Ainda neste mês, a favela da Rocinha e o Morro do Vidigal, em São Conrado, serão ocupados pela polícia, com possibilidade de ser instalada uma unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

Em reunião feita há alguns dias com o coronel Pinheiro Neto, chefe do Estado-Maior Operacional da PM, ficou definido que a data em que o Batalhão de Operações Especiais(Bope) e o Batalhão de Choque ocuparão a comunidade, está prevista para o dia 13 de novembro (domingo). A comunidade tem aproximadamente cem mil moradores.

A idéia de ocupar as duas comunidades é para impedir que os traficantes possam fugir pela mata que vai em direção ao Vidigal. Na reunião foi traçada toda a meta de estratégia a ser tomada.

A comunidade da Rocinha, serve de esconderijo para Antônio Bonfim Lopes, o ‘Nem’, um dos traficantes mais procurados do Rio. O Disque – Denúncia oferece R$ 5 mil para quem tiver informações concretas sobre o bandido.

A PM montou, nesta quinta-feira, uma operação de ordenamento urbano na região. Um dos policias civis que está investigando a favela, afirmou que muitos dos traficante já fugiram da favela e esconderam armas e drogas. E isso pode ser a explicação para que a comunidade esteja tão tranquilizada desde a ação de ontem.

O Delegado Fernando Villa Pouca, subchefe Operacional da Polícia Civil, disse que o objetivo da ação era evitar que houvesse mais práticas irregulares, como as vendas clandestinas de TV a cabo (gatonet) e de produtos piratas, além de apreensão de motos irregulares. A polícia também apreendeu 90 rojões de “atilharia antiaérea”. Segundo o delegado, os traficantes iriam atear fogo em pneus para impedir a visibilidade de policiais que estivessem em aeronaves . Do chão, os criminosos acederiam os pavios dos rojões para serem lançados contra os helicópteros.