja o maior investidor dessa terra, a sua aliança. Cuide, regue-a, proteja-a diariamente, pois todo o investimento na aliança trará retorno. Que hoje a bênção do casamento perfeito envolva o seu relacionamento, a sua aliança.
 
b) Na família
A nossa família é a célula principal. Tenha como objetivo fazer da sua casa a sede do avivamento. A família física envolve todos os que têm aliança de sangue, ou seja, a maior parte dos familiares. Invista em toda a sua família desde o cônjuge e filhos, até seus pais, parentes. Avive a sua fé. Faça como Josué, dê o seu grito: eu e a minha casa serviremos ao Senhor. Trace objetivos para que essa verdade seja estabelecida e que a bênção da família seja estabelecida sobre a sua casa.
 
c) No secular
Todo o trabalho é dom de Deus. Muitos não gostam do que fazem, e por isso, fazem pela metade ou mau feito. Seja grato a Deus pelo seu trabalho, pois dele vem o sustento e o conforto para sua casa. Tudo o que fazemos com amor fazemos bem feito. A organização, o conhecimento do que fazemos é importante. Seja organizado e sempre que possível, envolva o cônjuge e os filhos nesse trabalho.
 
Decida não ser apenas mais um profissional, afinal, você tem o Espírito Santo de Deus, seja o melhor profissional naquilo que faz. Creia, isso é possível e é também necessário. Que a bênção da riqueza venha em tudo o que você colocar as mãos.
 
5) Ter apenas uma família
Todo o pecado contra a família abre portas para demônios familiares. O pecado familiar fecha as portas da prosperidade. Toda família que viveu a ruptura na aliança, adquiriu pobreza, miséria, brigas etc. E é interessante, como, todos da casa sofrem essa influência espiritual.
 
Se em sua casa, você vive essa realidade, é preciso se arrepender dos pecados, tanto os cometidos por você, como pelos pecados dos seus pais. Em II Crônicas 7:14, a Bíblia diz: “Se o meu povo que se chama pelo meu nome, se humilhar,orar e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra.”
 
Hoje o Senhor nos chama a vivermos esses cinco pilares para atrairmos a prosperidade em todas as áreas. Você nasceu para ser feliz, para ter uma família feliz, para prosperar e cumprir todos os sonhos de Deus nessa Terra. E, com certeza, a sua descendência comerá da prosperidade do seu investimento.
 
 
 
 
"NOSSAS CASAS SERVINDO AO SENHOR"
23/08/2011 14:07
 
    Adorando a Deus em Família
 
Há algumas ordenanças exteriores e meios de graça muito importantes que estão claramente implícitos na Palavra de Deus, sem o exercício das quais temos poucos, senão nenhum, preceitos claros e positivos; por vezes somos deixados a colhê-los do exemplo de homens santos e de variadas circunstâncias acessórias. Uma finalidade importante é demonstrada por essa afirmação a tentativa é feita dessa maneira de acordo com o estado de nossos corações. Ela se torna evidente porque uma ordem expressa não pode ser dada requerendo-se seu desempenho, sem que cristãos professos negligenciem um dever claramente explícito. Assim, mais do estado real de nossas mentes é descoberto, e é feito manifesto, tenhamos nós ou não um amor ardente para com Deus e Sua obra. Isso é bem sustentado pela adoração pública e pela familiar; todavia, é absolutamente difícil comprovar a obrigação da devoção doméstica.
 
Considere, em primeiro lugar, o exemplo de Abraão, pai dos justos e amigo de Deus. Foi por sua devoção doméstica que ele recebeu a bênção do próprio Jeová, Porque eu o escolhi para que ordene a seus filhos e a sua casa depois dele, a fim de que guardem o caminho do SENHOR e pratiquem a justiça e o juízo;(...)(Gn 1819). O patriarca é elogiado aqui por instruir seus filhos e empregados no mais importante dos deveres, o caminho do Senhor - a verdade acerca de Sua gloriosa pessoa. O que Ele exige tanto de nós, o que Ele requer de nós. Observe bem as palavras para que ordene a eles, isto é, que ele usaria a autoridade que Deus havia lhe dado como pai e cabeça de sua casa, para fazer cumprir as funções de sacerdote da família. Abraão também orava tão bem quanto instruía sua família onde quer que ele armasse sua tenda, ali ele erguia um altar ao Senhor (Gn 127; 134). Agora, meus leitores, nós poderiamos nos questionar será que somos a semente de Abraão (Gl 329) se não fizermos a obra de Abraão (Jo 839) e negligenciamos o pesado dever de adoração em família O exemplo de outros homens santos é parecido com este de Abraão. Considere a determinação piedosa de Josué, que declarou a Israel Quanto a mim, eu e minha casa serviremos ao Senhor (2415). Nem a tormenta pela qual ele passou, nem as complicadas funções públicas que ele desenvolveu, permitiram que ele deixasse de cuidar do bem-estar espiritual de sua família. Ademais, quando Davi trouxe a arca de Deus para Jerusalém com alegria e ação de graças, depois de de cumprir com suas funções públicas, ele voltou para abençoar sua casa (2 Sm 620). Além destes eminentes exemplos, nós podemos citar os casos de Jó (15) e Daniel (610). Limitando-nos somente ao Novo Testamento, nós pensamos na história de Timóteo, que foi criado em uma casa temente a Deus. Paulo o trouxe à lembrança esse fato, e acrescentou a qual fez morada primeiro em tua avó Loide e em Eunice, sua criada. Há algum espanto, então, no fato de o apóstolo dizer que desde a infância, sabes as sagradas letras (2 Tm 315)
 
Por outro lado, podemos observar que maldições são pronunciadas contra quem desconsidera esse dever. Nós imaginamos quantos de nossos leitores seriamente ponderaram palavras imponentes, tais como Derrama a tua indignação sobre as nações que não te conhecem e sobre os povos que não invocam o teu nome; (Jer. 1025)! Quão solene e indizível é descobrir que famílias que não oram estão juntas aqui com o pagão que não conhece ao Senhor. Isso ainda precisa nos surpreender Há muitas famílias pagãs que se unem paa adorar seus falsos deuses; elas não colocam milhares de cristãos professos em vergonha Observe também que Jr 1025 registrou uma medonha imprecação sobre ambas as classes de modo parecido Derrama a tua indignação sobre... Quão audivelmente essas palavras devem falar conosco!
 
Não é suficiente que oremos individualmente em nossos quartos; de nós é requerido honrar a Deus em nossas famílias também. Pelo menos duas vezes por dia - de manhã e à noite - toda família deve colher unida o que plantou diante do Senhor - pais e filhos, empregadores e empregados - confessar seus pecados, dar graças pelas misericórdias de Deus, procurar Sua ajuda e bênçãos. Nada deve ser autorizado para alterar esse dever todos os outros planos domésticos devem se curvar diante disto. O cabeça do lar é o único que deve liderar as devocionais, mas se ele se ausentar, ou estiver seriamente enfermo, ou seja incrédulo, então a mulher lhe tomará seu lugar. De jeito nenhum o culto familiar deve ser omitido. Se nós temos apreço pela bênção de Deus sobre nossa família, então deixemos que seus componentes colham juntos diariamente para louvar e orar. 'Aquele que me honra eu o honrarei é Sua promessa.
 
Um antigo escritor disse bem Uma família sem oração é como uma casa sem telhado, aberta e exposta a todas as tempestades do Paraíso. Todo nosso conforto doméstico e misericórdia temporais emanam do Senhor rico em amor, e o melhor que nós podemos fazer em contrapartida é reconhecer, juntos e com gratidão, Sua bondade estendida a nós como uma família. As desculpas contra o ônus desse sagrado dever são inócuas e sem valor. Que proveito haverá quando prestarmos conta a Deus quanto ao cuidar de nossas famílias ao dizer que não tivemos tempo disponível, trabalhando duramente desde manhã até a noite Quanto mais nossas funções temporais estiverem sob pressão, maior será nossa necessidade de procurar socorro espiritual. Nenhum cristão pode alegar que não reúna os requisitos para tal trabalho; dons e talentos são desenvolvidos pelo uso, não pela negligência.
 
O culto familiar deve ser conduzido com reverência, de modo sério e simples. É nele que os pequenos receberão suas primeiras impressões e formarão suas concepções iniciais do Senhor Deus. Um grande cuidado é necessário para que uma idéia falsa não lhes seja dada sobre o caráter divino, e para este equilíbrio seja preservado entre sua transcendência e imanência, Sua santidade e piedade, poder e ternura, justiça e graça. O culto deve começar com umas poucas palavras de oração invocatória da presença e das bênçãos de Deus. Uma pequena passagem de Sua Palavra deve se seguir, com breves comentários sobre a mesma. Dois ou três versos de Salmos serão cantados. Finalize com uma oração de confiança nas mãos de Deus. Embora não possamos orar eloqüentemente, nós devemos fazê-lo seriamente. Orações que prevalecem normalmente são breves. Tenha cuidado de não aborrecer os jovens.
 
As vantagens e as bênçãos do culto familiar são incalculáveis. Primeiro, o culto familiar impedirá muitos pecados. Ele torna respeitosa a alma, conduz a um senso de majestade e autoridade divinas, estabelece verdades solenes à mente, traz benefícios de Deus ao lar. A piedade pessoal no lar é o maior dos meios de influência, debaixo de Deus, de conduzir a piedade aos pequenos. As crianças estão na maior parte das vezes criaturas de imitação, aprecaindo bastante copiar o que vêem nos outros. Ele estabeleceu um testemunho em Jacó, e instituiu uma lei em Israel, e ordenou a nossos pais que os transmitissem a seus filhos, a fim de que a nova geração os conhecesse, filhos que ainda hão de nascer se levantassem e por sua vez os referissem aos seus descendentes; para que pusessem em Deus a sua confiança e não se esquecessem dos feios de Deus, mas lhe observassem os mandamentos; (Sl 785-7). Quanto da moral terrível e da condição espiritual das massas de hoje pode ser traçado em torno do descuido de seus pais, nesse dever Como podem aqueles que negligenciam o culto a Deus em suas famílias procurar nelas paz e comodidade A oração diária em casa é um abençoado meio de graça para abrandar aquelas infelizes paixões as quais nossa natureza comum é submetida. Finalmente, a oração familiar ganha para nós a presença e a bênção do Senhor. Há um promessa de Sua presença que é peculiarmente aplicável a este dever veja Mateus 18:19,20. Muitos tem encontrado na adoração em família aquela ajuda e comunhão com Deus que almejam e com menos efeito do que a oração em particular.
 
 
 
 
 
 
 
" É NECESSÁRIO REVISAR PARA NÃO QUEBRAR"
24/08/2011 11:50
 DISCERNINDO ALGUNS PONTOS DE TENSÃO DO RELACIONAMENTO    
 
 
             Você já teve a experiência de "ficar na mão" quando mais precisou do seu carro? De repente, o seu automóvel parou de funcionar. Todo carro, mesmo aquele que acabou de sair da loja, novo, com o passar do tempo precisa de revisão. Muitas coisas podem fazer um carro parar de funcionar, desde um simples fio quebrado até o motor travado. Assim é o casamento, de tempos em tempos, precisa de revisão, reparos, etc.  Vamos analisar alguns pontos que podem comprometer o bom andamento da relação de um casal.
 
1. Individualidade e mutualidade. Individualidade - respeito consigo mesmo. Mutualidade - respeito com os outros. O equilíbrio entre individualidade e mutualidade é um desafio permanente na vida de um casal (liberdade e compromisso). Isto porque é difícil construir uma relação em que os aspectos saudáveis de cada um se completem, onde um e outro possam ser o que são, coexistindo duas individualidades numa parceria. Carl A. Whitakar diz que "quanto mais você é livre para ficar com os outros, especialmente com a sua mulher, mais você se sente livre consigo mesmo". Qual é o grau de liberdade e independência necessário para que a relação continue viva e abrigue possibilidades de desenvolvimento pessoal?
 
a)    Deus criou o homem carente de relacionamento, com ânsia  de se juntar e não passar a vida sozinho (Gn 2.18).
 
b)    Casamento não é uma chamada para o encarceramento, prisão ou escravidão, no sentido de perda total de liberdade e de individualidade. A unidade do casal não pode ser doentia. No amor não há sentimento de possessão.
 
c)    Se uma pessoa é dominadora (possessiva) e tolhe a liberdade do parceiro, o companheirismo deixa de existir. À medida que o amor cresce, também crescem a liberdade, a responsabilidade e o próprio amor.
 
d)    O equilíbrio entre a proximidade e a liberdade de cada indivíduo é uma das características mais importantes da completude.
 
e)    Casamento problemático é aquele em que uma das partes enxerga as horas de separação, a individualidade e o espaço como ameaças.Para essa pessoa, a individualidade significa falta de amor e descaso. Ela só se sente amada quando está ao lado do outro.
 
f)      Deve-se estar atento para o perigo de se usar a liberdade de modo destrutivo. Adão e Eva usaram a liberdade para pecar contra Deus. Paula fala sobre isso (Gl 5.13,14).
 
g)    Não podemos usar nossa liberdade para satisfazer nosso egocentrismo.
 
h)    Cada casal deve encontrar um grau de individualidade com sabedoria para que nenhum dos dois sofra.
 
i)       A Bíblia diz: "Ame o próximo como você ama a si mesmo" (Mc. 12.33). Ao exercer a sua individualidade, não deixe de ver como a sua liberdade está afetando a pessoa que você ama. Você gostaria de ser tratado com desrespeito?
 
2.     O que estou recebendo é suficiente em relação ao que eu preciso?
 
Como seres humanos, somos incrivelmente complexos, com uma infinidade de carências físicas, emocionais e espirituais que precisam ser satisfeitas. Preciso de uma hora de atenção personalizada por dia, mas estou recebendo uma hora de atenção superficial por semana ou mês (esposa). Preciso de três encontros sexuais por semana, e estou recebendo apenas um a cada 40 dias (maridos). Quando o cônjuge está recebendo muito abaixo do que realmente precisa, o "relacionamento vai ficando anêmico - desnutrido". Para uma auto-avaliação, veja alguns sintomas que evidenciam esta defasagem no relacionamento conjugal:
 
a)    O marido pede à esposa que gaste menos, e ela o culpa por ganhar pouco;
 
b)    A esposa quer dividir os serviços da casa com o marido, e ele não aceita;
 
c)    O marido não quer ir a uma festa, e a esposa esfria com ele para puni-lo;
 
d)    A esposa não quer fazer sexo, e o marido age como mártir;
 
e)    O marido discorda dos planos da esposa para o fim de semana, e ela explode com ele;
 
f)      A esposa pede a ajuda do marido com os filhos, e ele se recusa a ajudar.
 
3.     O que estou dando é proporcional ao que estou recebendo? ("Efeito Mar Morto")
 
A razão pela qual não há vida no "Mar Morto" é em função do seu "egoísmo". Só tem entrada e não há saída. Não é diferente numa relação de casal, quando o cônjuge recebe - recebe, e não retribui. Muitas mulheres, para agradar o marido, dos quais dependem emocional e, muitas vezes, economicamente, esforçam-se para dar mais do que receber. Quando isso acontece, o casamento vai se empobrecendo e perdendo a beleza da glória conjugal. Sendo assim, o sexo passa a ser para elas uma obrigação em nome do dever, para o bem do matrimônio e visando a maternidade, às custas dos próprios desejos sexuais. Neste caso, as mulheres se vêem forçadas a terem que responder às necessidades sexuais dos maridos, enquanto suas próprias necessidades de envolvimento e intimidade não são respeitadas. Esta é uma das causas porque muitas reagem procurando evitar as relações sexuais. Alguns homens, por não conseguirem discernir este modelo de linguagem da mulher, interpretam essa reação como rejeição à sua virilidade, e a represália mais comum é acusar a mulher de frigidez.
 
4.     A maneira como se lida com o dinheiro (ter x poder)
 
A questão do dinheiro pode ser a causa de todo conflito.  É interessante observar a interação entre dinheiro e poder no funcionamento de casal, e as repercussões que as modificações dos ganhos de um e de outro passam a ter sobre a composição do vínculo. Aqui temos aqueles que, ao verem a mulher trabalhando, se acomodam e param de crescer, outros que, ao obterem um pouco mais e trocar de carro, se tornam insuportáveis, começam a reclamar de tudo, começam a paquerar as mulheres na rua e pensam que tem o "rei na barriga".  Quando essa posição se inverte, o homem fica com menos poder.
 
5.     A falta de espaço para as diferenças
 
Cuidar e ser cuidado, respeitando as diferenças recíprocas. Eis o desafio. Ninguém é uma extensão do outro. Ao contrário, somos indivíduos distintos, cada qual com seus próprios direitos. Quando deixamos de ver as pessoas como realmente são, o amor acaba. Não podemos querer transformar o cônjuge em escravo de nossas vontades e não vê-lo como realmente é. Precisamos superar o egocentrismo básico com o qual nascemos e perder a mania de achar que "o mundo gira em torno de nós". É possível resolver os conflitos de opiniões ou de interesses diferentes.  O que é necessário para que isso aconteça?
 
Para os maridos: Você sabia que...
 
Ø      O bem-estar das mulheres é determinado primariamente pela qualidade de seus relacionamentos?
 
Ø      Elas têm uma capacidade maior de detectar sentimentos e insinuações não-verbais e de perceber detalhes nas pessoas?
 
Ø      Elas têm uma necessidade especial de expressar sentimentos e experimentar amor?
 
Ø      Elas se utilizam da linguagem especialmente para desenvolver relacionamentos? Por isso, é mais provável que procurem segurança em relacionamentos do que em realizações.
 
Ø      O lar para elas é o local onde deve existir comunicação significativa?
 
Ø      Elas desenvolvem modelos de comunicação indiretos: explosões de raiva, choro, dissimulação ou, quando tudo isso não serve para nada, desenvolvem sintomas? Isso confunde e afasta os homens, que não entendem o que elas querem e esperam deles.
 
Estas características reforçam a capacidade que as mulheres têm de compreender, nutrir e apoiar.  Ela precisa ser amada e reconhecida pelo que ela é, e não por alguma tarefa que realiza. O maior medo das mulheres é ser desejada apenas como objeto, enquanto for útil. Quando a necessidade da mulher de ser amada não é satisfeita, ela sente uma perda da intimidade. Para suprir esta falta, ela tenta estabelecer vínculo por meio de perguntas, pedidos, apelos, exigências ou acusações. A reação do homem é de se afastar e isso aumenta o conflito.
 
 
 
Para as esposas. Você sabia que...
 
Ø      O bem-estar deles é determinado primariamente pelo sucesso que experimentam no trabalho, e que isso tem a ver com a realização de objetivos econômicos e sociais?
 
Ø      Eles têm uma capacidade maior de analisar e chegar ao fim de uma questão, sem se deixar envolver por problemas pessoais e emocionais?
 
Ø      Eles têm uma necessidade particular de ser respeitados e considerados competentes?
 
Ø      Eles usam a linguagem, primariamente, para expressar idéias e conceitos e para manter posições de destaque?
 
Ø      Eles procuram segurança e realizações, mais do que em relacionamentos?
 
Ø      O lar para eles é o lugar onde podem se desligar e descansar sem se preocuparem com a sua produtividade?
 
Estas características aumentam a capacidade dos homens agirem, aceitarem desafios e vencerem.  Se um homem se deixar envolver por detalhes ou emoções, será um fraco general na guerra e um administrador sem eficiência. O maior medo dos homens é serem considerados incompetentes, diminuídos, rejeitados e dominados.
 
Quando há espaço para as diferenças...
 
Ø      O cônjuge enxerga o outro como uma pessoa, e não como uma propriedade sua. Isso é compreender que o outro não existe apenas para nos satisfazer.
 
Ø      Respeita-se os sentimentos do outro. Deixamos de lado os nossos sentimentos e aprendemos a nos colocar no lugar do outro.
 
Ø      Damos ao outro a liberdade de ser diferente.
 
 
 
 
 
 
 
" CUIDANDO DA HERANÇA DE DEUS"
25/08/2011 09:15
 
 
Filhos desviados. E agora, o que fazer?
 
 
 
 
1) O que os pais devem fazer quando os filhos se desviam do Evangelho? Geralmente os pais ficam histéricos, desesperados. Qual é a maneira certa de agir?
 
Depende muito da idade dos filhos. Se eles ainda estão em idade que devem submissão aos pais, os pais devem exercer autoridade e colocar limites. Quando os filhos já têm idade para assumir responsabilidade sobre si mesmo, a atitude dos pais deve ser a mesma que Pedro ensina às esposas em I Pedro 3.1-3 - calar - há poder no silêncio de pais fiéis a Deus.
 
2) Como se prevenir para que isso não aconteça e manter o filho dentro da igreja?
 
Só amar os filhos não basta. As mães dos marginais que estão nos presídios os amam profundamente. Os visitam e ficam desesperadas a cada motim, querendo notícias suas.
 
É preciso educar os filhos. Educar no temor do Senhor, em submissão, no ensino da Palavra, gastando tempo com eles, discipulando, conversando, brincando e se divertindo e permitindo que a criança viva todas as fases da vida, desde a meninice até a juventude em plenitude, de forma saudável e feliz. Sem imposições ou extremos.
 
3) Os pais geralmente estão muito preocupados o que eles vão ser quando crescer. E a parte espiritual, eles têm sabido cuidar dessa parte?
 
Existem dois extremos perigosos. Alguns pais vivem ocupados demais com igreja, trabalho e os próprios interesses, assim, nao gastam tempo com os filhos. Outros, obrigam os filhos a serem crentes a todo custo, querendo que os filhos sejam "santos"antes da hora ou exigem uma santidade que eles nao possuem. Pais saudáveis produzem filhos saudáveis.
 
4) A igreja e os pais têm sua parcela de culpa quando um jovem se desvia?
 
Nem sempre. E claro que todos os pais se culpam quando um filho se desvia, mas conversão é uma decisão pessoal. Ë possível fazer tudo certo e mesmo assim o filho se desviar.
 
5) Alguns pais tem costume de largar os filhos na igreja, transferindo sua responsabilidade de educar. Isso é correto?
 
De jeito algum. A responsabilidade de educar os filhos é primariamente dos pais
 
 
 
 
 
 
 
 
 
" UMA PARCERIA PERPÉTUA"
26/08/2011 14:03
 Parceria Conjugal
Você já ouviu pelo menos uma destas declarações sobre o casamento?
*Um bom casamento seria entre um homem surdo e uma mulher cega.
*Um arqueólogo faz o melhor marido.  Quanto mais velha ela fica, mais interessado ele se torna.  
*Alguns casamentos foram feitos no céu, mas TODOS têm que ser mantidos na terra.
*Um casamento bem-sucedido não é sobre como achar a pessoa certa—é como SER a pessoa certa!
*Se a grama for mais verde do outro lado da cerca, pode ter certeza que a conta d’água também é maior.
*Casamento é como as moscas na tela da janela da cozinha.  As que estão dentro querem escapar, e as que estão fora querem entrar . . . 
Todas elas são uma tentativa de definir o relacionamento conjugal.  Mas, e  Deus? Como o define?   Como Deus descreve o relacionamento conjugal nas Escrituras?  Como  Ele caracteriza essa, a primeira e mais básica das instituições humanas?  Às vezes ficamos tão preocupados em lidar com as situações matrimoniais diversas, que esquecemos de ensinar o padrão bíblico estabelecido por Deus.  Não deveríamos dar tanto enfoque às exceções e problemas que acontecem com vários casamentos, mas deveríamos focalizar o padrão original de Deus, exaltá-lo para nossos jovens, modelá-lo  tanto quanto possível, e só então lidar com as exceções.  
Num país onde o índice de casais divorciados cresce assustadoramente, a Igreja Evangélica precisa voltar às bases bíblicas e ensinar aos filhos de Deus os princípios para ajudar jovens a “peneirarem os candidatos” para o casamento, pais a orientarem seus filhos e casais a ajustarem seu relacionamento conforme a vontade de Deus.   Um casamento feliz e duradouro não é nenhuma questão de “sorte” ou, como pensam outros, de se casar com a “alma gêmea”. Na verdade, um casamento feliz e duradouro acontece quando os cônjuges edificam seu lar segundo a vontade de Deus. No presente artigo não seria possível discorrer sobre todas as orientações que a Palavra de Deus nos dá sobre casamento, visto que há nela princípios para todas as situações no lar, mas gostaria de destacar três que servem de colunas para estruturar tanto casamentos futuros como casamentos já existentes.  
I.  Casamento Bíblico é AUXÍLIO MÚTUO que precisa ser Resgatado pela Graça de Deus (Gn 2:15-18; 1:27,28; cf. 1 Co 7:1-5)  
Ao ler o relato de Gênesis, imagine a cena:            
Deus criou o mundo maravilhoso e nele plantou um belo jardim. Porém, logo Deus percebeu que “faltava” algo. Então Ele criou o homem a sua imagem e o pôs naquele lindo jardim com a missão de cultivá-lo e guardá-lo. Não demorou muito e Deus também percebeu que “faltava” algo para o homem que Ele havia criado. Não é bom que o homem esteja só, pensou Ele. O relato nos diz que primeiro tentou-se encontrar uma companheira para o homem dentre os animais já existentes. Porém, ao término do desfile dos animais, Adão não tinha encontrado uma parceria “idônea”. Então Deus o fez dormir e a partir de uma de suas costelas criou a mulher.   Podemos dizer, portanto, que a mulher “nasceu da necessidade” do homem de ter uma companheira. Deus criou-a para ser auxiliadora do homem, o que significa que para ele a mulher é amparo, socorro e ajuda. O termo hebraico usado neste texto para a mulher como ajudadora é o mesmo empregado quando a Bíblia diz que Deus é ajudador. Ou seja, assim como Deus é um ajudador nobre e digno, a mulher também é digna e nobre no seu papel de auxiliadora. O texto também diz que Deus a fez idônea, ou seja, fê-la correspondente ao homem, porém um pouco diferente. É muito importante ressaltar que a mulher não foi feita “igual” ao homem e também não foi criada muito ‘diferente’ do homem. Na verdade, o plano de Deus é de que a mulher complemente o homem e este a complemente.  
Para que ocorra esta complementação é necessário que haja auxílio mútuo dos cônjuges. O casal precisa reconhecer que um precisa do outro, que um preenche a lacuna do outro e, que sendo assim, o casamento não é lugar de competição, mas, sim, de cooperação. Há casais que tentam até mesmo eliminar as diferenças entre homem e mulher! Mas tentar fazer isso é querer destruir o plano de Deus, visto que foi Ele mesmo que planejou que estas diferenças entre homem e mulher existissem. Não há necessidade de se anular as diferenças! Na verdade, o casal que vive segundo os padrões de Deus reflete em seu relacionamento a glória de Deus. O casamento é o meio para o homem desfrutar de um relacionamento seguro e íntimo tal qual é o relacionamento das três pessoas na Trindade.  
 
II.  Casamento Bíblico é AMIZADE MATRIMONIAL que precisa ser Resguardada contra ameaças (Pv 2:15-17; Ml 2:14) 
O termo hebraico usado por Salomão para descrever o “amigo” da mocidade tem o sentido de “dócil, doado, amigo, íntimo que está totalmente à vontade, inocente, vulnerável”. Intimidade bíblica e total implica em inocência, vulnerabilidade, acesso e transparência. A intimidade assim ocorre quando duas pessoas ficam  totalmente expostas uma diante da outra.
 Não é possível alguém se casar com uma pessoa que se enquadre na descrição de dócil, amiga e etc. se durante o namoro a amizade entre ambos não foi desenvolvida. E mesmo aqueles que se casaram tendo um bom nível de amizade correm o risco de vê-lo decrescer se esta amizade não continuar sendo cultivada.  Durante o namoro o jovem tem a oportunidade de desenvolver uma amizade profunda com seu namorado(a). Usamos a palavra “desenvolver” porque na verdade a amizade tem de ser buscada e cultivada, ao contrário do que a mídia propõe ser algo que acontece! E o primeiro passo para um jovem se tornar amigo de seu futuro cônjuge é se conscientizar e determinar que ele pertence a outro. No  seu coração, sugerimos que o jovem faça um voto de pertencer exclusivamente ao seu futuro cônjuge. Ele pode confiar na soberania de Deus de que a sua “princesa encantada” já está a sua espera.  A jovem pode ter certeza de que ela pertence àlgum “príncipe encantado”, que logo estará saindo numa longa (ou curta) viagem ao encontro dela. E por isso ela não precisa sair quinze minutos antes que ele chegue para “ficar” com alguma rã que nunca será príncipe!   Com esta confiança e dependência na Soberania de Deus será natural para o (a) jovem peneirar bem as (os) candidatas (os) que aparecerem ao longo do caminho. Outra sugestão é de que o jovem pode fazer uma  lista das qualidades que ele deseja no seu futuro cônjuge e  orar sobre elas. Esta medida simples prepara o jovem para avaliar-se a si mesmo quanto a estas qualidades e para um futuro diálogo franco com seu candidato a cônjuge. Acima de tudo o jovem não precisa ser  precipitado e nem sair desesperado para se  casar! É  muito melhor ser solteiro e feliz no serviço de Jesus, do que se casar e viver infeliz  num jugo desigual.  Os pais têm um papel fundamental neste quesito. Pela orientação da Palavra de Deus eles podem preparar seus filhos para o casamento.  Ensinando-lhes princípios de namoro e orando pelo futuro cônjuge de seus filhos, os pais “guardarão” o coração deles.  Sugerimos que os pais conversem com seus filhos sobre seus relacionamentos.  Deixem um exemplo de amizade conjugal com seu cônjuge ao qual eles poderão seguir e imitar. Quando os filhos percebem que seus pais se amam, eles serão mais seguros para desenvolver o mesmo tipo de relacionamento com seus cônjuges.            
Todavia, os filhos somente se convencerão de que seus pais realmente são amigos e se amam se perceberem os sinais visíveis desta “amizade conjugal”. Os sinais claros da amizade conjugal são demonstrados pelo tempo em que os pais gastam juntos conversando e também orando. Também os filhos devem saber que, mesmo se obstáculos entre os pais forem erguidos por algum motivo, estes serão retirados o mais rápido possível para que se preserve o amor e a amizade no casamento.  Os filhos não devem saber somente que seus pais erram, mas devem também saber que eles se arrependem de seus erros e se perdoam mutuamente. E encorajamos aos casados de que para gastar tempo juntos não será preciso mudanças radicais em suas agendas. Basta aproveitar bem o tempo das refeições, procurar dormirem sempre juntos (é incrível o números de cônjuges que sempre vão para o quarto adormecerem sozinhos!). O casal deve planejar um tempo para saírem com o propósito de “namorarem como antigamente”. Também seria muito bom o casal praticar algum hobby juntos.    A manutenção da amizade no casamento não tem apenas o objetivo de “guardar o coração dos filhos”. Na verdade, a manutenção da amizade no casamento se transforma em um verdadeiro escudo contra as duas principais ameaças que rondam qualquer casamento: a traição e o divórcio.            
Um casamento sem amizade conjugal torna-se um relacionamento frio e expõe os cônjuges à tentação de quererem encontrar uma pessoa “mais interessante” só pela possibilidade de que ela lhe dê mais atenção. A amizade é o combustível que mantém acesa a chama da confiança e intimidade. Já foi comprovado que um dos motivos sempre presentes em um divórcio é o fato de que deixaram de ser amigos!  
III.  Casamento  Bíblico  é  ACORDO MINISTERIAL  que  precisa ser  Relembrado   ( 2 Co 6:14-16)
 
Neste último princípio, queremos lembrar aos casados e aos futuros casais de que o casamento não visa apenas realização pessoal de cada cônjuge e com isso o alcance da alegria. O casamento conforme a perspectiva bíblica visa um propósito muito maior: promover o Reino de Deus.   Normalmente o texto de 2 Co 6.14-15 é  exposto e sempre ressaltado como  advertência contra o namoro com incrédulos ou talvez como advertência contra uma sociedade com não-crentes em algum tipo de  negócio.   A ênfase recai sobre o jugo“desigual”. Embora isto seja verdade,    gostaria que olhássemos para o texto por uma ótica oposta, positiva. Entrando “pela porta dos fundos”, vamos descobrir o ideal para um casamento, como sendo um “JUGO IGUAL”. Por que jugo igual?  Porque o propósito do casamento é um serviço mútuo do casal no campo do Agricultor celestial! A figura do jugo é uma figura agrícola. “Jugo” ou “canga” é um artefato que o fazendeiro usa para unir dois bois ou cavalos para puxarem o arado. O jugo é usado sempre para unir dois animais da mesma espécie e de mesmo tamanho. Caso contrário, não haverá êxito no trabalho de arar o campo. Sendo assim, a idéia de “aliança” ou “acordo” está implícita no termo “jugo”. Foi assim que o profeta Amós, em outro contexto, perguntou: “Andarão dois juntos, se não houver entre eles acordo? (3.3). Com esta pergunta, Amós nos leva a refletir de que um casamento é também uma sociedade, ou seja, os cônjuges são “parceiros” ou “sócios”; nesta sociedade os cônjuges estão em “comunhão” e “harmonia”, isto é, estão em união comum e firmaram um pacto mútuo de juntar forças para alcançar um fim.   Do ponto de vista bíblico, o fim que um casal deve alcançar é a promoção do Reino de Deus.  Ao longo da História da Igreja, Deus continua usando a família para influenciar e transformar o mundo, promovendo seu Reino. A título de exemplo desta verdade, podemos levar em conta os muitos pastores e suas esposas que estão engajados no ministério integral.   Infelizmente, hoje, está na moda resgatar o relacionamento conjugal como fim em si mesmo. E na verdade corremos o risco de cair em familiolatria. Como já vimos antes,  Deus quer  que o casal “curta” seu relacionamento, que sejam grandes amigos, que experimentem a máxima intimidade, que cultivem seu relacionamento a dois e que priorizem  esse relacionamento.  Mas que tudo isso para o bem do Reino.  Jesus continua em primeiro lugar! Cristo tem toda a primazia. É preciso lembrar que não seremos casados durante a eternidade.  Nossos casamentos são relacionamentos terrenos, concedidos pela graça de Deus, para melhor servirmos e glorificarmos a Deus.  Como sempre, a igreja é a providência de Deus para qualquer casal se envolver de maneira prática na promoção do Reino. Existem nela muitas oportunidades para um casal trabalhar como família, por exemplo: dirigirem juntos um culto infantil, serem recepcionistas, ensinarem uma classe de EBD ou cantarem juntos no coral.  Ao discorrermos sobre estes três princípios bíblicos, mais uma vez queremos afirmar: um casamento feliz e duradouro não é uma questão de sorte. O casamento foi projetado por Deus para “funcionar” de forma perfeita, desde que o casal siga as Suas instruções. Quando os cônjuges compreendem que o auxílio mútuo deve ser resgatado, que a amizade matrimonial deve ser preservada e que o casamento também é um acordo ministerial que precisa ser relembrado, com certeza o casamento trará realização tanto para eles como para o Reino de Deus.
Casamento bíblico é parceria conjugal a bem do Reino de Deus.                        
*Casamento bíblico é AUXÍLIO MÚTUO que precisa ser RESGATADA.                       
*Casamento bíblico é AMIZADE MATRIMONIAL que precisa ser RESGUARDADA.                       
*Casamento bíblico é ACORDO MINISTERIAL que precisa ser RELEMBRADO 
Um Desafio Final:1)      Jovens: É isso que você quer?  É isso que você deseja?  Ou será que seus sonhos sobre o casamento são mais voltados para sua casinha, seus bebês, seu romanticismo?  Deus une o casal numa parceria visando seu impacto para o Reino.  Até você abraçar esse, Seu plano, você não está pronto para casar.Pais: Você está preparando seus filhos para casamento bíblico?  Seu exemplo tem preparado o caminho?  Se você se encontra numa situação irregular, você tem explicado isso para seus filhos e trabalhado e orado que eles evitem os mesmos erros?3)   Casais: Vocês precisam relembrar o propósito do seu relacionamento?  Cultivar sua amizade/intimidade para que contribua para o Reino de Deus?  Tem se tornado egoístas?  Ou vivem para eternidade?
 
 
Pr. Davi Merkh (revisão por Adeildo Luciano Conceição) 
 
 
 
 
 
" CASAMENTO BÍBLICO: COLUNA DA SOCIEDADE QUE TEME A DEUS" Parte 1
27/08/2011 10:40
 Casamento Venerado e Imáculado - Parte 1
 
"Venerado seja entre todos o matrimonio e o leito sem mácula; porem aos que se dão à prostituição e aos adúlteros Deus os julgará." Heb. 13:4
Hoje, há falta de respeito para as coisas que Deus criou. O plano de satanás é destruir tudo, item por item, que Deus fez.
Deus criou a terra, mas o homem procura a destruí-la. No fim do mundo Jesus vai destruir os que destroem a terra. Apoc. 11:18.
Deus criou as nações; satanás as engana. Apoc. 12:9; 20:8.
Deus criou a igreja; satanás procura destruí-la.
Deus criou a família também. Satanás procura destruí-la. Ele despreza e ataca o casamento. Faz o mundo pensar que o casamento é desnecessário; uma coisa do passado. A Bíblia declara que o matrimonio deve ser venerado. Se a família for destruída, a sociedade inteira e as igrejas serão seriamente afetadas. A base da sociedade é a família. E a família começa com o matrimonio. Sempre foi assim.
AS INSTITUIÇÕES QUE DEUS CRIOU
  Há três instituições na terra que DEUS criou: a família, a nação, e a igreja. Devemos servir a Deus como membros da igreja, que é o corpo de Cristo. Devemos obedecer as leis da nação. Romanos 13 ensina que as autoridades civis são "ministros" de Deus. As nações pertencem a Deus, Dan. 4:17.Devemos manter a família de acordo com os princípios da Bíblia. A família é a instituição mais antiga na terra, e foi Deus quem a instituiu.
JESUS DISSE QUE O MATRIMONIO É DE DEUS
  Jesus reconheceu este fato quando disse que "desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea. Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á a sua mulher. E serão os dois uma só carne: e assim já não serão dois, mas uma só carne. Portanto o que Deus ajuntou não o separe o homem." Marcos 10:6-9. Jesus defendeu e aprovou o caso de Adão e Eva, como um casamento que veio de DEUS. Foi o único exemplo que Jesus citou sobre o casamento. É um casamento "feito no céu" ou aprovado, sim, por Deus. Não existia nenhuma igreja, nenhuma nação. Claro que não existia um cartório. MAS existia uma autoridade que não só estava de acordo com a existência da família, mas também era "responsável" pelo próprio casamento. Todo o casamento na Bíblia foi feito na presença da autoridade existente na época e/ou com a aprovação das famílias envolvidas.
  Jesus mostrou sua aprovação desta maneira de casar-se quando ele assistiu as "bodas em Caná da Galiléia" com a sua mãe e seus discípulos. João 2:1-2. É claro que não se realizou no templo, (como o batismo também não foi feito no templo), mas foi feito com Jesus e seus discípulos presentes. As igrejas batistas não fazem casamento. Ninguém em nosso meio acredita que a igreja faz casamento. O casamento é feito na presença das autoridades da nação com a aprovação das famílias envolvidas, como no tempo da Bíblia, e a igreja pode ser uma testemunha do fato. Ela pode pedir as bênçãos de Deus sobre a formação de uma nova família, e naturalmente antes da união corporal. Se for um caso de sexo antes do casamento, a igreja não pode aprovar. Se não for feito no cartório, a igreja não pode aprovar. Como Jesus aprovou o casamento, também a igreja o aprova.
A POLIGAMIA CONDENADA
  Deus não instituiu nem aprovou a poligamia pois criou uma só mulher para o homem. Se aprovasse a poligamia, teria criado duas ou mais mulheres para Adão, o que não fez. O primeiro casamento é o único caso que Jesus cita para ensinar o matrimonio e o divórcio. Isto é, o matrimonio deve se manter intato. Ninguém deve separar os dois. Por que? Porque foi DEUS quem fez o matrimonio. Os dois, (não três), são uma só carne. A presença de um terceiro seria uma separação dos dois, a dissolução da família original!
  Deus permitiu mas não aprovou certas coisas nos dias em que a Bíblia não era completa. Atos 17:30 disse que Deus não teve em conta os tempos da ignorância. Passou por cima de certas coisas erradas até os dias de Cristo. Permitiu-as, mas não as aprovou! Quem quer provar que a poligamia é certa sempre cita estes casos no velho testamento. Em vez de citar estes, por que não cita Deuteronômio 17:17? Deus mandou Israel e seu futuro rei não multiplicar nem cavalos, nem mulheres! Foi justamente "nisto" que "pecou Salomão", Neemias 13:26. Suas mulheres eram estrangeiras. Isto também era pecado. Deus não aprovou a poligamia de Salomão. Quando os judeus voltaram do cativeiro, no tempo de Esdras e Neemias, por que Deus mandou os israelitas mandar embora suas mulheres estranhas? Esdras capitulo 10. Era pecado possuí-las. Em versículo 6, Esdras "estava anojado pela transgressão dos do cativeiro." Israel, para provar que estava arrependido, cerrou estas relações que eram contra a lei de Deus. Quando alguém se arrepende de fornicação, não continua nela.
  Deus usou a santidade do matrimonio para expressar a união de Cristo e a sua igreja. Efésios 5:22-33. Grande ênfase é colocada na relação do marido e sua esposa. A poligamia destruiria o ensino que Cristo tem uma só esposa. As igrejas que são infiéis a Cristo são prostitutas espirituais.
  Seria um passo atrás se a igreja aprovasse a poligamia. Em todas as terras e culturas onde o evangelho tem entrado, tem mudado o sistema dos pagãos de poligamia para monogamia. Não somos muçulmanos, mas cristãos!
UNIÃO SEXUAL NÃO É CASAMENTO
  Bom é lembrar que Eva já era a mulher de Adão antes da união sexual. Gênesis 2:28 mostra que "Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra." Gênesis 2:24 ensina que Adão uniu-se com sua mulher. Já era a sua mulher, antes da união! O casamento foi feito quando Deus fez Eva e deu-a a Adão. Deus os abençoou. O ato sexual veio depois. É uma expressão do casamento, mas não é casamento. O casamento foi feito antes. Casamento não é acasalamento.
  Em Gênesis 29 temos um caso importante. Jacó e seu tio, Labão, fizeram um contrato de casamento para Jacó e a filha de Labão, Raquel. Jacó serviu "sete anos por Raquel; e foram aos seus olhos como poucos dias, pelo muito que a amava. E disse Jacó a Labão: Dá-me minha mulher." Gên. 29:20-21. Labão enganou Jacó e deu-lhe Léia no lugar de Raquel. Depois de trabalhar mais sete anos, recebeu Raquel "por mulher," ver. 28. No tempo dos patriarcas, o casamento foi combinado pelos pais do casal. Em todos os casos de casamento no velho testamento, havia aprovação dos pais e/ou da sociedade. Havia um período de tempo do noivado. Se os dois se ajuntassem antes da aprovação dos pais e da sociedade, ou mesmo durante o noivado, o ato seria chamado fornicação, ou sexo antes do casamento! Foi chamado "doidice" e "loucura." Gên. 34:7; Deut. 22:20-21. Ora, se o ato sexual em si fosse o casamento, não seria mais doidice ou loucura. Não seria possível existir sexo antes do casamento. Paulo disse em I Cor. 7 que o homem deve casar para evitar fornicação. Logo não seria mais fornicação a prática de sexo antes do casamento, se a união corporal fosse casamento.
  E o caso de José e Maria? Quando se casaram? "Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem achou-se ter concebido do Espírito Santo. Então José, seu marido, como era justo, e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente." Mat. 1:17-18. Ser desposada não quer dizer, necessariamente, casada. Eram noivos. Iam casar-se. José casou com Maria antes ou depois do nascimento de Jesus? Deus mandou que tomasse sua desposada mulher antes. "E José, despertando do sonho, fez como o anjo do Senhor lhe ordenara, e recebeu a sua mulher; E não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus." Mat. 1:24-25. Era casamento ou não?
 
 
 
 
 
" CASAMENTO BÍBLICO: COLUNA DA SOCIEDADE QUE TEME A DEUS " Parte 2
28/08/2011 08:02
 Casamento Venerado e imáculado 2
 
O QUE DIZ A BÍBLIA?
  Sexo sem obrigações sociais e morais não é legítimo. Ajuntar-se com uma prostituta não é casamento, mas é prostituição. Se fosse casamento não seria mais prostituição. Esta seria eliminada; não existiria mais. Seria casamento, simplesmente. Se um homem tiver relações sexuais com uma mulher antes do casamento, ele comete fornicação ou prostituição com ela. Isto é pecado; é chamado loucura e doidice na Bíblia. Se um filho nascer desta união, é ou não é bastardo? Por isso Deus tinha que dizer a José que o caso de Maria não foi prostituição ou adultério. Se o pai de Jesus fosse um outro homem qualquer, Maria seria adúltera. O filho seria um bastardo. Mas, vamos ver outras passagens da Bíblia:
1). I Cor. 7:1-2 - "Bom seria que o homem não tocasse em mulher; Mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido." Portanto prostituição é uma coisa; casamento é outra. O ato sexual é o mesmo. Deus não aprova prostituição nem adultério. Aprova o casamento. O ato sexual não é o casamento.
2). Hebreus 13:4 - "Venerado (reverenciado, respeitado) seja entre todos o matrimonio (casamento) e o leito (do casal) sem mácula; porém aos que se dão à prostituição e aos adúlteros Deus os julgará." Logo o casamento é diferente de prostituição e de adultério. O casamento é "sem mácula." A prostituição e o adultério merecem o julgamento de Deus! Ajuntar-se com uma prostituta é prostituição e NÃO casamento. Repito: o ato sexual no casamento é o mesmo praticado na prostituição. Deus APROVA um e condena o outro! Logo entendemos que o ato sexual não é casamento.
3). I Cor. 6:15-18 - "Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei pois os membros de Cristo, e fa-los-ei membros de uma meretriz? (É certo um crente ter relações com uma meretriz?) Não, por certo. (Por que não? Porque seria prostituição.) Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz, faz-se um corpo com ela? (Isto é, fica cometendo o mesmo pecado que ela comete). Porque serão, disse, dois numa só carne. (Quer dizer, que ficam iguais. São igualmente prostitutos. Ele participa do mesmo pecado que ela vem praticando). Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito. FUGI DA PROSTITUIÇÃO. (Aqui é a razão desta passagem; evitar e não participar de relações ilícitas mas fugir delas). Todo o pecado que o homem comete é fora do corpo (não envolve o corpo); mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo." Seu próprio corpo pertence a sua esposa, como Paulo explica logo em seguida em I Cor. 7:4. Se ajuntar-se com a prostituta, está dividindo "os dois." Está pecando contra a sua esposa. É como o caso de adultério: "Qualquer que deixar a sua mulher e casar com outra, adultera contra ela," Marcos 10:11. Aqui é o homem que está pecando. Quem ajunta-se com uma meretriz participa com ela o seu pecado de prostituição. Neste sentido os dois estão juntos; igualmente errados mas não casados.
A mesma regra aplica-se a esposa que é infiel ao seu marido. Ela peca contra seu próprio corpo. Ela peca contra seu marido, seu casamento. É adúltera. "Se a mulher deixar a seu marido, e casar com outro, adultera," Marcos 10:12. Seria executada no tempo da lei, Ezeq. 16:38.
Paulo explica em I Cor. 7:1-2 que o homem não deve praticar uma relação sexual ilícita (prostituição), mas deve ter "a sua própria mulher," isto é, casar se. Se o ato sexual fosse o próprio casamento, este versículo não teria sentido nenhum.
4). I Cor 7:9 - "Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se." Paulo está mandando os solteiros praticarem sexo antes do casamento? Não. Ele está reforçando a idéia no versículo 2, que o solteiro deve evitar fornicação através do próprio casamento! Deve casar-se e assumir a responsabilidade que vem com a família. Se o ato sexual fosse casamento, este versículo não teria sentido nenhum.
5). Gênesis 38 - Aqui é o caso de Judá que teve relações sexuais com sua nora, Tamar, que se fingiu de prostituta. Ficou grávida. Quando foi descoberto o caso, "deram aviso a Judá, dizendo: Tamar, tua nora,adulterou, e eis que está pejada do adultério." Judá ficou bravo. Quis executá-la. Mas caiu em si quando ficou sabendo que ele era o pai! Judá não se casou com Tamar. "E nunca mais a conheceu," versículo 26. Foi adultério; não casamento. No tempo da lei os dois seriam mortos. Lev. 20:12.
6). Deut. 22:23-27 - Leia cuidadosamente sobre dois casos de estupro. Inclui-se aqui o consentimento da mulher. Se ela não consentir, não tem culpa; não é executada. O estupro não estabelece uma relação permanente; não é casamento com o estuprador. Se nascer criança, a mãe cuida dela pois o estuprador é executado. Se ela consentir ou não pedir socorro, os dois são executados. Não há casamento.
7). Deut. 22:28-29 - No caso do homem que se deita com uma moça virgem não desposada, quando "forem apanhados, "dará dinheiro (o dote) ao pai dela "porquanto a humilhou," e ela "lhe será por mulher." Casam-se. Se o ato sexual fosse o próprio casamento, ela não precisaria casar com ele. Já seria casada. Aqui é um caso de sexo antes do casamento, que é uma vergonha, uma doidice, e o resultado deve ser casamento. O ato sexual não é o próprio casamento.
8). Êxodo 22:16-17 - Aqui é um caso de sexo antes do casamento. "Se alguém enganar alguma virgem, que não for desposada, (não tem ficado noiva) e se deitar com ela, certamente a dotará por sua mulher. (Tem que casar com ela; o sexo não os fez casados). "Se seu pai inteiramente recusar dar-lha (em casamento, pois não são ainda casados!), dará dinheiro conforme ao dote das virgens."
a. Logo podemos concluir que o sexo não é o casamento.
b. O sexo não estabeleceu uma relação permanente.
c. Sexo antes do casamento é errado.
9). Gênesis 34 - Leia o capitulo. É o caso de Diná, filha de Jacó.
a.     É um caso de sexo antes do casamento. Ver. 2.
b.     A moça foi contaminada. Ver. 5, 13, e 27.
c.      O príncipe Siquem amou a moça depois do ato. Namorou-a.
d.     Pediu ao pai dele para arranjar o casamento. Ver. 4.
e.      Fazer sexo antes do casamento é doidice. Ver. 7.
f.       "Não se devia fazer assim." Ver. 7.
g.     O pai do moço pediu o casamento. Ver. 8.
h.     O moço também pediu. Ver. 11.
i.       Ver. 12 é claro que quis casar-se com Diná.
j.       O contrato foi feito: os heveus iam casar com os israelitas. Praticariam a circuncisão. Ver. 14-24. E fizeram.
k.     Fazer sexo antes do casamento não é casamento!
 
 
 
 
 
 
 
" CASAMENTO BÍBLICO: A COLUNA DA SOCIEDADE QUE TEME A DEUS " - Final
29/08/2011 09:33
 CASAMENTO VENERADO E IMACULADO – Parte 3
 
O CASAMENTO CRIA UMA NOVA FAMÍLIA
  Gênesis 2:24 e Mat. 19:5 ensinam que o homem deixa sua família e "apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne," ou uma nova entidade, uma nova família. Não é certo o homem levar a sua esposa para a casa dos seus pais. Há exceções, mas a regra geral é esta. Ele agora é chefe de uma nova família. "Ambos serão uma carne" mostra que são "co-herdeiros da graça da vida," I Pedro 3:7.
  I Pedro 3:1, I Cor. 11:2 e Efés. 5:22-23 mostram que a mulher é sujeita ao próprio marido. Ela é sujeita só ao seu próprio marido e não ao sogro ou seu pai ou outro homem. Faz parte da formação de uma nova família.
  I Pedro 3:7 e Efés. 5:25,28-31 ensinam que o homem deve amar sua mulher como seu próprio corpo; como Jesus ama a igreja. Deve viver com sua mulher com "entendimento, dando honra à mulher." O corpo dela é dele; o corpo dele é dela. Os dois são um só. "Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher (Porque casou-se com ela!) e serão dois numa carne. Assim também vós cada um em particular ame a sua própria mulher como a si mesmo, e a mulher reverencie o marido," Efés. 5:31. Eles são uma nova família.
CASAMENTO É PERMANENTE E EXIGE FIDELIDADE
  Em todas as passagens bíblicas que tratam de casamento, a ênfase é da sua permanência. Na criação da família em Gênesis 2:23-24, Deus disse que "serão ambos uma carne." Jesus citou este caso em Mat. 19:3-9, Marcos 10:2-12 e disse: "Portanto o que Deus ajuntou não o separe o homem." Ninguém deve ser culpado de destruir a família, de separar um marido da sua esposa. O matrimonio deve ser mantido a todo custo. Casamento dura até a morte de um dos cônjuges. Romanos 7:1-4 ensina que a pessoa pode casar-se de novo se o outro morrer. Se ajuntar com o outro durante a vida do seu cônjuge, comete adultério. Estaria casado com dois duma vez (o que é errado), e destruiria a família. Também destruiria o argumento de Paulo sobre nossa morte para a lei pelo corpo de Cristo! Não estamos casados com a lei mas com Cristo. Cristo pôs fim à lei. Cravou-a na cruz. Não estamos debaixo dela. Ela morreu. Ficamos livres dela. Se a mulher casar-se com um outro homem enquanto seu marido está vivo, é adúltera. Destruiu o casamento. E "qualquer que casar com a repudiada comete adultério." Mateus 5:32. Por que? Porque ela é do primeiro. Igualmente, se o homem casar-se com uma outra mulher enquanto sua esposa vive, é um adúltero. "Qualquer que deixar a sua mulher e casar com outra, adultera contra ela. E se a mulher deixar a seu marido, e casar com outro, adultera." Marcos 10:11-12. É fácil ver aqui que o que vale para um vale para o outro! De qualquer maneira a família seria desmanchada, desfeita, destruída.
Por esta razão, Jesus ensinou que a única razão de repudiar o outro cônjuge é fornicação. Se o homem repudiar a sua mulher por qualquer outra razão "a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério," se ela casar com outro, e "qualquer que casar com a repudiada comete adultério." Mat. 5:32. Por que? Porque ela ainda pertence ao seu marido.
Paulo tratou deste assunto em I Cor. 7. Quando fala dos solteiros e viúvos, faz "por permissão e não por mandamento," ver. 6. Ele fala segundo o seu "parecer," tendo o Espírito Santo. "Quanto às virgens, não tenho mandamento do Senhor," ver. 25. Mas quando fala dos casados, diz, "mando, não eu mas o Senhor," ver. 10. Disse que "A mulher casada está ligada pela lei todo o tempo que o seu marido vive; mas se falecer o seu marido. fica livre para casar com quem quiser, contanto que seja no Senhor," ver. 39. Não há razão nenhuma para limitar este princípio à mulher. O homem está ligado a sua esposa todo o tempo que ela vive. Se ela morrer, ele está livre para casar-se de novo. Mas se casar-se durante a vida dela, está cometendo adultério. Tanto o marido como a esposa são "co-herdeiros da graça da vida." Todas estas passagens ensinam a permanência do matrimonio, e que a única coisa que desfaz o casamento é a morte. No caso de um que se aparta do outro, Deus manda "que a mulher se não aparte do marido," ver. 10. E "se apartar, que fique sem casar, ou que se reconcilie com o marido," ver. 11. Acha que este principio é somente para a mulher? Não, porque Paulo continua dizendo, "e que o marido não deixe (não abandone) a mulher." Marcos 10:11-12 menciona tanto o marido como a esposa!
Lucas 16:18 também ensina que "Qualquer que deixa sua mulher, e casa com outra, adultera; e aquele que casa com a repudiada pelo marido adultera também." O homem deixa a sua mulher. Ela fica abandonada, sem sustento, sem abrigo, sem marido. Ele se casa com a outra. Comete adultério. A esposa dele casa-se de novo. O segundo homem dela comete adultério. Por que? Porque o marido dela está vivo. Perante Deus ela pertence ao primeiro marido. É claro que ela também comete adultério, se ajuntar ao outro, mas esta passagem fala do homem que se ajuntar com ela. Jesus disse que "aquele que casa com a repudiada" comete adultério. Esta é a mesma idéia que achamos em Mat. 5:32. Se o homem repudiar a sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério." Se fosse por prostituição, ela já seria culpada de adultério! Mas se ele a repudiar por outra causa qualquer, ela acaba ajuntando-se com um outro. Isto é adultério. Assim o homem faz a sua mulher cometer adultério. E neste caso, o homem que ajuntar-se com ela (a repudiada) também comete adultério porque ela é casada.
Deus quer que a família continue unida. Ele detesta divórcio. Mal. 2:14-16. Não quer que ninguém fique "desleal para com a mulher da sua mocidade."
Deus manda que ninguém se aparte do seu "co-herdeiro da graça da vida," I Cor. 7:10-11. Se um abandonar o outro, como é que faz? "Fique sem casar, ou que se reconcilie.." Reconciliação é possível? Sim. Deus manda que seja feita! Leia cuidadosamente o capítulo inteiro de Ezequiel 16. Deus e Israel eram casados. Israel se tornou infiel, como uma meretriz pior que Samaria ou Sodoma. Foi abandonada por Deus, mas não permanentemente. Um dia Deus vai recebê-la de volta, arrependida. O mesmo Deus que escreveu Deut. 24 também tem graça e misericórdia maior que a LEI. (Cuidado com a lei! Vamos usar Deuteronômio hoje para todo o nosso comportamento? Se aceitamos uma parte e não tudo somos incoerentes, errados). Vamos apedrejar o estuprador, ou o adúltero?
O errado será perdoado somente se arrepender se. A mulher adúltera em João 8:1-11 estava errada. Merecia morrer. Jesus era inocente do pecado; podia acusá-la. Ele não pediu a sua morte. "Nem eu também te condeno: vai-te, e não peques mais." Quando o errado, o infiel se arrepende e pede perdão, vamos aplicar a lei ou a graça? Vamos perdoar? E a pessoa errada: vai continuar no pecado? Não. Vai ser como o caso em I Cor. 5 e II Cor. 2. O homem cometeu fornicação. Como? Estava vivendo com a mulher de seu pai. Paulo manda que aquele "que tal ato praticou" seja excluído, tirado da igreja. Não podemos aprovar fornicação. Ver. 10 disse que não nos devemos associar com um irmão "devasso," isto é, fornicário. A igreja excluiu o homem pela votação da maioria (não é necessária a unanimidade), e depois ele se arrependeu. Voltou à igreja arrependido, e Paulo manda que seja recebido, consolado, confirmado! Por que? Deixou a relação ilícita. Parou de morar com a mulher do seu pai. Temos que deixar bem claro que amamos o pecador mas aborrecemos o pecado. Através de arrependimento a reconciliação pode ser feita. "Para que te lembres, e te envergonhes, e nunca mais abras a tua boca, por causa da tua vergonha, quando me reconciliar contigo de tudo quanto fizeste, diz o Senhor JEOVÁ." Ezequiel 16:63.
 
 
Pr.Calvin Gardner
Fonte:obreiroaprovado.com
 
 
 
 
 
 
 
" SÉ DEUS TRAZ A TEMPERANÇA QUE UM CASAMENTO NECESSITA PARA SOBREVIVER ATÉ A MORTE "
30/08/2011 15:31
 Brigamos muito em casa... (Marido/Mulher).
Brigas em casa e bom humor fora de casa.
 
"Se vocês ficarem com raiva, não deixem que isso os faça pecar e não fiquem o dia inteiro com raiva" (Ef. 4:26).
Conflitos entre marido e mulher são inevitáveis. Um casamento sem "brigas" é tão perigoso quanto os que brigam excessivamente.  Não é normal  quando o casal não consegue passar um dia sem atritos. Existem casais que brigam uma vez por mês, outros uma vez por semana, outros uma vez por dia, e outros todo dia, o dia todo. Brigam no café da manhã, no almoço, na merenda, no jantar, no último chá da noite e até dormindo, porque são sonâmbulos. Isso parece irônico, mas é uma realidade. O fim dos conflitos pode estar na descoberta das causas e na busca por soluções efetivas. Quase sempre as agressões  verbais ou físicas revelam que há ciúmes, falta de humildade para reconhecer o erro, estresse, ressentimentos, desejo de se vingar, crise espiritual, desajuste sexual, cansaço mental, acúmulo de insatisfação, sentimentos negativos do passado, sentimentos de culpa não resolvidos, incompreensão, imaturidade, falta de perdão etc.
O primeiro passo é querer. Muitos precisam mas não querem. Deus espera que dentro de você haja um desejo profundo por mudança efetiva. Alguém disse: "Querer é poder".
O segundo passo é identificar em você a causa do conflito. Qual é o ponto nevrálgico, que ao ser tocado, aciona todo o mecanismo do atrito. Após identificar o ponto sensível, você já sabe qual é a área que precisa ser tratada. Nunca se esqueça: o lar precisa ser um "lugar de cura". Marido e mulher precisam ser "agentes de cura". É imprescindível que haja humildade para se deixar tratar pelo cônjuge. Nenhum outro lugar é mais terapêutico do que o lar.
O terceiro passo é exercitar o perdão. Não existe um casamento que resista às pressões normais por muito tempo, quando não existe o espírito do perdão. Para Jesus, o perdão era uma questão de sobrevivência. O terceiro passo é deixar que Cristo seja o Senhor do casamento e da vida. Ninguém melhor do que Jesus para mostrar o caminho do sucesso. Ele não quer ser apenas, médico e advogado, quer ser o Senhor do casal. Tê-lo como Senhor, é estar amparado dentro de uma casa construída sobre uma rocha inabalável.
Extraído do livro: "104 Erros que um casal não pode cometer". Autor: Josué Gonçalves
 
 
 
 
 
 
" APRENDA A RECEBER E A DOAR PERDÃO SEM ACEPÇÃO "
31/08/2011 09:41
 Perdão na Família
Sempre sonhamos em ter uma família perfeita.  Não demorou muito (foi na nossa lua de mel) para descobrir que não seríamos aquela família.  Apesar dos sonhos encantados de muitos noivos, a família perfeita não existe, e nunca existiu.
Então devemos desistir da família?  Não.  Talvez não seja possível ter uma família perfeita, mas podemos ser uma família que sabe perdoar uns aos outros, e estender essa esperança do perdão às pessoas ao nosso redor.
O perdão é a chave para se ter uma família feliz.  Sem o perdão, ressentimentos e ira ficam submersos debaixo da superfície do lar.  Assim como o iceberg que naufragou o Titanic, mais cedo ou mais tarde essas mágoas afundam a família.  Temos que aprender a perdoar, através da experiência de sermos perdoados. 
Deus nos ensina a perdoar por meio do perdão que nos oferece em Cristo Jesus.  Como recebemos esse perdão?  Há alguns passos simples e básicos, mas essenciais, claramente traçados na Palavra de Deus:
1) Reconhecer sua necessidade de perdão.  O padrão de Deus é alto.  A Bíblia nos diz, “Sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste” (Mt 5:48).  Infelizmente, “todos pecaram, e carecem da glória de Deus” (Rm 3:23).  Pecar significa errar o alvo.  Todos nós erramos o alvo de perfeição estabelecido por Deus.  Quebramos a lei de Deus.  Somos culpados. 
2) Reconhecer que está perdido sem o perdão de Deus.  Deus também diz, “O salário do pecado é a morte . . . “ (Rm 6:23).  Infelizmente, muitas pessoas hoje estão mais preocupadas com paz, prosperidade e poder do que com o perdão dos seus pecados.  São como passageiros de um navio descendo até o fundo do mar, preocupados em resgatar roupas, cosméticos e joias em vez de clamar por um salva-vidas!  Sem o perdão de Deus estamos perdidos, destinados à morte eterna.
3) Somente através do sacrifício de Jesus é que somos perdoados por Deus: “Aquele (Jesus) que não conheceu pecado, ele (Deus) o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus (2 Co 5:21). “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê, não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3:16).  “Não há condenação para aquele que está em Cristo Jesus” (Rm 8.1). Jesus sofreu o castigo de uma separação infinitamente dolorosa do Seu Pai, para que nós não tivéssemos que sofrer uma separação eterna dEle.
4) A ressurreição de Jesus concede nova vida.  A morte não pôde segurar o Filho de Deus!  Sua ressurreição prova de uma vez por todas que nossos pecados realmente foram perdoados: “Cristo morreu pelos nossos pecados . . . . e ressuscitou” (1 Co 15:3,4).  “Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim . . . vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim” (Gl 2:20).
5) Somente quando confiamos exclusivamente em Cristo é que recebemos o perdão dos pecados.  “Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé . . . não por obras” (Ef 2:8,9).  “Crê no Senhor Jesus, e serás salvo”(At 16:31).  “Todo o que nele crê, não pereçe, mas tem a vida eterna” (Jo 3:16).  Crer em Cristo significa lançar sobre ele todo o peso do seu pecado, e a sua esperança pelo perdão e um destino no céu; não somente acreditar que existe bote salva-vidas, mas entrar nele!
Todos que procuram salvar a si mesmos pelas suas boas obras são eternamente enganados.  Deus não compartilha Sua glória com ninguém, e não permitirá que pecadores arrogantes se vangloriem no céu como se a salvação fosse obra deles, ou algo que compraram pelas suas esmolas.  Imagine se um pai assistiu a morte de seu único filho depois de salvar inúmeras pessoas de um incêndio, só para ter os sobreviventes oferecerem R$5 em compensação, enquanto falam de como poderiam ter saído das chamas sem ajuda!
“Crer” envolve mais que “afirmar” ou “reconhecer.”  Quem vê a si mesmo como pecador perdido merecedor do inferno, carente do perdão divino, deve se revoltar contra seu pecado e se voltar a Deus para ser salvo por Cristo.  Este é o arrependimento bíblico.  Cristo promete recebê-lo e abençoá-lo com vida eterna:   “Quem ouve a minha Palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida” (Jo 5:24).
O que você faz com seu pecado determinará seu destino eterno!  Há somente duas opções: abraçar o perdão oferecido pela obra de Jesus em sua morte e ressurreição como pagamento da pena do seu crime, ou pagar, você mesmo, o castigo de uma eternidade separado do Criador que tanto deseja ter comunhão com Suas criaturas.  Não se paga pelo mesmo crime duas vezes; ou aceito o pagamento que Jesus fez quando declarou na cruz “Está pago”; ou pago eu mesmo.
E a família?  Quem recebe o “dom gratuito” de perdão por meio de Cristo, ganha condições de viver em família como perdoado e perdoador: “Sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus em Cristo vos perdoou” (Ef 5:32).
Não significa que, de repente, sua família ficará perfeita.  Perfeita, não!  Perdoada, sim.  E capaz de perdoar uns aos outros.
Quem nunca sondou as profundezas da sujeira do seu próprio coração; quem nunca se viu como miserável pecador; quem nunca experimentou o perdão total em Cristo Jesus, não será capaz de perdoar os outros. Será um juiz, intolerante, implacável, arrogante e orgulhoso.  Mas aquele que vive como perdoado será capaz de estender, pelo Espírito de Deus, perdão aos que convivem com ele.
Viver em família e criar filhos nestes dias exige coragem, sim.  Mas podemos contar com a graça de Jesus, que nos capacita para amar e perdoar.
 
 
 
 
 
" VENCENDO AS CRISES CONJUGAIS COM A SABEDORIA QUE VEM DO ALTO "
01/09/2011 13:32
 O QUE É NECESSÁRIO PARA VENCER A CRISE NO CASAMENTO
 
 Pr. Josué Gonçalves
 
1.          Constate a crise sem medo, não adianta fazer de conta que ela não existe (Ef 4:15).
 
2.          Busque falar com o seu cônjuge sem espiritualidade falsa. Diga a verdade em amor. Quem está na crise não precisa de um juiz, mas sim de um amigo, não precisa de um professor, mas sim de uma presença.
 
3.          Verifique se o chão da sua família está afofado com a graça de Deus, porque na crise alguém pode cair e se não houver graça, vai se machucar. Quando há graça, mesmo caindo, pode se levantar. Qual é o chão da sua casa?
 
4.         Na crise, não se abstenha da relação sexual com o cônjuge. Pois essa pode ser a hora de aflorar emoções contidas, afeições reprimidas e até mesmo algumas amarguras guardadas, que são liberadas naquele momento de êxtase em forma de sorriso, gargalhada ou até mesmo em lágrimas.
 
5.        Nunca veja o divórcio como uma porta, mas sim, como uma saída de emergência.
 
6.        Na crise, nunca obrigue seus filhos a tomar posição a seu favor.
 
7.        Busque o Senhor de todo o seu coração, mas faça a sua parte.
 
8.    Acredite muito mais no poder restaurador do amor, do que na impecabilidade humana. 
 
9.         Faça da crise "o adubo" que pode fazer as qualidades aparecerem para o bem estar do relacionamento. Bondade, longanimidade e solidariedade nascem da crise.
 
 
 
 
 
 
" O AMOR QUE TUDO FAZ E JAMAIS VOLTA ATRÁS "
02/09/2011 09:57
 Definição de Amor para crianças 
 
 
Um grupo de profissionais fez uma pesquisa sobre o que significa amar para um grupo de crianças de 4 a 8 anos. Eric Wiggin anotou algumas das respostas. Elas foram muito mais surpreendentes, profundas e sábias do que os pesquisadores poderiam imaginar.
 
Quando vovó ficou com artrite, ela não mais podia se abaixar para cortar as unhas e lixar seus calcanhares. Assim, meu avô passou a cortar suas unhas e lixar os seus calcanhares toda semana,
mesmo quando suas mãos doíam por causa da sua própria artrite. Isto é amor.
Rebecca - 8 anos
 
Amar é quando uma menina coloca perfume e o menino coloca colônia de barba, e eles vão passear no parque para ficar cheirando um ao outro.
Billy - 4 anos
 
Amar é quando você vai comer em um restaurante e dá a quem está com você, a maior parte das suas batatas fritas, sem pedir nenhuma das dela.
Karl - 5 anos
 
Amar é o que faz você sorrir quando está cansado.
Terri - 4 anos
 
Amar é quando minha mãe faz café para o meu pai e antes de servir para ele, ela dá uma provadinha para ter a certeza que está gostoso.
Danny ― 7 anos
 
Se você quer aprender amar melhor, tem que começar primeiro com alguém de quem você não gosta.
Nikka - 6 anos
 
Amar é quando você diz para um rapaz que gosta da sua camisa, então ele usa a camisa todo dia.
Noelle - 7 anos
 
Amar é quando mamãe dá ao papai o melhor pedaço do frango.
Elaine - 5 anos
 
Amar é quando a mamãe vê papai sujo e suado e mesmo assim, diz que ele é mais bonito que o Tom Cruise.
Chris - 8 anos
 
Quando você ama alguém seus cílios ficam piscando apressados e milhares de pequenas estrelas saltam de dentro de você.
Karen - 7 anos
 
Jamais diga "Eu te amo", a menos que você realmente ame de verdade. Mas se você realmente ama, repita "eu te amo" muitas vezes. A pessoas esquecem facilmente.
Jéssica - 8 anos
 
Quando jovem eu queria transformar o mundo. Eu desejava ser tão importante que todas as pessoas reconheceriam meu nome. Talvez quando eu chegar ao fim da minha vida eu me dê conta de que não consegui meu intento. Mas não preciso chegar ao fim da minha vida para fazer a minha mais importante descoberta; percebi o quanto tenho sido feliz. Eu amo alguém. Mudei a sua vida e ela mudou a minha, e esta descoberta é essencial e fez minha vida valer a pena.
 
Se você amar e for amado, sua vida já fez uma enorme diferença. As pessoas morrem, mas o amor nunca morre. Meu amor será repassado de uma vida para outra, para o coração dos meus filhos que, por sua vez, o repassarão para os meus netos. Pessoas serão tocadas pelo amor com que amei meus filhos. Daqui a décadas, mesmo depois da minha morte, meus netos serão tocados pela minha memória, como meus filhos são tocados pelas memórias de meu pai quando lhes conto histórias que nos fazem chorar e rir. Memórias do amor que demos e que recebemos. Essas memórias
não nascem da dor, mas da esperança no futuro.
 
Você quer alcançar sucesso e fazer uma diferença nesse mundo, deixando uma marca que será lembrada para sempre? Então, aprenda uma verdade crucial. Deixamos uma marca no mundo, não por causa das nossas conquistas, mas porque fomos amados por Deus e pelas pessoas que vivem a nossa volta e amamos de volta. O amor pode não nos proteger da dor, morte e frustrações, mas ele fará com que as dificuldades sejam mais suportáveis, o que já é suficiente o bastante para nos capacitar a continuar a jornada.
 
O abismo que separa a vida de quem ama e é amado daquele que vive sem amar e ser amado é imenso. Entre eles está a felicidade ou o desespero, a vida ou a morte, o céu ou o inferno. A escolha é sua!
 
 
 
 
 
 
" AMIGOS E AMANTES CASAMENTO INTERESSANTE PERPETUAMENTE "
03/09/2011 11:18
 Cônjuges: Amigos e Amantes
 
CÔNJUGES: AMIGOS E AMANTES
 
O conhecimento humano se triplicou por milhões no século XX. E o mais interessantes é que o que está na Bíblia há 2000 anos ou mais foi (e continua sendo) confirmado pelas pesquisas e estudos científicos sérios. 
 
Nesta oportunidade, quero externar minha visão acerca da falência de grande parte das uniões matrimoniais, inclusive dentro de nossas igrejas. Não tenho a pretensão ou a petulância de explicar os motivos e fundamentos desta falência nestas poucas e mal-escritas linhas, mas, pelo menos, abrir a discussão sobre o assunto. Podemos continuá-lo numa outra oportunidade.
 
A Bíblia diz que Deus viu que o homem estava só, e fez para ele uma companheira utilizando-se de uma costela. Não foi feita a partir de um osso cabeça para comandar, e nem de osso do pé para ser pisada, mas de uma costela, que está no meio do corpo, para lhe ser igual, e de perto do coração, para ser amada. O simbolismo que envolve essa narrativa é lindo e profundo, mas que não temos tempo e nem espaço para explaná-los detalhadamente.
 
Cônjuges são as partes de um casal. O cônjuge do marido é a mulher, e o cônjuge da mulher é o marido. A palavra cônjuge quer dizer "debaixo do mesmo jugo". Significativo, não é mesmo? A título de curiosidade, jugos são aquelas peças de madeira ou metal e couro que são colocados sobre os animais para que puxem cargas ou carroças.
 
Casamento é, antes de tudo, uma instituição divina. Deus instituiu o casamento, e impôs algumas bases e diretrizes. Alguns "requisitos". 
 
Os seres humanos são constituídos de três partes: corpo, alma e espírito. Um casamento é uma união entre estas três partes de duas pessoas de sexos opostos.
 
Se não houver a união entre estas três partes, o casamento tem muito poucas chances de sobreviver ao tempo...
 
Casamento é algo como o encaixe de duas partes de uma mesma moeda. As reentrâncias devem servir para se completar, se complementar, e não para causar brigas e desentendimentos. Num outro giro, deve haver num casamento dois elementos: sexo e amizade. Os cônjuges devem ser amigos e amantes. Não apenas amigos, mas também amantes. Não apenas amantes, mas também amigos. Num casamento deve haver sexo e amizade. 
 
Não existem "almas gêmeas". Não existem almas que foram feitas um para o outro. Esta é uma visão poética, fantasiosa e idealista que está na visão imaginária dos apaixonados e dos cantores que vendem ilusões.
 
Não existem casamentos perfeitos, porque não existem homens e mulheres perfeitos. Existem casamentos que vão se aperfeiçoando a cada dia, com o aperfeiçoamento dos cônjuges. Cônjuges que vão renunciando aos seus propósitos egoístas, à sua arrogância e prepotência para se dedicar ao outro.
 
Muitas pessoas casam-se por paixão, que é um sentimento egoísta, uma vez que é causada por alguma coisa, e quando essa alguma coisa se esvai, ou perde o sentido, perde-se também a razão da paixão, e... do casamento.
 
Na verdade muitos casamentos começam errados e continuam sendo uma sucessão de erros, o que não impede, em absoluto, que uma união como essa venha a convalescer e frutificar.
 
Freqüentemente os futuros cônjuges se preocupam com a dúvida: "serei feliz com ele(a)?", quando o verdadeiro seria: "poderei fazê-lo(a) feliz?". Isto demonstra que querem um casamento onde sejam felizes, e não um casamento onde possam fazer alguém feliz. Isto é, queremos um companheiro, mas não queremos ser companheiros. Queremos que nossos sonhos se realizem, mas não nos preocupamos em realizar os sonhos de nossos cônjuges. Queremos, enfim, que nossos cônjuges se submetam ao nosso jugo, mas não nos preocupamos em nos submetermos ao jugo deles. Em outras palavras: queremos que nossos cônjuges nos ajudem e nos acompanhem a conseguir nossas aspirações, nossos sonhos e nossos desejos, mas não nos importamos em acompanhá-los e ajudá-los a conseguir seus sonhos, aspirações e desejos. E por aí vai...
 
Amar é dar maior importância à felicidade da pessoa amada do que à própria felicidade, por isto, quando nós amamos realmente alguém, nós queremos o melhor para esse alguém, mesmo quando "o melhor" não somos nós. Daí vai que quem ama realmente, mesmo que isso lhe cause um sofrimento sem tamanho, é capaz de deixar a pessoa amada ser feliz. Mesmo... que seja ao lado de outro alguém.
 
Gostar é um termo egoísta. Nós só gostamos daquilo que nos agrada. E quando nós amamos, amamos apesar daquilo que nos desagrada. Lembre-se: a paixão procura suprir uma necessidade do apaixonado, e o amor procura suprir uma necessidade da pessoa amada.
 
Percebe que as pessoas do mundo estão complemente equivocadas no que se refere ao amor, invertendo totalmente o sentido das coisas?
 
A maior e mais dura prova de amor que uma pessoa pode dar e receber é o tempo. O tempo é a maior e mais dura prova, o maior e mais duro teste que o amor pode, passar e receber. O que importa não é o quanto se ama, mas até quando amará. Se não houver amor depois que a paixão acabar, não haverá nada sólido que possa agregar ou conjugar duas pessoas de sexos opostos.
 
O nosso grande problema é que sempre queremos e esperamos que as outras pessoas ajam e reajam como nós agiríamos e reagiríamos. Os maridos esperam que suas esposas ajam como se fossem homens. As esposas querem que seus maridos ajam como se fossem mulheres. Os pais pretendem que seus filhos ajam como se fossem adultos. E os filhos esperam que seus pais ajam e reajam como se fossem crianças. É aí que começa o conflito.
 
Em Amós 3:3, a Bíblia pergunta se duas pessoas andam juntas se entre elas não houver acordo. Não exatamente concordância, mas acordo. Nós podemos, muitas vezes, nos submeter a situações com as quais não concordamos. Os acordos são feitos após algumas negociações. Negociações são feitas a base de exigências e concessões. Caso haja apenas exigências ou apenas concessões, não temos uma negociação, mas sim uma adesão: é do jeito que eu quero ou nada feito. Tudo ou nada.
 
Jesus Cristo deixou uma regra de ouro para o relacionamento interpessoal: aquilo que vós quereis que os homens vos façam, façais vós também a vós outros (Mateus 7:12). Façam aos outros o que quer que os outros lhe façam. Trate-os como quer ser tratado. Dê-lhes o que quer receber. Semeie o que deseja colher.
 
Avançando um pouco mais, num relacionamento conjugal, os direitos que você tem são os mesmos que você concede, e as obrigações que você impõe são as mesmas que você deve observar. Trocando em miúdos: se eu posso, meu cônjuge também pode; se meu cônjuge é obrigado, eu também sou obrigado.
 
Não temos o direito de exigir dos outros que façam ou sejam aquilo que nós próprios não fazemos ou não somos. Muito embora muitos o façam. 
 
Nós criamos os nossos próprios infernos quando criamos o inferno das pessoas que estão conosco. Seja uma benção na vida de teu irmão e não uma maldição, faça com que as pessoas se agradem de sua presença, e não que a detestem.
 
Um outro elemento a que gostaria de fazer especial referência é em relação ao perdão. Queremos ser perdoados de nossas atitudes erradas, ríspidas, e de nossas intolerâncias. Mas nos recusamos a perdoar as atitudes erradas, ríspidas e intolerância de outras pessoas. Principalmente as de nossa própria família.
 
Como podemos cumprir o mandamento de Jesus Cristo de amar nossos inimigos, se somos incapazes, muitas vezes, de perdoar aqueles a quem proclamamos amar?
 
Sem nos darmos conta, continuamente estamos a exigir que nossos pares aceitem nossos defeitos, nossas mazelas e nossos erros (sempre tem uma justificativa e uma explicação). Mas nos recusamos terminantemente a aceitar os defeitos, mazelas e erros de nossos pares.
 
Jamais vamos conseguir ser felizes sozinhos. A nossa felicidade consiste em fazer com que as pessoas que convivem conosco sejam felizes. Ame seu próximo, como deseja ser amado. Lute pela felicidade das pessoas que você crê amar. Assim fazendo estará cumprindo a Lei e os profetas. 
 
Fica difícil falarmos sobre amigos nesta época de superficialidades, futilidades e individualismo... mas... vamos lá. Normalmente, as idéias que temos sobre a amizade são aquelas transmitidas pelos poetas. Tipo: amizade é quase amor.
 
Não é objeto da presente dissecar ou detalhar a amizade, mas traçar um paralelo entre a amizade dentro e fora do relacionamento conjugal.
 
Primeiro, não tratamos nossos amigos como capachos. Não os humilhamos, não os rebaixamos, não os achincalhamos, não os expomos ao ridículo nem os exploramos. Não os tratamos como serviçais incompetentes e nem como empregados preguiçosos. Se você trata seu cônjuge como um capacho, como um serviçal incompetente, como empregado preguiçoso, se você o humilha, o rebaixa, o explora, o achincalha ou o expõe ao ridículo, você não é amigo dele...
 
Em segundo lugar, nós conversamos com nossos amigos, trocamos confidências, tiramos dúvidas, pedimos opiniões, respeitamos pontos de vista, damos e ouvimos conselhos. Se você não conversa com seu cônjuge, não troca confidências, não tira dúvida não pede opiniões, não respeita seu ponto de vista, não dá nem ouve conselhos, ele não é seu amigo.
 
Em terceiro lugar, você não agride seus amigos, não ofende, não xinga, não é áspero, ríspido, e nem espinhoso. Se você agride seu cônjuge, ofende-o, xinga-o, é áspero e ríspido ou espinhoso, não está sendo seu amigo.
 
Em quarto lugar, você não tem medo de ser manipulado, manobrado, explorado, chantageado ou extorquido pelos seus amigos. E por isso, pode reconhecer os erros e pedir perdão. No mínimo, desculpas. Se você tem medo de ser manipulado, explorado, manobrado, chantageado ou extorquido pelo seu cônjuge, e por isso não pede desculpas e nem perdão pelos erros e faltas que comete, então ele não é seu amigo.
 
A lista de comparativos é longa, extensa. Penso que nestes itens pude listar as principais características da amizade que devem estar presentes no relacionamento conjugal. Bom... deixei um item de fora: confiança. Nenhum destes elementos existe numa amizade se não existir confiança. Não existe amizade entre pessoas que não confiam uma na outra.
 
Você pode confiar em seu cônjuge? Seu cônjuge pode confiar em você? A gravidade da resposta revela a gravidade da pergunta.
 
Se seu cônjuge se apaixonar por outra pessoa, ou sentir uma atração homossexual, ele pode confiar a você este segredo? E se ele o fizer, você vai ajudá-lo ou apedrejá-lo? Com certeza vai se sentir traído, roubado, injustiçado, num primeiro momento. Mas e depois?
 
Qual seria a tua reação se teu cônjuge te confessasse que não está satisfeito com teu desempenho sexual?
 
Nós ajudamos nossos amigos, procuramos compreendê-los, entendê-los, apoiá-los...
 
Se não houver amizade no relacionamento conjugal, ele está fadado ao fracasso...
 
Sabe, nós nos afastamos dos amigos que nos tratam com leviandade, aspereza, interesse, ou qualquer outro fator negativo. Mas quanto aos cônjuges, o afastamento não é assim tão simples por causa dos "eternos laços do matrimônio". Isto faz com que sejamos um pouco (um pouco???) desleixados quanto a estes, e nos permitimos a alguns (alguns???) excessos...
 
Você já percebeu que nós evitamos fazer um monte de coisas aos nossos amigos? Mas não temos o mesmo cuidado quando se trata de nossos cônjuges? Isto é, nós tratamos melhor nossos amigos do que aos nossos cônjuges. E por isso, nós damos mais ouvidos aos nossos amigos do que aos nossos cônjuges. Nossos cônjuges não são nossos amigos... Uma pena.
 
O que eu vejo em muitos relacionamentos é uma relação de poder, uma relação de domínio e exploração... Fazendo com que uma situação irônica e trágica ocorra: duas pessoas unidas pelos laços do matrimônio, carentes de carinho, de amor, de ternura, de consolo, mas que não são capazes de amar um ao outro. Uma tem o que a outra necessita, e necessita do que a outra tem, mas existe um abismo entre elas que torna impossível olharem-se nos olhos, mesmo que estejam tão próximas que possam se tocar... Espero que não seja o teu caso, amado leitor.
 
Quero finalizar com uma pergunta seca e direta: você é amigo de teu cônjuge?
 
Falar sobre amizade no relacionamento conjugal foi mais complicado. Falar sobre relacionamento sexual, depois de tudo, é um pouco menos complicado. 
 
No título acima, o termo "amante" não significa "pessoa que mantém um amor", tipo "ó amante de minh´alma, tu és tudo para mim". É amante no sentido de pessoa que mantém um relacionamento sexual, que tem um parceiro sexual.
 
Rubem Alves, em seu livro "O que é religião" (Editora Brasiliense, Coleção Primeiros Passos), fala da reificação das pessoas. Res em latim significa coisa. Daí a palavra res+publica = a coisa do povo.
 
Reificação de pessoas é a sua coisificação. As pessoas perdem alma, sentimentos, emoções, sonhos, aspirações... identidade... passam a ser apenas rostos, pernas, seios, bumbuns, tórax, bíceps e tríceps... objetos. Objetos dos desejos.
 
Recentemente eu vi uma propaganda da revista masculina playboy nas bancas. Era uma mulher nua, com os dizeres: "Garçom, me traz uma dessas". Que dizer, o sujeito pede uma mulher do mesmo modo que pede uma cerveja ou um petisco, um prato de comida. Não está preocupado pode tornar aquela mulher feliz, se pode satisfazer suas necessidades, ajudá-la a alcançar seus objetivos e resolver seus problemas, vencer seus fantasmas. Está preocupado apenas e tão-somente em satisfazer seus desejos mórbidos, descarregar suas energias eróticas, fruir e usufruir daquela mulher. Usá-la e satisfazer-se com ela. Diversão. Apenas isso.
 
As mulheres, por outro lado, não estão em melhor condição quando suspiram por um homem e deixam escapar: "que pedaço de mau caminho..." Não estão igualmente preocupadas se podem tornar aquele homem feliz, satisfazer suas necessidades, ajudá-lo a resolver seus problemas. Estão igualmente preocupadas em satisfazer seus desejos mórbidos, descarregar suas energias eróticas, fruir e usufruir daquele homem. Usá-lo e satisfazer-se com ele.
 
Para ambos, nestes casos, se preocupam apenas com o prazer que podem obter e não no prazer que podem proporcionar.
 
Para as mulheres mais românticas (a maioria absoluta), o sonho pode ser um marido ideal, perfeito. Um homem robusto, forte, firme, corajoso, fiel, delicado, dedicado, solícito, carinhoso, rico, humilde, um atleta sexual, preocupado com sua silhueta (leia-se "barriga"), que a defenda contra tudo e contra todos, especialmente quando está errada. Com tudo isto, nem precisa ser bonito. Se for, melhor ainda.
 
Aliás, as mulheres tendem pensar que podem mudar a personalidade de um homem. Que depois do casamento, conseguirão transformar o mais vagabundo dos mulherengos em tudo isto que foi colocado aí em cima...
 
Partindo-se do princípio de que amar é dar maior importância à felicidade da pessoa amada do que à própria felicidade, os amantes (parceiros na relação sexual) devem se preocupar mais com dar e proporcionar prazer do que desfrutar dele. E isto deve ser um propósito recíproco: ambos devem pensar e agir assim.
 
E aqui vai um alerta importante: uma grande parte das mulheres (inclusive dentro das igrejas) mente. Finge que está tendo e usufruindo de um prazer que não existe, somente para não magoar ou não perder o marido. Maiores detalhes somente pessoalmente.
 
Aí pode ser que você me pergunte como é que eu sei de tudo isto. Porque há padrões de comportamento. A maioria dos seres humanos age tal e qual a maioria dos seres humanos age. E nós formulamos nossas teorias, nossas teses e nossas leis, de acordo com a maioria, e não de acordo com as exceções. O que eu digo aqui não pode e nem deve ser tomado como algo absoluto, uma regra imutável, mas como uma referência, uma linha de raciocínio.
 
Amantes que não são amigos agem tal e qual homens e mulheres que se prostituem, e homens e mulheres que procuram esses outros que se prostituem: de um lado, interessados apenas no prazer que podem obter, na satisfação dos próprios desejos. De outro, fingem que estão tendo prazer, e se preocupam em proporcionar prazer para criar uma dependência, um vínculo que os faça serem procurados uma próxima vez.
 
Infelizmente, muito embora não existam estatísticas, temo que uma boa parte (leia: a maioria) dos casais do mundo, inclusive dentro de nossas igrejas, são apenas amantes, mas não amigos. Às vezes... nem isso. 
 
Os amantes devem ter entre si um relacionamento sexual sadio, saudável, frutífero e... prazeroso. Se assim não for, não são amantes. Estão se prostituindo, se sujeitando a um relacionamento sexual para não perder o casamento, e não por prazer.
 
Para fechar o presente, somente uma pergunta cuja resposta, mais uma vez, revela a gravidade da pergunta: você tem um relacionamento sadio, saudável, frutífero e prazeroso com seu cônjuge?
 
Takayoshi Katagiri - katagiri@nutecnet.com.br 
JesusSite
 
 
 
 
 
 
 
" O QUE REALMENTE TEM VALOR "
04/09/2011 14:42
 
 Patrimônio Real
 
Indiscutivelmente, a mentalidade capitalista imprime em nós muitas distorções de valores. Aprendemos, desde muito cedo, a contabilizar a vida - e também a orientá-la - a partir dos bens materiais que acumulamos. Nossa idéia de patrimônio e de riqueza está sempre associada a conquistas materiais.
Ocorre que a vida tem muitas outras dimensões e, todos nós, temos infinitas outras necessidades. Como também, a vida reclama de nós muitas outras reflexões.
Os pais que estruturam sua relação com os filhos nesta lógica patrimonial, imaginam-se cumpridores da sua "missão", em função das coisas que propiciam aos filhos. Alguns, surpreendidos, quando descobrem que os filhos também têm alma, sentimentos e outras necessidades existenciais, argumentam com a mentalidade dúbia dos culpados: -"Vocês não têm tudo nesta casa? O que mais lhes falta?"
Não somente alguns pais. Maridos também. Essa distorção de valor norteia o relacionamento de muitos casais. Quantos homens imaginam-se companheiros perfeitos, a partir da dispensa da casa e do guarda-roupa da família. -"Nesta casa eu sempre coloquei tudo do bom e do melhor! Do que mais vocês reclamam?", dizem alguns.
Com o passar do tempo e à luz de muitas reflexões e vivências, descobrimos que o patrimônio real de uma pessoa está muito além dos bens materiais que ela possui. Portanto, ele não pode ser aferido em valores numéricos. Pode, isto sim, ser usufruído como um bem imediato, de um valor insubstituível para a nossa qualidade de vida.
Em que consiste então o verdadeiro patrimônio que alguém possui? Pelo menos, três bens devem constar na lista do patrimônio real de uma pessoa: a saúde, a família e a fé.
Saúde é riqueza. Bem material algum poderá ser comparado à saúde. Quem tem saúde é rico e não se apercebe. Cuide bem da sua saúde, ela é a sua grande riqueza.
Família é tesouro. Ao longo da vida vêm as adversidades e muitos desencontros. Pessoas mudam, circunstâncias se alteram e, depois de tudo e de todos, nos restará a família. Preservar a família é garantir um tesouro inestimável. Cuide de sua família, principalmente de pai e mãe, cônjuge, irmãos, filhos e netos. Eles são o seu maior tesouro.
Quem tem fé jamais empobrece, pois ela é patrimônio espiritual. Somente a fé nos faz suportar o insuportável, vencer o invencível e tolerar o intolerável. A fé é de um valor imensurável. Ela faz a diferença entre vitoriosos e derrotados. É um investimento que sempre trará um retorno especial. Todavia, nossa fé deve ser firmada em Deus, criador e sustentador de todas as coisas. Para Ele, nada é impossível.
Riqueza, portanto, não significa necessariamente um patrimônio material. Ricos são todos aqueles que gozam de saúde, curtem a vida em família e confiam a Deus todos os seus caminhos. Esse é o nosso verdadeiro patrimônio
 
 
 
 
 
 
" FILHOS SÃO RESPONSABILIDADES DOS PAIS "
05/09/2011 12:01
 Pais e Adolecentes
Autor(a): Wanderley Rangel Filho
 
 
 
1- Não rotule seus filhos com apelidos pejorativos seja por motivos físicos ou comportamentais. Gordinho vem cá ou lá vem o meu revoltado. Chame-os pelo nome ou apelidos que destaquem a virtude.
 
2- Não compare seus filhos entre eles e com filhos dos outros. Comparação gera competição. Cada filho tem suas virtudes e suas dificuldades. Há filhos beijoqueiros e há filhos menos beijoqueiros.
 
3- Não eduque seus filhos da mesma forma. Filhos são diferentes e a educação é diferenciada. Há filhos que estudam com facilidade e há filhos que precisam de maior cobrança.
 
4- Não tenha medo de impor limites. Regras claras e ponderadas são fundamentais para uma disciplina saudável. Não tem liberou geral! Horario para chegar em casa as 23 horas, dirigir so com carteira de habilitção, computador duas horas por dia!
 
5- Não privatize a educação de seus filhos. Cada pai é responsável diante de Deus pela criação de seus filhos. Não os avós, nem igreja, nem escola e nem governo.
 
 
 
 
 
 
 
 
" A ALEGRIA DE CRISTO NOS LEVA A VERDADEIRA FELICIDADE "
06/09/2011 10:15
 Socorro! Meu cônjuge está com mau humor crônico!
Pr. Josué Gonçalves
 Nunca permita que o jogo da vida se transforme numa batalha campal. É preciso ter um boa dose de humor para lidar com as pressões do casamento.
 
"Longe de vós, toda amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda malícia"(Ef. 4:31).
 
Existem dois tipos de pessoas no mundo: as nutridoras e as tóxicas. Pessoas tóxicas contaminam o ambiente com ansiedade, tristeza, descontentamento, ódio, sentimento de vingança e MAU HUMOR. Um cientista, fazendo uma pesquisa sobre a sensibilidade das plantas, descobriu que um ambiente tóxico faz mal para as plantas. Algumas plantas são tão sensíveis que nunca se dariam bem em um presídio ou manicômio, por exemplo. Se um ambiente tóxico faz mal até para as plantas, imaginem para os filhos, cônjuges etc.
 
Você já teve a experiência de estar bem, e logo após conversar com certas pessoas você fica se sentindo pra-baixo, chateado e mal humorado? Estas são as pessoastóxicas. Quando alguém carrega dentro de si raízes de amargura, ele não apenas se auto-destrói, como tambem vai contaminando as pessoas ao seu redor. (Hb 12:15).
 
Veja como isto acontece: O diretor de uma   empresa passava  por uma crise conjugal, o que provocava alguns conflitos. Os dois formavam um "casal tóxico". No domingo, por um motivo banal, brigaram mais uma vez e houve agressões físicas. Ele não dormiu na mesma cama que ela. Pela manhã, ele saiu para trabalhar com raiva, ressentido e mal-humorado. Passou com o carro pela portaria e não cumprimentou o porteiro. Assim que entrou em sua sala, mandou a secretária chamar o gerente. Quando o gerente entrou na sala, ele começou a falar alto e cobrar até o que o homem não devia, em termos de produção. Ofendeu o rapaz, intoxicando-o. Depois da reunião, o gerente saiu da sala com os nervos à flor da pele, e chamou o encarregado. Quando o encarregado entrou na sala, ele transferiu toda toxina recebida para o seu subordinado, cobrou além dos limites do bom senso, ofendeu o funcionário e o mandou produzir mais. Ao sair da sala, o encarregado chamou o operador de máquina e transferiu toda toxina que recebeu para o seu subordinado. Gritou, ofendeu e fez cobranças absurdas. O operador saiu, e em vez de produzir 100 peças, terminou o dia com 70 peças. Foi para   casa e no caminho ofendeu o cobrador do ônibus. Ao chegar em casa, a esposa o recebeu com um bolo de chocolate e disse: "Fiz para você; é o que você mais gosta". Ele olhou para o bolo  e com uma expressão facial de reprovação disse: "Já ganho pouco e o que sobra você fica gastando com bolo doce?  Não quero bolo coisa nenhuma". A mulher intoxicada pelo marido, joga o bolo no lixo. Aí vem o filho e pede: "Mãe, me dá um pedaço de bolo?" Ela lhe dá uma bronca sem razão e o manda para fora. O menino sai chorando e intoxicado. No caminho encontra o cachorro que quer brincar com ele. Nervoso, ele chuta o cachorro que sai correndo. Lá na frente, o cachorro intoxicado encontra o gato e, sem razão, o provoca e o morde. O gato sai ferido e, intoxicado, encontra um rato que está passando, então parte para cima do rato. O rato escapa mas perde um pedaço do rabo. Quando chega em casa, a ratinha vai brincar com ele. Ele a empurra   e diz: "Sai pra lá, você não percebeu o que fizeram no meu rabo?" Uma confusão foi armada na casa do rato...
 
Você percebeu como foi longe o efeito negativo de uma pessoa que é tóxica? Para o diabo, quanto mais pessoas tóxicas e intoxicadas,  melhor. Porém, Deus pode e quer curar estas pessoas para que elas sejam nutridoras, abençoadoras.
 
Provérbios 15:13 diz que a primeira coisa que acontece quando Deus nos cura e nos dá saúde na alma, é a  mudança na expressão facial: "O coração alegre aformoseia o rosto". Outro verso Pv. 15.15, diz que quando estamos bem emocionalmente, aonde quer que cheguemos, acabamos influenciando as  pessoas, nutrido-as com alegria. "... a alegria do coração é banquete contínuo". Uma pessoa, ao ser curada espiritualmente,  sara-se de muitas enfermidades do corpo, as chamadas doenças psicossomáticas. É por isso que aPalavra de Deus diz: "O coração alegre é bom remédio"(Pv. 17:22).
 
Uma boa dose de senso de humor é fundamental para lidarmos com  as pressões do casamento.
 
Quando os cônjuges se tornam sérios demais, o casamento passa a não ter vida, calor e alegria. Nunca se esqueça da importância de se descontrair, se divertir e desfrutar-se um do outro. Com razão disse Salomão: "Há um tempo certo para cada coisa: tempo para nascer, tempo para morrer, tempo para chorar, tempo para rir" (Ec 3:1-2). Um conhecido adágio francês diz: "O dia mais perdido de todos é aquele o qual ninguém riu". Não permita que o jogo da vida se torne uma batalha campal. Quando isto acontece, a relação se torna uma disputa, onde só há perdedores. Não há  prazer, apenas medição de forças. A brincadeira no relacionamento  jamais pode virar guerra.
 
O que faz o senso de humor ? Ajuda a colocar as coisas em perspectiva. Impede-nosde fazer tempestade em copo d'água. Permite aos cônjuges o direito de serem  menos que perfeitos. A capacidade de rir tira muito da pressão do relacionamento conjugal. O senso de humor é um lubrificante social.
 
 
 
Alguns ditados interessantes:
 
"Ria, e o mundo rirá com você".
 
"O riso compartilhado cria um laço de amizade".
 
"O riso é a menor distância entre duas pessoas". 
 
Ria sempre com, e nunca de... Ria com a esposa e nunca da esposa... Ria com a sogra enão da sogra.. O riso é uma forma importante para manter a saúde de sua vida (Pv 17:22).
 
w Jesus e o senso de humor.
 
Elton Truebood mostra como Cristo utilizava de sátiras, e de ironia e paradoxos para ajudar a esclarecer idéias profundas. Considere o humor nestas passagens, que convidam à reflexão: 
 
.Mt. 23:24 -- Coar um mosquito e engolir um camelo.
 
.Mt. 19:24, Mc. 10:25 e Lc. 18:25 -- O camelo passando pelo fundo de uma agulha.
 
.Lc. 6:39 -- Cegos guiando cegos.
 
.Mt. 8:22 -- Mortos sepultando mortos.
 
.Mt. 7:16 e Lc. 6:44 -- Uvas de espinheiros.
 
.Mt. 7:4 e Lc. 6:41 -- Argueiro e trave no olho.
 
O senso de humor de Cristo era sempre usado para esclarecer e aumentar a compreensão; jamais para ferir. Portanto pode ser tomado como modelo insuperável para os cônjuges.
 
w Os efeitos de uma "boa risada": um remédio infalível - Nosso corpo vive intensas modificações apenas com uma "boa risada". Os pulmões, por exemplo, podem multiplicar quatro vezes sua capacidade receptora de oxigênio. Isto, por sua vez, produz mais adrenalina com conseqüente benefício para os asmáticos, por sua função broncodilatadora. Também os órgãos do sistema digestivo são beneficiados. Fígado, pâncreas, intestino e os músculos que osenvolvem, produzem maior quantidade de sucos, melhorando consideravelmente a digestão. O coração, ao bater mais rápido, acelera a circulação do sangue, diminuindo a pressão arterial e facilitando a eliminação de toxinas. O cérebro também colhe os efeitos de uma boa risada quando o hipotálamo, ao liberar mais endorfinas, produz processos analgésicos. Neurologistas como Lee Berk  afirmam que rir é de grande ajuda na produção de uma resposta imunológica mais favorável no combate ao estresse. Enfim, uma "boa risada" funciona melhor do que uma bateria de remédios.
 
Em Neemias 8:10 está escrito: 'A alegria do Senhor é a nossa força". Todos nós precisamos do "elixir do humor" para sobreviver. O casamento não pode ser colocado numa camisa- de-força, projetada para nos impedir de gozar a vida mutuamente.
 
 
 
 
 
 
 
 
" FAMÍLIA BÍBLICA : A UNICA E VERDADEIRA RAIZ DA SOCIEDADE "
07/09/2011 12:20
 Família - Uma boa raiz entre homem, mulher e filhos
 
A família, criação de Deus, é a comunidade primária da raça humana. Ela antecede qualquer instituição, povo ou nação. Foi a célula primogênita da sociedade. Milênios se passaram e, junto com eles, muita coisa mudou no mundo. As mais diferentes culturas de todos os lugares do planeta sofreram grandes transformações ao longo de sua história. O mapa político e social dos continentes já mudou várias vezes. No entanto, os seres humanos continuam integrando-se em famílias.
 
Um projeto tão bem elaborado e consistente quanto este não poderia ter surgido ao acaso ? e, mesmo que tivesse acontecido assim, dificilmente seria uma unanimidade. Por isso, não é difícil concluir que sua origem é divina. Deus é o Criador da família e, como tal, o único com autoridade e direito de decidir o que ela é, para que existe e como deve funcionar. 
 
A família só pode viver e se desenvolver normalmente se contar com a presença e a bênção de Deus. "Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela"  (Salmos 127.1).
 
Apesar da boa raiz que a sustenta, a família sofre ataques constantes e mortais. O inimigo de nossas almas sabe que, destruindo os relacionamentos entre marido e mulher, pais e filhos, estará condenando à sociedade à morte. Por isso, a crise que vive a nossa geração focaliza-se principalmente nos lares. Assim como o primeiro pecado foi cometido dentro da família e atentou contra ela (Gênesis 3.6), também em nossos dias a maioria dos pecados se cometem no seio familiar.
 
Nos lares, vivem-se tensões, contendas, discussões, injúrias, gritos, ofensas, ressentimentos, amarguras e até separações e divórcios. A família é o foco dos ataques de Satanás, que trama sem parar contra ela ? infelizmente, em diversas oportunidades, ele ainda conta com a colaboração de pais ou filhos para facilitar esta tarefa. As evidências desta ofensiva diaból ica estão diante de nós: deterioração dos valores tradicionais, crescimento dos conflitos e um número crescente de separações em proporções alarmantes. E nós, o que estamos fazendo? 
 
Será que a Igreja tem algo a oferecer à nossa sociedade, alguma coisa que possa salvá-la? Há mesmo solução em Jesus Cristo para esta crise, como costumamos alardear, ou nosso discurso é ineficaz diante da morte de tantos lares? O Evangelho tem mesmo o poder de promover a ressurreição de tantas famílias das quais a vida fugiu? Se você me permite responder minha própria pergunta, afirmo enfaticamente que sim. Por acreditar que a deterioração da família deve-se ao fato de que a ordem de Deus para ela tem sido ignorada, abandonada e alterada por critérios humanos, também estou convencido de que contamos com recursos para a reconstrução dos lares:
 
Orientação precisa da Palavra de Deus
Somos muito privilegiados! Através de sua Palavra, Deus nos instrui sobre todos os aspectos da vida fa miliar. Seus ensinamentos são claros, simples, precisos e perfeitos (Salmos 19.7-9). E são para todas as famílias da terra, em todos os tempos.
 
O poder transformador do Espírito Santo Mediante o Espírito Santo, temos em nós a força de Deus para sermos mudados, melhorados e aperfeiçoados até chegarmos a ser famílias saudáveis e santas, para a glória de Deus. O fruto do Espírito Santo (Gálatas 5.22-23), manifesto em nós, faz aflorar todas as virtudes necessárias para uma maravilhosa convivência familiar.
 
A valiosa ajuda da comunidade cristã
Na igreja, sempre encontraremos pastores e irmãos mais instruídos, a quem possamos recorrer em busca de sabedoria, conselho e orientação. Ademais, haverá ali famílias bem formadas que serão, para nós, exemplo e modelo valiosos, de quem podemos aprender e em quem podemos nos espelhar?
 
Como Criador da família, Deus é o único com autoridade e direito de decidir o que ela é, para que existe e como deve funcionar?
 
Queremos lares projetados por Deus. Queremos aprender a ser famílias que vivem a realidade do Reino de Deus aqui na terra, debaixo do senhorio de Cristo. ?(...) tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até o dia de Cristo Jesus? (Filipenses 1.6). 
 
Creio, de todo o coração, que Deus nos aperfeiçoará até chegarmos a ser um povo com as características que o agradam: famílias sólidas, estáveis; solteiros que mantêm sua pureza; casais que convivem em harmonia e fidelidade; pessoas que vivem com a dignidade inerente a todo ser humano; pessoas diligentes, responsáveis, trabalhadoras, generosas e prontas para o serviço cristão, vivendo num ambiente de amor, ordem e paz.
 
Apesar de conhecermos bem as ciladas do diabo ? tanto pelo que a Palavra de Deus nos ensina quanto por nossas experiências diárias?, não podemos incorrer no escapismo de culpar o inimigo por tudo que conspira contra o lar. É preciso lembrar que boa parte dos problemas enfrentados pela família ocorre em função das inabilidades humanas e da falta de disciplina em relação aos projetos do Senhor para as vidas de seus filhos. 
 
Penso que determinados obstáculos começam dentro da própria estrutura do lar. Ao identificá-los, assumi-los e, humildemente, colocá-los diante do Pai celestial, a família pode dar o primeiro passo para ver realizado o milagre da Ressurreição dentro da própria casa. Gostaria de refletir sobre alguns deles com você.
 
Carência de propósito
Muita gente simplesmente não determina propósito algum para sua vida. Casa, trabalha, se esforça, adquire casas, tem filhos, mas não sabe bem para quê. 
 
Se perguntarmos à maioria dos noivos por que motivo pretendem casar, eles não saberiam dar uma resposta clara. São capazes de planejar os mínimos detalhes do casamento "o vestido, a festa, a viagem, os móveis, a lista de convidados etc. ", mas provavelmente jamais se fazem esta pergunta fundamental: "Por que vou casar?". Esta falta de propósito leva muitos pais a crer que cumpriram seu dever em relação aos filhos se forem bons provedores de comida, roupa, moradia, saúde, educação, recreação etc. Não se dão conta de que, ainda que tudo isso seja necessário, não constitui precisamente o fundamental.
 
Objetivos equivocados
A carência de um propósito claro para a família faz com que nos desviemos para os objetivos equivocados e façamos dos meios um fim, e do secundário, o principal:
 
Ganhos materiais: o progresso material tem se transformado no objetivo principal de muitas famílias. A grande meta é o suposto ?conforto?. Perde-se a vida desejando e trabalhando para alcançar o desejado; depois, segue-se trabalhando para manter o alcançado. O pensamento está sempre atrás de alguma nova aquisição. Neste caso, as pessoas sacrificam e adiam a família por causa do lucro. ?E (Jesus) disse ao povo: Acautelai-vos e guardai-vos de toda espécie de cobiça; porque a vida do homem não consiste na abundância das coisas que possui? (Lucas 12.15).
 
Gratificação pessoal e egoísta
Há aqueles que se casam pensando somente em si mesmos. Seu objetivo não é dar, mas receber; não servir, mas ser servidos. E isto acontece no âmbito da vida material, na vida sexual e no tocante às responsabilidades familiares. A única garantia, porém, é a do fracasso do lar. 
 
Endeusamento da própria família:
Alguns fazem da família um fim em si. Seu projeto pessoal de felicidade e conveniência converte-se na meta mais alta da vida familiar. Mesmo sem se dar conta, consideram Deus apenas um excelente meio para alcançar o bem-estar. Tais famílias vivem tão-somente preocupadas com sua própria fama e seu nome. Dedicam-se por inteiro à própria comodidade e ao prazer pessoal. 
 
Obtenção de benefícios
Este é o objetivo da maioria dos casamentos que se constituem, ainda que inconscientemente. É claro que há benefícios legítimos que Deus mesmo tem outorgado ao casamento, como a alegria de viver em companhia, o afeto, a felicidade, o deleite que proporciona o ato sexual, a alegria de pertencer a um núcleo familiar, a cobertura espiritual, a proteção, os filhos etc. 
 
A questão, porém, diz respeito a saber se é razoável fazer destes benefícios o propósito para a família. Mais adiante, durante o desdobramento deste texto, veremos que a resposta não é tão simples quanto parece. Diante de nossas limitações, não é difícil concluir que a família só pode experimentar a verdadeira vida plena se adotar os padrões de Deus como conduta e a glória do Senhor como objetivo. ?Porque dele, e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém? (Romanos 11.36). 
 
E há motivos de sobra para depositarmos no Pai nossa inteira confiança. Pense bem: Deus é o Criador da família. Ele criou todas as coisas, fez o homem e a mulher e os uniu em casamento. E instituiu o casamento para todas as gerações. Como Autor da vida, é Ele quem dá os filhos aos casais. Deus também é Dono da família. Tudo que foi criado pertence a Deus. Portanto, a família lhe pertence. ?Do Senhor é a terra e a sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam? (Salmos 24.1).
 
Sendo o Criador, o Dono e o Sustentador da família, é natural que o Pai celestial tenha um propósito para ela, assim como ele reserva um plano para todas as criaturas e para o universo, como um todo. Isto significa que também para os lares o Senhor traçou uma meta. ?(...) nele (...) também fomos feitos herança, havendo sido predestinados conforme o propósito daquele que faz todas as coisas segundo o conselho da sua vontade? (Efésios 1.11). 
 
Nem sempre a idéia de submeter a família ao plano de Deus agrada. Há quem prefira determinar os próprios rumos, desprezando a vontade e a autoridade que o Senhor exerce em amor. No entanto, quando nos conscientizamos de que a família existe para a glória daquele que a criou, a conseqüência natural é a felicidade e o bem-estar ? que constituem os acréscimos, não o propósito central. O fim supremo da família é a glória de Deus. ?Mas buscai primeiro o seu Reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas? (Mateus 6.33). 
 
Entender este propósito de Deus para a família é fator fundamental para a compreensão da importância de mantê-la viva ? afinal, a grande mensagem da Ressurreição é a vida. Há perguntas cuja resposta é crucial para a saúde do lar. Para que Deus instituiu o casamento? Por que deu uma esposa a Adão? Para que fez homem e mulher uma só carne? 
 
Deus tem um propósito eterno: desde antes da fundação do mundo, determinou ter uma família com muitos filhos se melhantes a seu Filho Jesus. "Porque aqueles que antes conheceu, também os predestinou para que fossem feitos conforme à imagem de seu Filho, para que Ele seja o Primogênito entre muitos irmãos" (Romanos 8.29). Boa parte dos problemas enfrentados pela família ocorre em função da falta de disciplina em relação aos projetos do Senhor para as vidas de seus filhos "Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; e nos predestinou para sermos filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade"  (Efésios 1.4-5). 
 
A família existe em função do propósito eterno de Deus, para cooperar com sua realização. Deus quer ser pai de uma grande família. Malaquias afirma o propósito de Deus ao fazer do homem e da mulher "uma só carne", quando diz: "E não fez Ele somente um, ainda que lhe sobejava espírito" E por que somente um? 
 
Não é que buscava descendência piedosa?
 
"Portanto guardai-vos em vosso espírito, e que ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade? (Malaquias 2.15). 
 
Não foi Adão quem quis ter uma família, mas Deus deu aos homens a capacidade de se multiplicar e ter filhos. E aprouve a Deus gerar, a partir desta descendência, muitos homens e muitas mulheres que se tornaram filhos por meio de Jesus Cristo. ?Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idônea? (Gênesis 2.18). Deus não deu ao homem uma simples companheira, mas uma ajudadora idônea, para que neles e através deles pudesse realizar seu plano.
 
Tenha sempre isto em mente: a família foi programada para Deus para cooperar com o propósito eterno do Senhor. E assim como a sepultura não foi capaz de impedir a realização deste propósito, também a família pode viver ainda hoje o milagre da Ressurreição. 
 
 
 
 
 
 
" SÓ SE FAZ A DIFERENÇA QUANDO VERDADEIRAMENTE SE TORNAM UMA SÓ CARNE "
08/09/2011 11:18
 Unidos para fazer a Diferença
 
Guilherme Falcão - Psicólogo e Pós-graduado em Teologia e Cícero Manoel Bezerra - Pastor em Altônia (PR) 
Revista Raio de Luz
O Casamento, pelo lado romântico, é a união entre dois corações, cujos mesmos sentimentos são exteriorizados, abertos, descobertos, de um para o outro. 
 
Na prática, entretanto, o casamento, é uma união, uma renúncia mútua do individualismo, que pode ser a renúncia de alguém, algum objeto ou até mesmo de um sonho não conquistado. Casamento é entregar-se para entender os desejos e suspiros de seu companheiro (a). 
 
Nossos defeitos familiares são claros e reais, precisamos identificá-los com sinceridade de coração, para que possamos tomar as devidas providências de maneira verdadeira. O apóstolo Paulo disse que aquele que não estiver apto para governar a sua casa, não está apto para governar nenhum dos encargos que Deus lhe atribuir. O marido neste contexto deve se voltar para a família com prioridade, porque o fortalecimento de sua vida pessoal vai depender de sua vida familiar, e só através de um relacionamento sincero e franco entre esposa e filhos é que iremos conseguir isso.
 
É importante viver cada instante de nossa vida sabendo apreciar tudo em nossa volta, como a natureza, as pessoas, os animais, enfim as coisas belas que a vida nos oferece. Temos que definir horários de trabalhar e horários de descansar, aproveitando ao máximo esses horários de lazer com a nossa família, tanto em nossa casa, quando em outros lugares realizando atividades lúdicas, tal como um Zoológico, uma Praia, um Parque, etc. Evitando passar grandes períodos diante de uma televisão ou de um computador. É necessário colocar as conversas em dia. Aproveite o tempo livre, para viajar, ou excursionar. É necessário que a família tenha um lazer aprazível.
 
O Amor é como uma plantinha que precisa ser cuidada todos os dias, o homem e a mulher precisam se cuidar mutuamente, todos os dias. Precisamos nos relacionar abertamente um com o outro, sempre procurando um bom diálogo, expressando carinho, amor, compreensão, respeito, confiança e paciência na vida conjugal. Sem a comunicação, fica difícil o relacionamento, porque isso irá acumular mágoas e dissabores para toda a família.
 
Se não houver sabedoria em uma crise prolongada, deve-se pedir ajuda pastoral, para que se evite uma separação. Por outro lado, muitos casais conseguem superar estas fases de modo a resgatar o gosto e o prazer da vida a dois, criando novas oportunidades de viver intensamente a vida como ela se apresenta.
 
O Relacionamento sexual muita das vezes é minado por raízes de amarguras, quando na verdade o ato sexual entre o casal, é benção de Deus para ser desfrutada. 
 
Reflita sobre isso, porque você pode ter uma família muito feliz e unida. É importante valorizar a família que você tem, porque se você não a valorizar, ninguém a fará.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
" FORMAR ADULTOS DE CARÁTER DIGNO COMEÇA NA INFÂNCIA "
09/09/2011 13:03
 A auto estima e a criança
Autor(a): Elizabete Bifano
 
 
 
Todos os dias os pais contribuem, positiva ou negativamente, para a formação da auto-estima dos filhos.
 
Auto-estima é a opinião e o sentimento que cada um tem por si mesmo; o crédito e a confiança que se tem de si mesmo. Ela anda de mãos dadas com o amor próprio.
 
Uma auto-estima baixa leva a pessoa a sentir-se insegura, temerosa, incapaz, inadequada, sem beleza alguma (mesmo que seja linda).
Não consegue acreditar que alguém possa amá-la. Não consegue dizer não, querendo sempre agradar, importando-se mais com os outros do que consigo mesma.
 
A auto-estima de uma pessoa é formada ao longo da vida. Portanto, passível de modificações, quando a pessoa se conscientiza sobre sua baixa auto-estima e busca ajuda e maneiras para aumentá-la.
 
Entretanto, a estrutura básica da auto-estima forma-se durante a infância. A maneira como a criança é recebida e aceita na família, a forma como é tratada e as palavras que lhe são dirigidas nos primeiros anos de vida são fundamentais para que a criança construa um bom conceito de si mesma. Se recebe um feedback positivo para sua existência e comportamento, terá mais facilidade para formar sobre si mesma uma boa opinião e um bom sentimento. Mas se for sempre negativo, a opinião e sentimento formado poderá ser de desqualificação.
 
Sendo assim, é de suma importância a participação dos pais na formação da auto-estima das crianças. Eis algumas sugestões do que os pais podem fazer.
Demonstrar alegria pela presença e participação da criança na vida familiar, ouvindo o que a criança tem a dizer, olhando e sorrindo para ela, respondendo pacientemente às suas perguntas.
 
Demonstrar amor diariamente, com abraços, beijos, carinho, colocando a criança no colo, colocando-a para dormir com um beijo de boa noite e orando junto com ela.
 
Dirigir-lhe palavras de elogio com freqüência, dizendo que ela é uma boa criança, que a ama, destacando mais o bom comportamento do que o mau comportamento, afirmando sua inteligência, capacidade de ajudar e de fazer as coisas, sua beleza interior. Dando-lhe nomes apreciativos como princesa, boneca, campeão, vencedor.
 
Levando-a a Cristo, falando para ela que Deus a ama e que ela é um presente de Deus.
 
 
 
 
 
 
 
 
" APRENDENDO A PASSAR PELAS INTEMPÉRIES DO MATRIMÔNIO "
10/09/2011 10:51
 AS QUATRO ESTAÇÕES DO CASAMENTO
 
Todos sabemos quais são as quatro estações do ano: Primavera, verão, outono e inverno.
A primavera é a estação das flores, o verão é a época do calor, o outono é a época das frutas e finalmente o inverno é a época do frio.
A Palavra do Senhor nos diz: "Tudo tem seu tempo determinado e há tempo para tudo debaixo do céu." (Ec 3.1).
Vejamos então como se apresentam as estações.
A Primavera
A característica mais marcante da estação é o reflorescimento da flora e da fauna. Muitos animais aproveitam a temperatura ideal da estação para se reproduzir.
Na Primavera matrimonial se reconhecerá essa estação quando chegar também o tempo de se reproduzir. "Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra" disse o Senhor (Gn 1.28).
Na primavera os dias ficam mais longos. Certamente isso poderá ser bem aproveitado: No livro dos Salmos 30:5 lemos : "...O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã".
Para os casais é sempre bom lembrar que depois do inverno a primavera há de chegar. Cantares de Salomão 2.11: "Porque eis que passou o inverno, cessou a chuva e se foi; aparecem as flores na terra, chegou o tempo de cantarem as aves, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira começou a dar seus figos, e as vides em flor exalam o seu aroma; levanta-te, querida minha, formosa minha, e vem".
O Verão
Suas principais características são dias longos e quentes (temperatura elevada), mas também possui dias geralmente chuvosos. Por possuir dias quentes, a tendência é acontecer evaporação da águas e com isso acontecer a precipitação, ou seja, a formação das nuvens de chuva.
No casamento o verão é muito importante. No amor é preciso calor e muita intensidade, mas é preciso ter cuidado com a precipitação, não podemos permitir que ela nos apanhe desprevenidos. Geralmente no casamento quem se precipita, tem sempre algo do que se arrepender.
O Outono
O outono é a estação que marca a transição entre o verão e o inverno. O outono é conhecido como a estação das frutas. Por ser uma fase de transição entre o verão e o inverno, o outono apresenta características de ambas as estações: redução de chuvas, mudanças bruscas no tempo, nevoeiros em algumas regiões.
Entre outras características do outono, podemos citar o fato dos dias e das noites terem a mesma duração. Devemos ter muito cuidado quando no casamento chegarmos à estação do outono para que não mergulhemos na "mesmice" e corramos o risco da monotonia.
No outono matrimonial será tempo de frutificar. Ezequiel 47:12 afirma: "Junto ao rio, às ribanceiras, de um e de outro lado, nascerá toda sorte de árvore que dá fruto para se comer; não murchará a sua folha, nem faltará o seu fruto; nos seus meses, produzirá novos frutos, porque as suas águas saem do santuário; o seu fruto servirá de alimento, e a sua folha, de remédio".
O Inverno
Inverno é a mais fria estação do ano. O inverno é caracterizado, principalmente, pelas baixas temperaturas. Durante a estação, várias espécies de animais, principalmente de pássaros, migram para outras regiões mais quentes.
Se no matrimônio o casal não está atento à chegada do inverno matrimonial, as coisas podem se complicar. Pois no inverno, quando o relacionamento é frio, e tudo parece cinza ao redor, é quando um dos cônjuges acaba por escolher "migrar" para outras regiões. Vai à procura daquilo que sente falta na relação matrimonial.
Outros animais, como ursos, hibernam no inverno, reduzindo grandemente sua atividade metabólica. Em muitas regiões, pode ocorrer a incidência de neve e geadas.
Geralmente no período do inverno matrimonial somos tomados por um instinto de "hibernar". É aquela estação de nossas vidas onde não desejamos realizações, falta-nos motivação suficiente para caminhar.
Quando o inverno matrimonial chegar será preciso estar muito atento. Provérbios 20:4 diz: "O preguiçoso não lavra por causa do inverno, pelo que, na sega, procura e nada encontra".
O inverno matrimonial é um tempo que requer do casal o andar juntinho. Em Eclesiastes 4:9,11 está escrito: "Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará?"
Essa é uma boa orientação para enfrentar o inverno matrimonial.
Antonio Vivaldi (1678- 1741), padre veneziano contemporâneo de Bach, que nos legou belas composições, descreveu as melodias das estações no concerto "As Quatro Estações".
"As Quatro Estações", a peça mais famosa de sua obra, faz parte de 12 concertos denominados O diálogo Entre a Harmonia e a Criatividade. "Nessa série, se acentua a tendência ao sentido pitoresco que resulta na tentativa de se expressar, musicalmente, fenômenos da natureza ou sentimentos, como a primavera, o verão, o outono e o inverno.
O que dizer das quatro estações de Vivaldi? Fantástico. Apliquemos contudo o título de sua obra ao casamento.
Primeiro o Diálogo - Sabemos que diálogo é uma conversação estabelecida entre duas ou mais pessoas. O Outono (estação do ano) é o exato diálogo do Verão com o Inverno. Com isso reconhecemos aqui a importância do diálogo também nas estações do matrimônio.
Deus propôs para o casamento o diálogo: "Não é bom que o homem esteja só" (Gn 2.18). Se Deus desejasse que a vida fosse um MONÓLOGO, Deus permitiria ao homem viver sozinho.
O diálogo entre o Marido e a Mulher, ou a falta dele, afetarão diretamente o diálogo e o relacionamento do casal com Deus. Vejamos: "Igualmente vós, maridos, coabitai com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais fraco; como sendo vós os seus co-herdeiros da graça da vida; para que não sejam impedidas as vossas orações" (1Pedro 3.7).
Em segundo lugar a Harmonia - Em se tratando de música, e disso entendia Vivaldi, a harmonia é o campo que estuda as relações. Para que a música seja harmônica você deve obedecer a uma série de normas.
No casamento não é diferente, é preciso um cuidado profundo nas relações, para não prejudicar a harmonia.
Na música a função principal do sistema tonal é a tônica. A questão toda se resume na tônica ou seja, na aproximação (dominante) e afastamento (subdominante).
No casamento precisamos, para uma boa construção harmônica, considerar a "dominante".
Efésios 5.22 - Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor;
Efésios 5.25 - Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela.
Analisado essa regra harmônica, e respeitada a "tônica" que nos foi colocada, não há como desafinar na relação marido e mulher.
Por último a Criatividade - Um dos principais 'combustíveis' para a criatividade é a imaginação. Pessoas criativas estão sempre dispostas a enxergar novas possibilidades e buscar novas relações entre as coisas.
A criatividade se apresenta através de duas linhas de raciocínio: o divergente e o convergente.
 
 
 
 
 
 
" CASADOS COM O PROPÓSITO DE AGRADAR A DEUS "
11/09/2011 13:53
 Até que a morte os separe 
Casar é fácil. Difícil é permanecer casado e viver feliz em meio à rotina do casamento.Nossas atitudes devem revigorar a chama da felicidade , trazendo luz e calor nos momentos de frieza e nas horas escuras das dificuldades. Mas, na prática, acontece o inverso.
Muitos se casam por motivações erradas: ter direito de usufruir do sexo ilícito, fugir dos problemas familiares, sair da tutela e vigilância de pais opressores, ter uma pessoa com quem compartilhar despesas, dar nome a um filho indesejado, satisfazer as exigências da sociedade, ser dono do próprio nariz, encontrar a felicidade.
No entanto, ainda que sua escolha tenha acontecido por razões incompatíveis com o amor, separar-se nunca é a melhor solução. Não desista! Erros passados não anulam o direito de ser e de fazer o outro feliz. "E serão os dois uma só carne e, assim, já não serão dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou, não o separe o homem (Marcos 10:8,9).
Separação nunca foi e jamais será o plano de Deus. Divórcio só acontece por causa da dureza do coração do homem. "Disse-lhes ele [Jesus]: Moisés, por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, ao princípio, não foi assim" (Mateus 19:8).
É a dureza do coração irreconciliável que aventa a possibilidade da separação. O divórcio sempre promete mais do que produz. Em vez de estimulada com palavras e atos irracionais, a separação deve ser banida do relacionamento a partir do perdão e da tolerância.
Antes do divórcio, o Altíssimo ensina acerca do perdão, da reconciliação, do amor e da paz. Por causa da dureza do coração, a misericórdia de Deus tolera a separação. No entanto, a vontade absoluta do Senhor é frustrada com o divórcio. Jesus gostaria que o casamento jamais chegasse ao fim.
A separação quebra a união feita na presença do Senhor. O rompimento desse pacto traz resultados drásticos, tanto para o casal como para os filhos e os parentes. As feridas abertas enfrentam uma longa e dolorosa jornada para a cura.
O casamento é um pacto de fidelidade pelo qual ambos os cônjuges prometem viver lado a lado na alegria e na tristeza, na fartura e na pobreza, na saúde e na doença, na juventude e na velhice; fiéis um ao outro nos melhores e nos piores momentos. O que diz a Palavra do Senhor? "Não quebrarei o que saiu dos meus lábios" (Salmo 89:34).
Lute pelo seu casamento, independente da pessoa com a qual você se uniu. Não perca a esperança. Nada é impossível para Deus. Ele é o Todo-poderoso que pode curar a sua dor, sarar as suas feridas e arrancar o veneno de seu coração. Se Ele quiser, pode operar algo inesperado, e trazer a solução.
Não queira operar o milagre que somente Deus pode fazer. Não há nada que Ele não possa executar. O Criador tem poder para tirar você de um lugar de infelicidade e colocá-lo num palácio maravilhoso, onde reinam o amor, a paz, a alegria de um coração feliz, amável, perdoado e perdoador. 
 
 
 
 
 
 
" VIVA CRISTO E SEU AMOR EM FAMÍLIA NO DIA QUE SE CHAMA HOJE "
12/09/2011 10:02
 SE O AMANHÃ NÃO VIER...
"Se eu soubesse que essa seria a última vez que eu veria você dormir,  
 
Eu aconchegaria você mais apertado e rogaria ao Senhor que protegesse você.
 
Se eu soubesse que essa seria a última vez que eu veria você sair pela porta,
 
Eu abraçaria, beijaria você e a chamaria de volta  
 
Para abraçá-la e beijá-la uma vez mais.  
 
Se eu soubesse que essa seria a última vez que eu ouviria a sua voz em oração,
 
Eu filmaria cada gesto, cada palavra sua,
 
Para que eu pudesse vê-la e ouvi-la de novo, dia após dia.  
 
Se eu soubesse que essa seria a última vez,
 
Eu gastaria um minuto extra ou dois, para parar e dizer: 
 
EU TE AMO, ao invés de assumir que você já sabe disso.
 
Se eu soubesse que essa seria a última vez,  
 
Eu estaria ao seu lado, compartilhando do seu dia, ao invés de pensar:  
 
'Bem, tenho certeza de que outras oportunidades virão. Então eu posso deixar passar esse dia.'  É claro que haverá um amanhã para se fazer uma revisão.  
 
E nós teríamos uma segunda chance para fazer as coisas de maneira correta.  
 
É claro que haverá outro dia para dizermos um para o outro:
 
'EU TE AMO', e certamente haverá uma nova chance de dizermos um  para o outro: 'Posso te ajudar em alguma coisa?'  Mas, no caso de eu estar errado, e hoje ser o último dia que temos juntos, eu gostaria de dizer-lhe  O QUANTO EU  AMO VOCÊ!" 
 
Espero que nunca nos esqueçamos disso!
 
O dia de amanhã não está prometido a ninguém, seja ele jovem ou velho. E hoje pode ser sua última chance de segurar bem apertado a mão da pessoa que você ama.  Se você está esperando pelo amanhã, por que não fazer hoje? Porque se o amanhã não vier, você, com certeza, se arrependerá pelo resto de sua vida de não ter aproveitado aquele tempo especial com um sorriso, um abraço ou um beijo. Tudo porque você estava 'muito ocupado' para dar àquela pessoa o que acabou sendo o último desejo que ela queria. Então, abrace o seu amado, a sua amada, o seu filho, a sua filha HOJE. E dê esse abraço bem apertado.  Sussurre no seu ouvido, dizendo o quanto você o(a) ama e o quanto o(a) quer junto de você. Gaste um tempo para dizer: 'Desculpe-me'; 'Por favor'; 'Me perdoe'; 'Obrigado'; ou ainda, 'Não foi nada'; 'Está tudo bem'.  Isso porque, se o amanhã jamais chegar, você não terá que se arrepender pelo dia de hoje. Pois o passado não volta e o futuro talvez não chegue.  Papai, mamãe, marido e esposa: parem agora por alguns minutos e reflitam sobre essa mensagem. E pratiquem-na!
 
Lembrem-se, amor em família é uma arte, um malabarismo, por vezes um heroísmo: essencial como o ar que respiramos.

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!