" FILHOS OBEDIENTES, FILHOS PRÓSPEROS E CONTENTES"

21/08/2011 14:42

 

 

         Alguns anos atrás tive a oportunidade de visitar duas aldeias de indios yanomamis no norte do Brasil. Presenciei naquela cultura primitiva características do domínio de Satanás no relacionamento pai-filho. As crianças yanomami não respeitam seus pais. Em geral, são respondões; seus pais precisam falar 3, 4 ou 5 vezes com ameaças e até gritos antes dos filhos obedecerem. Filhos batem em seus pais. Andam soltos, fazendo o que querem, onde querem, como querem. Depois de observar aquela cultura primitiva, pensei comigo mesmo, “A civilização chegou às aldeias indígenas!”Isso, porque já assisti o mesmo drama no Carrefour em São Paulo!
         Paulo identificou “desobediência aos pais” como uma das características dos últimos tempos (2 Tm 3:2). Parece que Satanás, sabendo que seu tempo é limitado, está fazendo de tudo para minar o alicerce de lares cristãos, especialmente no relacionamento pai-filho.
         Infelizmente, desobediência de filhos aos pais também caracteriza muitas famílias da igreja. Precisamos de um reavivamento verdadeiro. Conforme Efesios 5:18-6:4 isso começa no lar, com pessoas cheias (controladas) pelo Espírito de Deus, que usa a Palavra de Deus para nos transformar à imagem de Deus.
         “Obediência com honra” resume a responsabilidade dos filhos para com os pais no lar cristão saudável (Col 3:20, Ef 6:1-3). Mas como que os filhos vão aprender a obedecer e honrar? Deus deu a tarefa “professorial” aos pais! Se a “estultícia está ligada ao coração do filho”(Pv 22:15) os pais precisam ensinar obediência aos filhos.
         Os pais podem se matar comprando presentes para o Dia da Criança, gastando tempo com os filhos, se sacrificando para matriculá-los nas melhoras escolas, mas se não ensinarem obediência bíblica muito será em vão. Obediência é o brilhante na coroa de um caráter verdadeiramente cristão.
         Na nossa experiência, não são os filhos que demoram tanto em aprender a seguir o padrão bíblico de obediência, mas os pais. As crianças aprendem muito rápido a alcançar o alvo que os pais consistentemente ensinam e exemplificam. Ao mesmo tempo, não basta dizer que Deus requer obediencia de filhos aos pais. Nosso padrão de obediência tem que ser o mesmo que Deus estabelece! Para esse fim, gostaria de sugerir pelo menos 3 facetas no brilhante de obediencia que Deus espera dos filhos e que os pais devem ensinar.

         Deus mandou o povo de Israel entrar na Terra Prometida, mas ele se tornou rebelde e desobediente. O resultado foi uma disciplina severa, envolvendo a morte de toda aquela geração e 40 anos vagueando no deserto. (É interessante notar que, acim como muitas criancas hoje fazem, na hora que Deus declarou a disciplina, o povo “se arrependeu”(?), e insistiu em entrar na Terra assim mesmo. Mas foi um segundo ato de rebeldia e rejeição da disciplina do Senhor (Pv 3:11), e já era tarde demais.)
         Deus, como um bom Pai, não aceita “obediência” de qualquer jeito. Ele é um Grande Rei, e quando fala, espera uma resposta imediata. Quando os pais abaixam o padrão de obediência até que fique ao alcance de qualquer um, encorajam a auto-suficiência da criança e minam sua necessidade da obra cruz e de Jesus em sua vida. O padrão bíblico para pais (e para paz no lar!) é obediência imediata e da primeira vez, com instruções dadas em tom normal de voz, sem repetição e sem ameaça.
         Ofereçemos algumas sugestões práticas para ensinar o padrão de obediência imediata (algumas dessas idéias são extraídas do currículo para pais, Educação de Filhos à Maneira de Deus por Gary e Anne-Marie Ezzo):

 

·         Ensine seus filhos a reconhecerem seu pedido. Sugerimos a resposta, “Sim, papai” ou algo semelhante, para garantir entendimento. (Não defendemos o autoritarismo; o que queremos é eliminar a possibilidade de má compreensão e desculpas mais tarde como “não entendi”“não ouvi”, etc.)

·         Quando não houver obediência imediata, deve haver uma disciplina apropriada, sem ira.

·          

         A segunda “faceta” do brilhante de obediência bíblica que Deus requer é obediência inteira. Aprendemos esse princípio da história do povo de Israel, quando o profeta Samuel (representando Deus) mandou o rei Saul exterminar um povo idólatra, imoral, violento chamado os Amalequitas. Isso para não correr o risco deles contaminarem o povo de Deus com seu pecado. Mas Saul tinha uma boa idéia: poupar o rei Agague, e o melhor dos Amalequitas. A Bíblia Anotada chama esse episódio“Obediência Parcial”, mas o fato é que aos olhos de Deus, não existe “obediência parcial”. Obediência parcial = rebeldia total.
         Os pais que permitem que seus filhos negociem as condições de obediência, que aceitam uma obediência parcial em nome de “paz” no lar (por medo de contrariar o filho) são parceiros no pecado do filho. Ao cortarmos essa faceta do diamante do caráter do nosso filho, não podemos errar sem haver uma falha no brilhante. Esse foi o caso de Saul (vs 22).
         Um outro exemplo dessa “obediência parcial” que a Bíblia chama de rebeldia aconteceu quando Moisés foi mandado FALAR com a rocha para tirar água para o povo sedento no deserto (Nm 20:11-13). Ele tirou água, mas BATEU na rocha. Parecia algo tão simples, um deslize raro para o grande líder. Mas constitui uma profanação do caráter, da majestade e da santidade de Deus. As palavras dEle não podem ser tratadas como profanas, banais, insignificantes. São a nossa vida. Ele é um Grande Rei!
         Os pais ensinam o padrão de desobediência de várias formas. Negociação em meio a conflito leva os pais a aceitarem uma porcentagem de desobediência em vez de obediência completa, muitas vezes para evitar mais conflito em casa. Abaixam o padrão e aceitam obediência parcial diante de um jogo de poder.
         Com crianças pequenas ainda parece inocente e insignificante deixar a Júnior “escapar” sem comer toda a beterraba que foi colocada no seu prato, mas o que acontecerá quando Júnior tem 17 anos e não volta para casa até 3 horas depois do pedido? O importante não é O QUE os pais pedem, mas o fato de que quando pedem, mantenham esse padrão.
         Rebeldia passiva é outro inimigo de obediência inteira. A criança desobedece de forma sutil, quase que inocente, muitas vezes substuindo sua própria forma de “obediência” no lugar da obediência exigida pelos pais. Por exemplo, os pais mandam o filho limpar seu quarto, mas ele faz sua tarefa de casa. Pedem para tirar o lixo, mas sai para cuidar do cachorro. Pedem para cuidar do cachorro, mas arruma seu quarto. E justamente quando acham que decifraram o “código secreto”, ele muda as regras. O problema é que o filho continua com o poder nas mãos, quando Deus designou os PAIS como autoridades no lar.
         Outra forma de rebeldia passiva é quando o filho faz seus deveres pela metade ou mal-feitos. Estes padrões podem parecer autoritários. Por isso é importante reconhecer que a autoridade dos pais é uma autoridade emprestada do próprio Cristo. Ele, que tem toda a primazia, que é Grande Rei, estabeleceu os pais como autoridades amorosas na vida dos filhos. Não podem aceitar desrespeito, desobediência, desonra, EM NOME E POR AMOR DE CRISTO!
         Tudo isso, é claro, pressupõe um contexto de amor, de expressões freqüêntes de carinho por parte dos pais. Estes andam junto com seus filhos e exemplificam o mesmo tipo de obediência imediata e inteira às autoridades que Deus constitui em suas vidas. Gastam tempo com os filhos. Abrem portas para conversas francas e abertas. Saem com os filhos individualmente. Praticam esportes, pescam, assistem filmes, abraçam e encorajam os filhos.
         Obediência parcial é rebeldia total, e é inaceitável para o filho de Deus. Pais que não ensinam essa forma de desobediência estão treinando seus filhos a pecar, e eles mesmos estão em pecado.

         A última faceta de obediência bíblica é a mais importante de todas. Quando falamos de obediência interna, falamos de obediência de coração. Os pais precisam, acima de tudo, atingir o coração dos filhos (veja Pastoreando o Coração do Filho por Tedd Tripp). Se não, mesmo que consigam transmitir o padrão de obediência imediata e inteira, provavelmente criarão filhos fariseus e legalistas, com corações distantes dos pais— e de Deus! Os pais não podem se contentar com obediência superficial, só quando os outros estejam olhando.
         É isso que Provérbios nos ensina em dois textos fundamentais para pais E filhos:

"Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida."  Pv 4:23

"Dá-me, filho meu, o teu coração, e os teus olhos se agradem dos meus caminhos. "  Pv 23:26