Morreu na China, menina de dois anos atropelada por dois veículos em uma rua de Foshan e foi ignorada por 18 pessoas que passaram ao seu lado.

Yue Yue estava internada num hospital da cidade e teve falência múltipla dos órgãos.

As imagens do acidente foram captadas por uma câmera de segurança do local, que registraram a hora em que a menina andava pelo mercado, antes de ser atingida por um furgão até o momento em que um catador de lixo passou e socorreu Yue Yue. Mas ao longo de sete minutos, ela permaneceu caída no chão e 18 pessoas que passaram por ela, ignoraram a garotinha.

As imagens chocantes foram divulgadas pela TV chinesa que mostrou a menina sangrando, desmaiada, em uma rua movimentada da cidade de Foshan e provocaram choque e revolta nos chineses.

A situação de Yue Yue chegou a se estabilizar, embora os médicos já tivessem diagnosticado morte cerebral. Os motoristas foram presos e disseram não ter visto a criança. Os pais da menina são donos de uma loja no mercado. De acordo com o Jornal chinês Daily, Yue Yue teria se distanciado da mãe enquanto ela ia a uma lavanderia.

Na internet, milhões de mensagens e discussões questionam os valores morais dos chineses. “A sociedade está seriamente doente. Nem mesmo gatos e cachorros deveriam ser tratados dessa maneira”, é o que diz um comentário em blog chinês Weibo.

Outros comentários ainda diziam que as pessoas que passavam pelo local deveriam está temerosos de serem responsabilizados pelo fato, se ajudassem a menina, citando um caso em que um homem tentou socorrer uma idosa que caiu e acabou sendo processado, porque sua maneira de proceder com a senhora teria violado as leis do governo sobre como lidar com vítimas de acidentes.

O governo da Província de Guangdong, no sul da China, agora está discutindo a introdução de uma lei que poderia forçar a solidariedade às pessoas obrigando-as a ajudar quem estivesse em situação de sofrimento.

O correspondente da BBC em Pequim, Michael Bristow, disse que a discussão da nova medida mostra o nível de indignação que o caso gerou na China, embora pesquisas de opinião através da internet sugiram que a maioria é contra a introdução dessa nova lei.

As organizações em Guangdong ainda estão buscando novas maneiras de estimular a população a agir com mais compaixão em situações como essa de Yue Yue. O comitê jurídico e de governo da província estão usando seu microblogging para pedir opiniões sobre como “guiar atos de coragem para causas justas” e divulgar a “moral social”.

* Com informações BBC Brasil