" DEUS NÃO REQUER DE NÓS A PRÁTICA DE RITUAIS MORNOS E FRIOS, MAS SIM, A PRÁTICA DE UM AMOR FERVOROSO DERRAMANDO AO PRÓXIMO PROVENIENTE DA ÚNICA FONTE ETERNA, QUE É ELE. " - Quarta Feira

01/04/2015 06:45
O QUE DEUS REQUER DE NÓS
“Ele te declarou, ó homem, o que é bom e que é o que o Senhor pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia...”   Mq 6.8
 
A corrupção andava garbosa no reino de Judá, desembocando na inversão de valores morais, na degradação da família, na caotização da sociedade e 
na mercantilização da religião.
 
 O profeta Miquéias ergue a sua voz em nome de Deus e diz o que Deus requeria do povo. 
 
A primeira coisa que Deus exigiu foi a prática da justiça. 
 
Os ricos estavam explorando os pobres. 
 
Os juízes estavam dando sentenças por suborno. 
 
Os profetas pregavam por dinheiro. 
 
Os sacerdotes estavam rendidos à corrupção.
 
No comércio a busca do lucro a qualquer custo predominava. 
 
Balanças falsas e bolsas com pesos enganosos eram o símbolo da corrupção que havia enfiado seus tentáculos em todos os setores econômicos. 
 
A injustiça predominava nos palácios e nas cortes, no templo e dentro das famílias. 
 
O povo tentava esconder suas práticas pecaminosas debaixo do verniz de uma religião vazia, mas Deus proclama que quer justiça e não um culto divorciado da vida. 
 
Quer misericórdia e não opressão.
 
A misericórdia vai além da justiça, pois se a justiça concede ao próximo o que a lei exige, a misericórdia dá a ele o que o amor estabelece. 
 
A única maneira de se ver a prática da justiça e o amor à misericórdia é andar humildemente com Deus. 
 
A piedade é a base da justiça e a motivação da misericórdia.
Referência para leitura: Miquéias 6.1-8