"VERDADEIRO ENCONTRO COM JESUS"

30/06/2011 10:42

 As experiências genuínas espirituais têm resultados diferentes

 

A visão da beleza das coisas divina causará verdadeiros desejos pelas coisas de Deus.  Os desejos que vêm desta visão da beleza de Cristo são desejos naturais livres, como um bebê desejando leite. Porque estes desejos são tão diferentes das suas falsificações, eles ajudam à distinguir a genuína experiência da graça de Deus da falsa.

As falsas experiências espirituais têm a tendência de causar orgulho, que é um pecado especial do diabo.

"Não neófito,para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do

diabo"(1 Timóteo 3:6).  O orgulho é um resultado inevitável  das experiências espirituais falsas, embora elas sejam freqüentemente cobertas com um disfarce de grande humildade.

A experiência falsa é enamorada com si própria e cresce assim. Ela vive da própria exibição de um jeito ou outro. Uma pessoa pode ter um grande amor por Deus, e ser orgulhosa da grandeza de seu amor.

Ele pode ser muito humilde, e deveras orgulhoso de sua humildade.

Mas, as emoções e experiência que vêm da graça de Deus são exatamente opostas. A verdadeira obra de Deus no coração causa humildade. Elas não podem causar qualquer tipo de exibicionismo ou auto-exaltação. A percepção da terrível, santa, e gloriosa beleza de Cristo mata o orgulho e humilha a alma. A luz da amabilidade de Deus, e esta somente, mostra à alma sua própria vileza. Quando uma pessoa entende isto, inevitavelmente começa um processo de fazer Deus maior e maior, e ele mesmo menor e menor.

Outro resultado da graça de Deus operante no coração é que a pessoa odiará cada mal e reagirá a Deus com um coração e uma vida santa. As experiências falsas podem causar uma certa quantia de zelo, e até muito do que é comumente chamado religião. Contudo, não é um

zelo pelas boas obras. Sua religião não é um serviço de Deus, mas antes um serviço próprio.

Isto é como o apóstolo Tiago o coloca neste mesmo contexto, "Tu crês que há um só Deus; fazes bem. Também os demônios o crêem, e estremecem. Mas, ó homem vão, queres tu

saber que a fé sem as obras é morta?" (Tiago 2:19,20) Em outras palavras, os feitos, ou boas obras, são evidências de uma genuína experiência da graça de Deus no coração. "E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade". (1 João 2:3,4) Quando o coração tem sido encantado pela beleza de Cristo, como poderia

responder de outra forma?