" O UNICISMO E SUAS HERESIAS VEM SE PROPAGANDO E SE INOVANDO CADA VEZ MAIS A CADA DIA QUE PASSA! VIGIAI E ORAI. "

27/10/2011 13:58

 

UMA ANÁLISE DO MINISTÉRIO A VOZ DA PEDRA ANGULAR

Por Paulo Cristiano

Até o momento, quase não existe material escrito sobre o ministério A Voz da Pedra Angular (VPA) e muito menos a respeito de seu fundador. Isso porque, até pouco tempo, tratava-se de um grupo sem muita expressão. Mas, hoje, a situação é bem diferente. O grupo já conta com inúmeros templos, fazendo-se presente em dezessete Estados brasileiros (especialmente em São Paulo) e em cerca de quinze países (especialmente no mundo hispânico). Seu desenvolvimento tem mostrado razoável índice de multiplicação.

O site oficial do ministério A Voz da Pedra Angular , cujo objetivo é causar impressão, apresenta-se com o pomposo nome de Missão Apocalíptica Internacional. Em alguns de seus livretes, constam locais e grupos representativos que realizam as reuniões em nome desse ministério, expressando-se por meio de nomenclaturas que se destacam pela inovação e heterogeneidade. Por exemplo: Igreja os Herdeiros de Deus, Associação Evangelística e Os Primogênitos de Deus, entre outras. 

Com a finalidade de alertar os leitores de Defesa da Fé, passaremos em revista os pontos mais salientes deste novo movimento. Falaremos, também, sobre seu fundador e a respeito de suas principais doutrinas e influências. 

Quem fundou o ministério VPA?

Foi Willian Soto Santiago, que instaurou sua igreja em 1974, em Porto Rico. Cada palavra desse líder é recebida como uma revelação divina pelos adeptos do grupo, os quais o denominam de o Anjo do Apocalipse. O mensageiro angelical que Jesus Cristo teria prometido em Apocalipse: “E disse-me: Estas palavras são fiéis e verdadeiras; e o Senhor, o Deus dos santos profetas, enviou o seu anjo, para mostrar aos seus servos as coisas que em breve hão de acontecer” (Ap 22.16). 
Justificam o título do ministério aludindo ao fato de Jesus ser a Pedra Angular (1Pe 2.6) e Willian Soto Santiago, supostamente, a voz dessa “pedra angular”: “Como podemos ver, esta não é uma obra humana; é uma obra divina prometida por Deus para ser realizada neste tempo; e está sendo realizada. Mas para realizar esta obra, Ele [Deus] tem de ter um homem, um profeta; e este é o anjo do Senhor Jesus Cristo prometido no Apocalipse 2.16, onde diz: ‘Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas’”. 

Nem tudo é original

Apesar de terem a Bíblia como base de crença, os adeptos do VPA consideram as revelações de William Soto Santiago como inspiradas por Deus. Seus ensinamentos são distribuídos gratuitamente por meio de livretes que focalizam, principalmente, o livro bíblico de Apocalipse. Dizem que “nenhuma pessoa poderá obter o conhecimento das coisas que devem acontecer, exceto pela Mensagem da Grande Voz de Trombeta [...] que é a voz de Jesus Cristo por meio de seu anjo”. 

Acreditam que, após a morte, as almas dos justos irão para a sexta dimensão, que, segundo eles, seria o paraíso. Pregam que existem dois corpos: um que denominam “corpo teofânico” e outro chamado “corpo espiritual transformado”. Crêem, ainda, que com a VPA Deus inaugurou a oitava Era da igreja, ou seja, a “Era da Pedra Angular”, ensinamento muito semelhante ao de um grupo conhecido como Tabernáculo da Fé. 

Na verdade, Willian Soto Santiago é dissidente do grupo Tabernáculo da Fé, fundado por William Marrion Branham. Entre outras coisas, Branham pregava contra a doutrina da Santíssima Trindade. Era modalista, ou seja, acreditava que o Pai, o Filho e o Espírito Santo eram a mesma pessoa. O grupo Tabernáculo da Fé, até hoje, batiza seus adeptos apenas em nome de Jesus. São aniquilacionistas, isto é, não crêem na sobrevivência da alma após a morte e não acreditam no inferno.

Quem foi Branham?

William Marrion Branham foi um pregador itinerante. Desde a infância, segundo dizem, sua vida foi rodeada por relatos de sinais miraculosos. Converteu-se pela pregação de um pastor batista. Desde então, dizia ter recebido um chamado para pregar entre os pentecostais unicistas. Alegava ter recebido o dom de cura e chegou a reunir milhares de pessoas em suas pregações realizadas em tendas, daí o nome Tabernáculo da Fé. Branham morreu em 1965, atropelado por um motorista bêbado.

Esse líder engrandeceu o seu nome ao colocar-se como profeta mensageiro da última Era da história do mundo. E dividiu essa história em sete dispensações ou idades. Segundo Branham, cada uma delas teria um profeta mensageiro; portanto, teria havido sete profetas mensageiros. 

Em um de seus livros, lemos: “Mas nos dias da voz do sétimo anjo, quando tocar a sua trombeta, se cumprirá o segredo de Deus, como anunciou aos profetas seus servos”. Mas qual seria o suposto “segredo de Deus?”.

A explicação do texto se segue: “Esta é uma profecia cumprida, pois os mistérios de Deus têm sido consumados mediante o ministério do irmão William Marrion Branham. Este profeta foi enviado por Deus para esta Era e tem pregado a mensagem que Deus lhe ordenou: a palavra pura de Deus tal qual saiu da boca dos profetas e apóstolos [...] O irmão Branham desafiou muitos líderes religiosos em diferentes ocasiões para mostrar ao povo o supérfluo de suas religiões”. 

A Bíblia, no entanto, nos afirma que o ministério dos profetas, segundo o perfil desse ministério no Antigo Testamento, encerrou-se com a vinda do Filho de Deus: 

“Havendo Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo” (Hb 1.1,2). 
“Porque todos os profetas e a lei profetizaram até João” (Mt 11.13). 

O dever do crente é olhar para Jesus e não para algum profeta ou mensageiro (Hb 12.1,2). 

A suposta supremacia de Willian Soto Santiago

Assim como no caso do Tabernáculo da Fé, a maior parte da base bíblica de Santiago e seus seguidores encontra-se, também, no livro de Apocalipse. Santiago conservou o mesmo esquema dispensacional de Branham com o pormenor de que ele (Santiago) inauguraria mais uma Era. A lista das Eras e suas datas, de acordo com Branham, é a seguinte:


 

LISTA DISPENSACIONALISTA SEGUNDO W. M. BRANHAM

Igreja (simbólica)

Era ou dispensação

Mensageiro

Éfeso
Esmirna
Pérgamo
Tiatira
Sardes
Filadélfia
Laodicéia

53-170 a.D.
170-312 a.D.
312-606 a.D.
606-1520 a.D.
1520-1750 a.D.
1750-1906 a.D.
1906-1977 a.D.

Apóstolo Paulo
Irineu
Martinho
Columba
Martinho Lutero
John Wesley
W. M. Branham

 

Diante disso, Santiago afirma que Branham o indicou como seu sucessor e que a mesma coluna de fogo que seguia Branham também o guia até hoje como sinal de confirmação de seu chamado celestial. Entretanto, declara que seu antecessor errou quando interpretou que a Era de Laodicéia terminaria em 1977. Afirma que a última dispensação, a oitava, é a do “Reino de Deus”, iniciada em 1977, e ele, Santiago, é o mensageiro escolhido desta última e mais importante Era. 

O que caracterizaria esta nova dispensação do reino seria o “fato” de que tudo se fez novo (Ap 22.5). Assim, Santiago posiciona-se acima de seu antecessor, que seria apenas a voz de um dos sete anjos mensageiros, enquanto ele seria a própria voz de Cristo – a Voz da Pedra Angular: “Santiago é a Voz de Cristo, não mais nas sete Eras, mas na Era da Pedra Angular, não por meio de um dos sete anjos mensageiros, mas mediante o Anjo do Senhor Jesus Cristo, o último profeta mensageiro...”. 

Com isso, Santiago acredita ter poder para criar bênçãos ou maldições sobre a vida das pessoas: “Essa Palavra criadora é colocada na boca do Anjo do Senhor Jesus Cristo [Santiago], que fala essas bênçãos sobre os filhos de Deus, e logo se tornam realidades, materializam-se...”. 

Logo, como não poderia deixar de ser, Santiago não possui nenhum crédito entre os membros do grupo Tabernáculo da Fé, que não aceitam a existência de sua oitava Era.

As setes igrejas da Ásia

As sete igrejas de Apocalipse já existiam na Ásia no tempo da perseguição do Império Romano. Por isso João escreveu a essas igrejas, para confortá-las. Essas igrejas não têm nada a ver com as dispensações da Igreja. Quando João escreveu às igrejas da Ásia, não falou nada a respeito dos sete ou oito mensageiros para cada uma delas. Muito menos disse que tais igrejas representavam sete Eras diferentes. Assim como havia um só revelador (Jesus), que deu a revelação completa para um só mensageiro (o anjo), que por sua vez testificou a um só profeta (João), há também uma só mensagem e revelação e não sete ou oito. 

Com isso, concluímos que os adeptos dos dois grupos (Tabernáculo da Fé e VPA) não conseguem discernir as verdadeiras igrejas das falsas, aquelas que não seguem o Novo Testamento. Esses dois grupos admitem uma corrupção geral da Igreja através das Eras e, por conta disso, se elegem restauradores da Igreja.

O anjo de Apocalipse 22

“E disse-me: Estas palavras são fiéis e verdadeiras; e o Senhor, o Deus dos santos profetas, enviou o seu anjo, para mostrar aos seus servos as coisas que em breve hão de acontecer” (v. 6).

Como já vimos, os adeptos da VPA afirmam que este anjo é a própria pessoa de seu fundador, William Soto Santiago. O próprio Santiago diz: “Este anjo é um homem, ou seja, um profeta...”. 

O ministério dos anjos é, sem dúvida, abundante no livro do Apocalipse, mas daí confundir a personalidade e o ministério de um anjo com a personalidade e o ministério de um profeta do século 21 é ultrapassar, em muito, o que está escrito. Tal anjo fez sua revelação ao profeta João há aproximadamente dois mil anos. Como poderia um homem que vive em pleno século 21 ser aquele mesmo anjo?

Em nenhum lugar na Bíblia diz que este anjo exerceria ministério profético nos dias em que vivemos. Esta afirmação é gratuita e destituída de provas bíblicas. Ladd (1980) considera que no epílogo em questão (v. 6-21) “não está claro quem está falando. Como não há no texto nenhuma indicação de mudança de sujeito, pode-se concluir que a voz é a do anjo que mostrou a nova Jerusalém a João (21.9, 15; 22.1). Neste caso, o versículo sete fica isolado como uma afirmação de Cristo: ‘Eis que presto venho: Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro’, e, portanto, não faz parte das palavras do anjo”. 

O corpo teofânico

“E lhe disse: Como é a sua figura? E disse ela: Vem subindo um homem ancião, e está envolto numa capa. Entendendo Saul que era Samuel, inclinou-se com o rosto em terra, e se prostrou” (1Sm 28.14).

O ministério VPA ensina que Samuel apareceu em um “corpo teofânico” da sexta dimensão. Pela Bíblia, porém, entendemos que, desobedecendo todas as ordens divinas contrárias à comunicação com os mortos, Saul, desesperado pelo fato de Deus não mais lhe responder nem por sonhos, nem por Urim, nem por profetas (v. 6), procurou uma pitonisa (médium). 

Durante toda a sessão, apenas a mulher viu algo e deu uma descrição vaga e imprecisa dos traços do espírito que falava com ela. Mas isso foi suficiente para que Saul se iludisse, pensando tratar-se de Samuel. 

O fato, porém, é que não há margem para um corpo teofânico, e muito menos para uma sexta dimensão. Saul perdera a graça de Deus (1Sm 15.23), por isso o Senhor não lhe respondia mais (1Sm 28.6). Não se pode entender que Samuel, um homem santo durante toda a sua vida, pudesse obedecer à pitonisa – mulher abominável – depois de morto, cometendo um pecado tão claramente proibido por Deus (Êx 22.18; Lv 20.27; Dt 18.19-12; Is 47.13).

Não se pode conceber que Deus tenha proibido a feitiçaria e a consulta aos mortos e, depois, Ele próprio permitisse que uma feitiçaria trouxesse de volta o espírito de Samuel (Tg 1.17), ainda que em outra dimensão. Os mortos não se comunicam com os vivos (Lc 16.19-31; Hb 9.27).

Em 1Samuel 28.13, a mulher diz: “Vejo deuses que sobem da terra”. Quem eram eles? Só podiam ser demônios, passando-se por espíritos de luz ou adivinhadores (2Co 11.13,14; Mc 5.9; Lc 8.30). O diabo pode transfigurar-se em anjo de luz (1Sm 16.23; 2Co 11.13,14). 

O resultado dessa consulta foi trágico para Saul (1Cr 10.13). De acordo com Deuteronômio 18.20-22, as profecias devem ser julgadas. E essas, do falso Samuel, não resistem ao exame. Foram ambíguas, imprecisas e infundadas. Vejamos: a) Saul não foi entregue nas mãos dos filisteus (1Sm 28.19), mas se matou (1Sm 31.4), e veio parar nas mãos dos homens de Jabes Gileade (1Sm 31.11-13); b) Não morreram todos os filhos de Saul – “tu e teus filhos estareis...” (1Sm 28.19), como insinua a obscura profecia. Ficaram vivos pelo menos três filhos de Saul – Is-Bosete (2Sm 2.8-10), Armoni e Mefibosete (2Sm 21.8). Apenas três morreram, como está registrado em 1Samuel 31.6 e 1Crônicas 10.2-6. 

A Bíblia nunca designou o paraíso para onde Cristo e o apóstolo Paulo foram como sendo uma sexta dimensão, pois nada consta a respeito desta expressão. Segundo a Palavra de Deus, o apóstolo fala somente sobre o “terceiro céu” (2Co 12.2-4). Além disso, a teofania é o fenômeno que se registra na Bíblia como sendo alguma manifestação visível de Deus na forma que lhe aprouver, pois a palavra é composta de dois vocábulos gregos – theós: “Deus”, e phaìnei: “aparecer”. Logo, até mesmo a invenção da expressão “corpo teofânico”, aplicada a Samuel, já é improcedente, pois Samuel não era Deus. 

A aniquilação de Satanás

“E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre” (Ap 20.10).

O ministério VPA não faz questão alguma de esconder seu aniquilacionismo absoluto e ensina que “o diabo será destruído no lago de fogo, e todo ser humano [...] também será destruído nesse lugar...”. Para esse grupo, “destruído” é o mesmo que “aniquilado”.

Todavia, a Bíblia não declara que o diabo e os ímpios serão aniquilados. Se fosse assim, não poderiam ser atormentados “de dia e de noite para todo o sempre”. Esta é a mesma expressão usada para falar do domínio de Deus (1.6), da vida de Jesus (1.18) e da vida dos santos junto a Deus (22.5). Se a expressão “para todo o sempre” ou “pelos séculos dos séculos” significasse extinção, então os eventos relacionados a Deus também teriam um fim. Na verdade, a palavra “destruição” sequer aparece no texto em lide. A Bíblia diz que eles, o diabo e os homens condenados, hão de sofrer a segunda morte. A palavra “morte”, em Apocalipse 20.14, não é kataluo, “destruir”, mas thanatos, cujo significado é “separação”, e, neste caso, a separação da presença de Deus, para sempre!

Mais uma voz no mundo das heresias

Assim, como vimos, o perfil doutrinário do ministério Voz da Pedra Angular o situa na lista dos grupos heréticos. É mais uma voz no mundo das heresias. É um movimento perigoso, pois, além de negar doutrinas importantes do cristianismo ortodoxo, constrói em torno de seu líder a imagem de um mediador exclusivo entre Deus e os membros.

Como se não bastasse tudo isso, incorrem, ainda e sobretudo, em antropolatria — adoração a um homem, pois chegam a dizer que “Cristo estará manifestado no Anjo do Senhor Jesus Cristo”, ou seja, em William Soto Santiago. Mas a Bíblia, por sua vez, é enfática em decretar que “há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem” (1Tm 2.5). O que passar disso é voz de heresia.

Notas:

1 Site: http://www.pedraangular.org.br
2 SANTIAGO, William Soto. A obra de Deus em simplicidade (Livrete). Ministério A Voz da Pedra Angular, 14/05/2001, p.16.
3 SANTIAGO, William Soto. A porta aberta no céu (Livrete). Ministério A Voz da Pedra Angular, 19/01/1993, p.18.
4 SANTIAGO, William Soto. De volta à palavra original. Ministério A Voz da Pedra Angular, p.10-11.
5 SANTIAGO, William Soto. A porta aberta no céu (Livrete). Ministério A Voz da Pedra Angular, 19/01/1993, p.14.
6 Ibid., p.12.
7 SANTIAGO, William Soto. A obra de Deus em simplicidade (Livrete). Ministério A Voz da Pedra Angular, 14/05/2001, p.12-15.
8 LADD, George. Apocalipse: introdução e comentário. São Paulo: Edições Vida Nova, 1980, p. 215.
9 SANTIAGO, William Soto. Jesus a ressurreição e a vida. Ministério A Voz da Pedra Angular, 09/07/2002, p. 47.