- Por Marcos Melo / Mike Martinelli -

Após o movimento gay manipular vídeo do pastor Silas Malafaia e distorcer a mensagem do mesmo para tentar caracterizá-lo como homofóbico, agora tenta obter proveito sobre o erro de uma matéria publicada pelo site da revista ‘Época’ (em que o jornalista deturpa a declaração do pastor Silas), utilizando os recursos mais chulos na tentativa incessante de incriminar Malafaia.

“Minha fala foi consubstanciada na manipulação de um vídeo pela internet, quando eles ridicularizaram os católicos na Parada Gay. Manipularam para dizer que eu estava promovendo a homofobia. Vou ferrar ele [Tony Reis] com uma ação da justiça. Tudo o que você fala em relação ao movimento gay é homofobia, porque eles não têm argumentos. Então eles querem incriminar para calar seus opositores”, declarou o pastor.

Quanto à questão da reportagem de “Época”, Malafaia dispara: “Já ficou mais do que provado que o jornalista coloca a palavra “fornicar” no lugar de “funicar”. O próprio site da revista Época permite que a minha defesa seja publicada na integra, o que é uma prova contundente de que o jornalista se equivocou. O áudio da entrevista é uma prova inconfundível. E como o movimento se utiliza de mentiras e manipulação, mais uma vez eles querem usar a minha palavra em relação ao que vou fazer na justiça, pois vou ferrar com eles na justiça. A gente não pode esquecer, porque a história é que de um vídeo de 17 minutos o movimento gay usou 40 segundos. Coisa de bandido e mau-caráter”.

Entenda melhor o caso

Diante dessas calúnias, o pastor Silas pede para você não ficar calado

A Procuradora Federal dos Direitos do Cidadão, Gilda Pereira, enviou o caso para o Procurador Regional dos Direitos do Cidadão de São Paulo, Jefferson Aparecido Dias.

Todos que enviaram e-mail para esta procuradora, por favor, enviar e-mail para o Procurador Jefferson Aparecido Dias (jadias@prsp.mpf.gov.br), denunciando a baixaria do movimento gay. O site da revista Época coloca a gravação da entrevista provando o equivoco do repórter e publica na íntegra a  justificativa do pastor Silas: leia aqui.