Na Malásia, país que em sua maioria é muçulmana, foi publicado um guia intitulado ” O sexo islâmico” e editado pelo ‘Clube das Mulheres Obedientes”, que recomenda que as esposas sejam ‘submissas na cama a fim de satisfazer o marido’. A publicação foi proibida, pois segundo seus críticos, ela continha ‘imagens degradantes’ do país, informa a imprensa local.

No manual contém conselhos práticos sobre o melhor jeito de ‘agradar o seu marido’ e afirma que a maioria das mulheres saciam apenas 10% das suas necessidades sexuais. Das páginas, em 115 delas, o texto aconselha para a mulher que ela seja ‘obediente’ e a fazer amor em grupo, junto com as outras mulheres do marido.

O livrou causou polêmica e uma série de protestos quando apareceu no país e muitos muçulmanos disseram que o livro mostrava imagens degradantes do país.

O Ministério do Interior proibiu a publicação do manual e mostrou que existia vínculos entre o “Clube das Mulheres Obedientes” e uma seita islâmica proibida Al Arqam, disse o jornal “The Star Daily”.

O “Clube de Mulheres Obedientes”, contaria com cerca de 800 integrantes , de acordo com a imprensa , não para de fazer polêmicas desde sua criação. “Eva foi criada porque Adão tinha certas necessidades. Os homens têm necessidades que não podem controlar. E se estas necessidades não são saciadas, os homens se voltam contra as mulheres. Assim Alá os fez”, declarou a vice-presidente do grupo, Rohaya Mohamad, em uma recente entrevista.