Dentistas podem identificar se crianças estão sofrendo abuso sexual porque a maioria das agressões acontece na região da cabeça e do pescoço.

A pedagoga e especialista em pedofilia, Tânia Guerreiro, diz que através do comportamento pode ser identificado se a criança sofre abusos sexuais pelos sintomas que podem ser, tristezas, agressividade, distúrbios do sono e de alimentação, ficar horas no chuveiro, esconder o corpo com roupas compridas, não encarar nos olhos, rendimento escolar baixo, automutilação, entre outros.

Assuntos de interesse social estão em pauta no II Congresso de Odontologia Militar do Paraná (IICompar)que acontece paralelamente ao XI Congresso Internacional de Odontologia, na ExpoUnimed, em Curitiba, que começaram nesta quinta-feira, dia 6 até sábado, dia 8.

Temas como pedofilia estão em discussão para que o dentista seja aliado nas identificações de violência sexual contra crianças.

“ Com o conhecimento do que seria normal e da alteração ocasionada por algumas doenças, dá pra suspeitar das agressões”, diz a odontopediatra Mariana Perotta. Segundo suas orientações, a família que desconfiar de abuso tem que denunciar para o Conselho Tutelar. ”É uma questão de cidadania”, afirma Mariana, que conclui dizendo que hoje o dentista tem uma visão diferente do paciente e também que eles podem ver “a criança com um todo, inclusive o comportamento dela, que além de influenciar no atendimento, pode dar sinais de que alguma coisa possa estar acontecendo.”

A pedagoga Tânia, alerta a família que é importante que eles fiquem atentos para impedir que o problema ocorra, como não deixar a criança passar a noite na casa de outros, não permitir que ela vá a banheiros públicos desacompanhadas, e não chamar prestadores de serviços se ela estiver sozinha em casa.

Uma pesquisa realizada no Brasil, em 2005, aponta que uma criança é abusada a cada 8 minutos. 67% dos abusos são domésticos e cometidos por padastros e 20% pelos pais. Segundo pesquisa da ONU feita em 2007, há 150 milhões de meninas e 73 milhões de meninos abusados no mundo.