" ATÉ MESMO SE UM ANJO LHE PREGAR UM OUTRO EVANGELHO SEJA ANÁTEMA "

15/09/2011 11:14

 As Aparições Marianas e o "Vidente" de Baturité 


BATURITÉ é uma pequena cidade do estado do Ceará, distante 93km da Capital. Lá se encontra a Serra de Baturité com 1.114 metros no pico Alto, ponto culminante da região Nordeste. No ano de 1994, surgiu ali um homem que se dizia vidente. Afirmava que conversava com Maria, a mãe de Jesus, conhecida pelos católicos como Nossa Senhora. Nessas aparições, Maria lhe transmitia mensagens para toda a humanidade. 

A notícia se espalhou rapidamente. Não demorou muito para que uma multidão desejasse conhecer o tal vidente. Ele marcou dia e hora em que Maria prometera aparecer. Seria próximo à Serra de Baturité; ela surgiria nas nuvens. Rádio e jornais noticiaram o fato em manchete. No dia marcado, milhares de pessoas foram ao local. A primeira tentativa foi frustrada. “Maria, por alguma razão, não apareceu” - desculpou-se o vidente. Uma nova data foi marcada. Agora todos veriam a santa. Novamente, milhares de pessoas enfrentaram toda sorte de dificuldades para verem a santa e conhecerem suas mensagens. Na hora marcada, lá estava o vidente, sempre assessorado por um padre. 

Multidão em silêncio sepulcral. O sol escaldante não impedia que todos olhassem para o céu, atentos ao movimento das grossas nuvens que se movimentavam ao sabor dos ventos; jornalistas com suas câmeras, ansiosos para darem o maior furo de reportagem de todos os tempos; no dia seguinte, os jornais diriam em manchete: “Santa Maria apareceu ao povo do Ceará”.

Imagens da aparição seriam mostradas na televisão, em horário nobre; devotos em romaria, do Brasil e do Exterior, afluiriam àquela cidade; uma capela seria erigida no local; celebrações seriam realizadas todos os dias para atender a demanda sempre crescente; folhetos com a imagem da santa nas nuvens seriam distribuídos; o evento seria contado em literatura de cordel; entrevistas com o vidente e seus assessores; aumento considerável das vendas no comércio; hotéis sempre cheios; camelôs faturando alto. Enfim, todos ganhariam. Mas deu tudo errado.

Não é preciso dizer do incômodo de permanecer em pé algumas horas, sob um sol escaldante. Alguns gritavam que estavam vendo alguma coisa, como uma figura de mulher. Alguns segundos depois, a nuvem tomava a forma de um avião, de um elefante... e a visão se desfazia. 

O “vidente” José Ernani dos Santos atendia num sítio de propriedade privada. O dono do terreno não estava gostando daquilo, porquanto cercas e plantações eram danificadas com o vaivém frenético dos religiosos. 

Apesar da promessa, Maria não apareceu. Não apareceu para os incrédulos. Realmente a santa apareceu, porém só quem a viu e ouviu foi o vidente, que disse mais ou menos assim: - “Olha pessoal, ela não quis aparecer a vocês, mas eu a vi nas nuvens e anotei suas mensagens. Está aqui neste papel”. E passou a ler uma mensagem previamente escrita num caderno, tais como:- “Rezem o terço; a Igreja Católica é a verdadeira” - e assim por diante. 

Pouco tempo depois descobriram o engano. O vidente não passava de um enganador. As chagas nas palmas de suas mãos foram produzidas por ele próprio, com solução de bateria. A polícia instaurou processo contra o falso vidente. Havia denúncia de que ele mantinha mulheres sob cárcere privado, sob jejum prolongado, e que se aproveitava sexualmente delas. Finalmente foi preso. 

Vejam alguns dos registros na internet:

01)http://www.aforteanosla.com.ar/Colaboraciones/brasil/articulos/poian%20serra%20de%20baturite.htm

02)http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20081211014550AA97jR7 

03) http://diariodonordeste.globo.com/2000/10/17/010065.htm

A Polícia Civil conseguiu prender o padre José Antônio Castilho, ex-vigário de Ibaretama, e o suposto vidente José Ernani dos Santos, que afirmava poder ver a Virgem Maria em Baturité.