Os ataques às transmissões da Rede Globo quando entra ao vivo em suas transmissões estão cada vez mais constantes. A Merd TV – canal de internet especializado em invasões como forma de manifestação contra a emissora contabiliza 13 invasões, sempre com o bordão ‘Cala a boca, Globo’.

Na próxima semana, a Merd TV prometeu fazer alguma outra ‘surpresinha’ para mostrar que não estão de bincadeira. “Não posso contar o que é. Vai ser o grande passo”, revela Rodolfo Bond, de 28 anos, idealizador do canal.

O jovem que invadiu a reportagem da repórter Monalisa Perrone no ‘Jornal Hoje’ e a empurrou, garante que não ganha nenhum centavo com o protesto e vive de catar latinhas nas ruas de São Paulo.

A apresentadora Sandra Annenberg acabou falando no estúdio, “Que deselegante!” O que tornou um dos assuntos mais comentados nas redes sociais.

Apesar da atitude agressiva, Rodolfo garante que foi vítima dos seguranças da emissora. “Os capangas me empurraram em cima dela. A gente já tinha feito 12 intervenções e não teve problemas com os repórteres. Eu ia invadir o link. É um espaço público, estou no meu direito”, diz ele, defendendo-se das acusações.

A emissora Globo agora pretende tomar atitudes mais duras com relação a esse atos que vêm acorrendo ao longo de suas programações. “Não é a primeira vez. Como houve agressão, a TV Globo estuda que medidas legais tomar”, informou a assessoria do canal.

Para o que aconteceu nesta segunda-feira, Rodolfo disse que havia 30 pessoas com ele e que procusou arrumar um ‘militante’ para ajudá-lo em cima da hora. “Depois de várias invasões, já sofri muitas agressões e precisava de ajuda”, explica o rapaz, que acusa funcionários da Globo de o ter agredido diversas vezes.

E ainda tenta explicar sua filosofia contando que a briga é contra a mídia. “Se é para protestar, temos que ir logo no peixe grande. Peço para as pessoas assistirem aos vídeos e tirarem as próprias conclusões. O povo quer tudo mastigado e quero que pensem um pouco”, alerta.

Antes da invasão de ontem, outras ações como essa aconteceram em momentos como em links dos repórteres Márcio Canuto e Ananda Apple e na cobertura da morte do ex-vice-presidente José Alencar.