" PAZ E VIDA"

19/06/2011 06:46

                                           O dispensar do Deus Triúno

 

                                            SALMO 133

 

"Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos!

E como o óleo precioso sobre a cabeça, o qual desce para a barba, a barba de Arão, e desce para a gola de suas vestes.

E como o orvalho do Hermom, que desce sobre os montes de Sião. Ali, ordena o Senhor a sua bênção e a vida para sempre".

Essas palavras foram escritas há quase três mil anos pelo rei Davi e, hoje, são tão conhecidas e apreciadas pelos cristãos de todo o mundo. Esse Salmo é cantado nas mais variadas melodias  e  memorizado  por  muitos.  Mas

 

Um filho adotado pode receber o nome do pai adotivo, mora em sua casa, mas não tem o seu sangue, a sua vida. Quanto aos que receberam o Senhorjesus, o Novo Testamento é muito claro, mostrando que os que nasceram de Deus são participantes da natureza divina. Em João 1:12-13 é dito que fomos feitos filhos de Deus, não por termos nascido da vontade da carne nem da vontade do homem, mas por termos nascido de Deus. A Segunda Epístola de Pedro 1:4 declara que somos "co-participantes da natureza divina". É maravilhoso termos tal relação de vida com Deus!

A filiação não consiste apenas em sermos feitos filhos de Deus, participando de Sua vida e natureza, mas também implica em sermos Seus herdeiros. Romanos 8:17 diz: "Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados". Sermos herdeiros significa que podemos receber e herdar todas as riquezas do Pai. Essas riquezas incluem a própria pessoa do

que o mundo conheça que tu me enviaste" (vs. 22-23). Essa expressão coletiva de Deus na unidade é prefigurada no Antigo Testamento pelo candelabro de ouro, que possuía sete hastes, mas era feito de uma única peça de ouro, trabalhada a golpes de martelo (Êxodo 25:31). Seria mais fácil fazer as hastes separadamente e, então, soldá-las. Mas o princípio de Deus é preservar a unidade.

Por sermos filhos de Deus, somos chamados de irmãos. Nesse ambiente, onde todos somos irmãos, não háhierarquia, não há postos ou posições especiais. Cristo é tudo e em todos: "Viverem unidos os irmãos!", juntos, em harmonia! Isso é produzido pelo dispensar de Deus Pai.

Amar a filiação

Quando vamos a Efésios l:3-6a, vemos o resultado do dispensar do Pai: Deus nos escolheu antes da fundação do mundo e em amor nos predestinou para a filiação. Não somos filhos adotivos de Deus, e, sim, Seus filhos legítimos!

e, ainda em vida, os separou de seu filho Isaque, enviando-os para a terra oriental". Porém, no versículo 5, vemos que Abraão deu tudo o que possuía a Isaque". Isaque herdou todas as terras, casas, gado, dinheiro e servos de Abraão.

E, como se não bastasse, as bênçãos terrenas ainda não são tudo; há ainda a bênção celestial. A promessa que Deus fizera a Abraão de ter uma descendência tão numerosa como a areia na praia do mar e como as estrelas dos céus (Gn 22:17) foi transferida a Isaque. Isaque recebeu as bênçãos terrenas e celestiais porque estava na linha que Deus queria. Abraão teve muitos filhos, mas somente a Isaque deu tudo o que possuía.

Jacó amou a primogenitura e lutou para alcançá-la

Continuando na mesma linha da filiação, a Bíblia nos dá o exemplo de Jacó, que amou a primogenitura e lutou para alcançá-la.

Quando consideramos a respeito da experiência dos filhos de Isaque - Esaú e Jacó

Pai, tudo o que Ele é, tudo o que Ele tem, tudo o que Ele fez, está fazendo e ainda fará. Tudo isso é a herança que receberemos. Quão elevada é a filiação! Assim vemos que igreja é a reunião dos que receberam a filiação.

Crescer em vida para receber a herança

No Antigo Testamento há alguns exemplos que prefiguram bem a questão da filiação e da condição para receber a herança do Pai.

O primeiro é o exemplo de Abraão e Isaque. O livro de Génesis nos mostra que, além de Isaque (filho de Abraão e Sara - Gn 21:3) e de Ismael (filho da concubina Agar - Gn 16:15), Abraão teve mais seis filhos com outra mulher (Quetura - Gn 25:1-2), os quais somados a Eliézer, filho adotivo de Abraão (Gn 15:2), totalizam nove filhos.

Abraão teve nove filhos, mas só um herdou suas riquezas. Génesis 25:6 diz: "Porém aos filhos das concubinas que tinha, deu ele presentes

profissional, na vida familiar, os divertimentos do mundo, a falsa segurança das riquezas, a posição social, e até mesmo a religião podem ser "pratos de lentilhas" que sutilmente nos afastam das bênçãos do nosso Pai celestial.

Por amar a primogenitura, Jacó se sujeitou a suportar toda sorte de sofrimentos. Sofreu no deserto, a caminho da casa do tio; e na casa de Labão sofreu por vinte anos. Estas foram suas palavras ao tio depois daquele período: "Eu andava, de dia consumido pelo calor, de noite, pela geada; e o meu sono me fugia dos olhos. Vinte anos permaneci em tua casa; catorze anos te servi por tuas duas filhas e seis anos por teu rebanho; dez vezes me mudaste o salário" (Génesis 31:40-41).

Graças ao Senhor! Jacó foi amadurecendo pouco a pouco. Depois de passar por tantas situações de sofrimento, ele pôde abençoar a Faraó, que era o rei mais poderoso daquela época. Por que Jacó pôde fazê-lo? Porque estava maduro. Ele recebera a primogenitura e pôde representar Deus com tamanha honra.

—, se nos ressalta um fato curioso. Não conseguimos encontrar nenhum defeito moral em Esaú. Ele era trabalhador, caçava e preparava pessoalmente comida para seu pai, e, por isso, era amado por Isaque (Gn 25:28; 27:7). Quanto a Jacó, este era um suplantador — significado do seu nome em hebraico. Ele agiu de má-fé para com seu irmão (Gn 25:29-33), mentiu para o pai (Gn 27:24) e enganou o tio (Gn 30:37-43). Além de ter forçado seu irmão a vender-lhe a primogenitura, Jacó lhe roubou a bênção de seu pai.

Que há de bom em Jacó? Mas, que diz Deus a respeito dele? "Amei a Jacó, porém me aborreci de Esaú" (Romanos 9:13). Por que Deus amou a Jacó e se aborreceu de Esaú? Porque Jacó amou a primogenitura, ao passo que Esaú a desprezou (Génesis 25:31, 34b). Esaú vendeu sua primogenitura por um prato de lentilhas e, mais tarde, arrependeu-se amargamente.

O mundo está cheio de "pratos de lentilhas" tentando usurpar nosso desfrute da rica bênção que  Deus nos tem preparado.  Na carreira

graças a Deus pela Sua infinita sabedoria, vemos aqui outras fortes indicações da Pessoa do Filho por meio de algumas palavras-chave. E quais seriam essas palavras-chave?

A unção é para o cumprimento de uma incumbência

Inicialmente, vemos o óleo precioso, o óleo da unção (Êxodo 30:22-25). Na Bíblia, ser ungido com óleo implica comissionamento para cumprir uma incumbência ou ministério dado por Deus. No Antigo Testamento, duas classes de pessoas eram ungidas com óleo para cumprir um ministério: os reis e os sacerdotes. No Salmo 133 vemos esse óleo derramado sobre a cabeça de Arão, o sumo sacerdote do povo de Israel.

Sabemos que Arão é um tipo do Senhor Jesus. Ele era o sumo sacerdote que oferecia sacrifícios como propiciação pelos pecados do povo de Israel. O Senhor Jesus é o sumo sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque, um sacerdócio superior e eterno (Hebreus 5:5-6; 7:11;

Receber herança é o resultado do crescimento de vida. Uma criança não pode receber uma herança. É necessário que cresça e complete a maioridade para recebê-la. Esse é o verdadeiro significado da filiação: tornar-se um filho de Deus, participando de Sua natureza divina, e crescer em vida para receber a rica herança que Deus Pai nos tem preparado.

Quão rico é o resultado de Deus dispensar-se a nós! Sua escolha e predestinação são para a nossa filiação. Nós, que temos recebido essa filiação, não vamos, por nenhum preço, vender nossa primogenitura. Assim, podemos repetir do fundo do coração: "Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos!".

 

2. O DISPENSAR DE DEUS FILHO

 

O versículo dois nos fala do dispensar de Deus Filho. Aqui, mais uma vez, não encontramos, à primeira vista, palavras que nos indiquem diretamente o segundo da trindade, tais como "Deus Filho", "Senhor" ou "Cristo". Mas,

Espírito Santo, e nos dias do Pentecostes e da visita de Pedro à casa de Cornélio, Seu Corpo foi ungido com esse mesmo Espírito. Nós, membros do Corpo de Cristo, somos identificados com a Cabeça. Que maravilhoso! Pelo simples fato de termos sido feitos membros desse Corpo, estamos sob a mesma unção (1 Coríntios 12:13).

Todavia, não devemos esquecer de que a unção é para o cumprimento de uma incumbência. O Senhor Jesus, antes de ser batizado, já tinha o Espírito Santo, pois Ele fora gerado do Espírito Santo (Mateus 1:18) e era o próprio Deus na terra. Contudo, para iniciar Seu ministério terreno, Ele ainda necessitava ser ungido com o Espírito de poder. A partir daí Ele começou a pregar o Reino, curar doentes, expulsar demónios, ressuscitar mortos e falar com autoridade a palavra de Deus.

Da mesma maneira, os discípulos já tinham recebido o Espírito Santo como vida em seu interior, ao cair da tarde do dia da ressurreição do Senhor (João 20:19-22), mas somente no dia de Pentecostes, isto é, cinquenta dias depois, é que o

8:1). O Senhor Jesus ofereceu um sacrifício único e perfeito pelos pecados de todos os homens, sendo Ele mesmo o verdadeiro sacerdote, a verdadeira oferta e o verdadeiro tabernáculo.

O óleo, na Bíblia, sempre se refere ao Espírito Santo. Assim como Arão foi ungido com óleo para cumprir um ministério recebido de Deus, também o Senhor Jesus foi ungido com o Espírito Santo antes de iniciar Seu ministério nesta terra. Ao atingir a idade de 30 anos, Jesus foi batizado por João Batista e, ao sair da água, o Espírito Santo desceu, sobre Ele, ungindo-O para o ministério. "Agora, com efeito, obteve Jesus ministério tanto mais excelente, quanto é Ele também Mediador de superior aliança" (Hebreus 8:6).

"E como o óleo precioso sobre a cabeça" (Salmo 133:2). O óleo que foi derramado sobre a cabeça de Arão desceu para a gola de suas vestes sacerdotais, isto é, o óleo que ungiu a cabeça desceu, ungindo todo o corpo. Cristo é a Cabeça; a igreja é o Corpo (Colossenses 1:18). No dia do Seu batismo, o Senhor Jesus foi ungido pelo

Como vimos, o óleo precioso derramado sobre a Cabeça, desceu ungindo todo o Corpo. Isso coloca a nós, membros do Seu Corpo, sob a mesma unção; portanto, comissiona-nos neste mesmo ministério. Efésios 4:12 nos diz que a "obra do ministério" é "para a edificação do corpo de Cristo" (Almeida - VRC). O Senhor nos pôs a todos neste ministério para a edificação do Corpo de Cristo, para o cumprimento do propósito de Deus. Por isso, não devemos ser passivos na vida da igreja; temos a primogenitura e a comissão do Senhor para nós. Como membros vivos do Corpo de Cristo, todos devemos funcionar nas reuniões da igreja, sempre visando a edificação do Corpo de Cristo (1 Coríntios 14:26; Efésios 4:15-16).

Não podemos deixar de nos prostrar diante de Deus e adorá-Lo pelo Seu rico dispensar para nós. Dispensar tudo o que o Deus Triúno é, tudo o que Ele tem, tudo o que Ele realizou e obteve, é o princípio pelo qual Deus realiza Seu plano eterno. E aí está a base do relacionamento de um cristão com Deus: um cristão é alguém que está sempre

Espírito Santo veio sobre eles como poder e autoridade (Atos 2:1-4), capacitando-os para cumprir a grande comissão do Senhor para a Sua igreja, registrada em Mateus 28:19, 20.

Arão foi ungido para ser sacerdote. O sacerdote é alguém que leva as pessoas a Deus. Nós também fomos feitos sacerdotes (Apocalipse 1:6; 1 Pedro 2:9) e, como tais, devemos viver de maneira absoluta para Deus, devemos oferecer a nós mesmos como holocausto a Deus. Nossa vida tem valor, pois vivemos para o cumprimento do propósito eterno de Deus.

Na vida que recebemos, quando cremos no Senhor Jesus, temos a comissão de levar a cabo a economia de Deus do Novo Testamento, isto é, dar cumprimento ao Seu propósito nesta era. Para isso há o ministério (1 Timóteo 1:12). Mais uma vez o Salmo 133 e Efésios 1 se completam para nos revelar a respeito do dispensar de Deus. Efésios 1:7 nos revela a obra do Deus Filho: a redenção; e o Salmo 133:2 nos mostra que o dispensar do Filho é para o ministério.

Em Gálatas 3:14 Paulo nos diz que a bênção que o Senhor prometera a Abraão, a qual é o Espírito, chegou aos gentios. Além disso, em João 6:63, o Senhor Jesus disse que as Suas palavras "são espírito e são vida". As palavras provenientes do Senhor são a corporificação do Espírito que dá vida. Ele, agora, é o Espírito que dá vida (1 Coríntios 15:45) em ressurreição, e o Espírito está corporificado em Suas palavras. Quando recebemos Suas palavras, exercitando o nosso espírito, ganhamos o Espírito, que é vida.

Em outras palavras, a bênção que o Senhor envia é o Espírito, e "a vida para sempre" também é o Espírito! Assim, vemos que o versículo 3 nos fala do dispensar do Espírito.

"É como o orvalho do Hermom, que desce sobre os montes de Sião". Sião é o lugar que o Senhor escolheu. Diz o Salmo 132:13: "Pois o. Senhor escolheu a Sião, preferiu-a por sua morada". Aqui vemos que só há um lugar para o povo de Deus servi-Lo e receber Dele a bênção e a vida para sempre. Esse lugar é Sião, um tipo da igreja (Deuteronômio 12:4-8, 13-14).

recebendo o dispensar do Deus Triúno (Pai, Filho e Espírito). Dessa maneira, recebemos não somente a filiação, mas também temos o ministério e iremos reinar com Cristo. Temos de ser controlados por essa visão de três aspectos: filiação, ministério e reino. Se ainda estivermos cheios do nosso homem natural, Deus não pode encarregar-nos a obra do ministério. Assim não haverá edificação nem vencedores. Um vencedor é alguém cuja alma está totalmente saturada do Espírito Santo. Como seremos vencedores? Com a nossa vida totalmente amadurecida, que é o resultado de receber o dispensar de Deus e andar em espírito.

 

3. O DISPENSAR DE DEUS ESPÍRITO

 

Voltemos, agora, para o Salmo 133:3. Embora não encontremos aqui a palavra "Espírito", vemos que "Ali ordena o Senhor a sua bênção e a vida para sempre". Que bênção envia o Senhor para o Seu povo? E a bênção prometida desde o princípio a Abraão, quando Deus o chamou para fora da sua terra (Génesis 12:3).

o Espírito vindo a nós como orvalho. O orvalho desce sobre nós sem nos darmos conta disso. É algo tão suave! tão refrescante! tão agradável! O Espírito como o orvalho da manhã vem todos os dias até nós, regando-nos e refrescando-nos para enfrentarmos as dificuldades do dia. Se experimentamos o orvalho pela manhã, o sol quente não nos seca. Se recebemos o dispensar do Espírito pela manhã, desfrutando a palavra de Deus e orando no espírito, somos fortalecidos e revigorados para reinar em vida durante o dia (Romanos 5:17).

Em Efésios 1:14 vemos que o Espírito "é o penhor da nossa herança", ou seja, um antegozo, uma amostra, uma garantia da herança que herdaremos em plenitude, a qual é o próprio Deus. Deus nos dá o Seu Espírito Santo não apenas como uma garantia da nossa herança, mas também como um antegozo daquilo que herdaremos de Deus, permitindo-nos um desfrute antecipado da herança plena.

O resultado de o Espírito Santo vir até nós é sermos selados (Efésios 1:13). Ser selado com o

Além disso, como já vimos anteriormente, Efésios 1 é um "capítulo-irmão" do Salmo 133, pois ambos nos revelam o dispensar do Deus Triúno. Efésios 1:3-6a nos fala do dispensar de Deus Pai, os versículos 3b a 12 nos mostram a obra do Filho e os versículos 13 e 14 nos revelam o dispensar do Espírito. E, finalizando o capítulo, o apóstolo Paulo, após orar para que Deus nos conceda espírito de sabedoria e de revelação e ilumine os olhos do nosso coração, mostra-nos que o dispensar do Deus Triúno é para a igreja (vs. 22-23).

E como ocorre o dispensar do Espírito para nós? Pode ser como o soprar do Senhor (João 20:22) ou como um vento tempestuoso (Atos 2:2); pode ser como a chuva serôdia (Zacarias 10:1) ou como línguas de fogo (Atos 2:3). Porém, no Salmo 133, o dispensar do Espírito é diferente do de Pentecostes. Aqui o Espírito é como o orvalho. O orvalho desce todos os dias, antes do amanhecer. No dia de Pentecostes a situação exigia que o Espírito viesse como poder e autoridade sobre os discípulos e isso é eventual na nossa experiência. Entretanto diariamente necessitamos experimentar

montando cavalos brancos, com vestiduras de linho finíssimo, branco e puro. Sabemos que "o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos"; é assim que os vencedores estarão vestidos para a festa das bodas do Cordeiro (v. 8).

Se quisermos participar da festa das bodas, que irá durar mil anos, devemos ser os que seguem o Senhor e que se vestem de linho branco finíssimo. Nossa vestidura deve ser de linho finíssimo e não de folhas de figueira. Adão, quando pecou, procurou cobrir sua nudez com folhas de figueira, o que prefigura autojustificação, ou seja, o homem esforçando-se para justificar-se perante Deus. Precisamos que Deus seja a nossa justiça. Cristo derramou Seu sangue para cobrir nossos pecados; portanto, não nos vestimos com folhas de figueira, mas com a pele do Cordeiro (Génesis 3:21).

Além da veste de justiça objetiva que recebemos por crer no Senhor Jesus, ainda necessitamos da veste nupcial para podermos participar da festa do casamento de Cristo com a igreja (Mateus 22:1-14; Apocalipse 19:7-8). Essa veste é subjetiva, obtida por estarmos sempre

Espírito Santo significa ser marcado com esse Espírito como um selo vivo. Quando fomos salvos, Deus pôs o Seu Espírito Santo em nós como um selo para nos marcar, indicando que agora pertencemos a Ele.

Além disso, a nossa vida cristã é uma vida que todos os dias permite ao Espírito Santo nos selar. Selar significa que você concordou com algo, que aprovou algo. Ser selado é ser aprovado por Deus. Quando temos crescimento de vida, significa que o Espírito Santo nos tem selado bastante. O Espírito nos sela para que, cada vez mais, sejamos conformados à imagem do Filho de Deus. O resultado do dispensar do Espírito é que vamos sendo conformados à imagem do Filho. Quando somos selados, o elemento do selo é acrescentado a nós e vamos absorvendo o elemento divino.

Nosso pecado é como a escarlate (Isaías 1:18) e o selo do Espírito é branco. Quanto mais o Espírito nos sela, mais brancos, mais limpos ficamos. Apocalipse 19:11 -14 nos mostra o Senhor montado num cavalo branco, seguido de exércitos

debaixo do dispensar do Espírito. E em nosso viver diário que bordamos a nossa veste de justiça subjetiva para podermos nos encontrar com o Rei (Salmo 45:13, 14). Assim, podemos tornar-nos vencedores e reinar com o Senhor por mil anos (Apocalipse 20:4).

É maravilhoso vermos que o dispensar do Deus Triúno é para a igreja. Deus Pai se dispensa dando-nos a filiação para que vivamos na unidade, ou seja, na igreja. Deus Filho se dispensa ungindo-nos para o ministério de levar a cabo o plano de Deus nesta era, o que é realizado pela igreja, o Corpo de Cristo. Deus Espírito se dispensa como o orvalho da manhã refrescando-nos e fortalecendo-nos para vivermos uma vida de justiça; e nos sela sempre que somos aprovados por Deus. Assim, poderemos ser vencedores, e estaremos na festa das bodas do Cordeiro por sermos parte da Sua noiva, a igreja.

 

Postado por Elio Loiola