"IMITANDO AO PAI"

18/06/2011 14:04

 “Sede vós, pois, perfeitos, como perfeito é o vosso Pai celestial.” (Mateus 5:48)

Um pai perfeito... Duvido que algum de nós se candidate a este título. Confesso que me esforço, tento dar o meu melhor, amo meus filhos com um amor exagerado, mas constantemente me apanho em escorregões indesculpáveis. Não passa muito tempo sem que eu perceba que faltei com a atenção, que fui duro demais, que não fui solidário ou que simplesmente me esquivei da responsabilidade de ser o melhor amigo para todas as horas.

Ainda assim noto que meu esforço, embora longe da perfeição, não é vão. Jesus sabia mesmo o que estava dizendo quando sentenciou: “Se vós, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o vosso Pai celestial...” (Mt 7:11). Nada mais verdadeiro. Somos maus, nossa natureza é carnal e egoísta. Mesmo assim, tomados por um amor que parece fazer parte de nosso código genético, ainda conseguimos dar boas dádivas aos nossos filhos.

Mas há uma referência perfeita para a qual podemos olhar e correr. Perfeito é o nosso Pai Celestial! Se vivermos pela busca de nos aproximar cada vez mais desse modelo, certamente colheremos mais na vida dos nossos filhos.

Deus é perfeito em seu amor incondicional. Erremos ou acertemos, Ele nos ama intensamente. Suas portas sempre estão abertas para abraçar o filho que, arrependido, volta para casa. Haverá sempre um anel e uma festa à espera daquele que queira desfrutar da sua paternidade. (Lc 15:11 - 32)

Apesar desse amor indestrutível, o Pai Celestial está longe de ser um “bonachão”. Seus limites são claros e inflexíveis. As regras da casa são explícitas, inegociáveis. Se é verdade que Ele nunca se nega ao perdão, é verdade também que Ele nunca aceita a transgressão. Ele governa por princípios, nunca entrega a casa à anarquia do sentimentalismo. (Prov. 22:6)