"APRENDER A AMAR É APRENDER A VIVER E APRENDER A CONVIVER "

24/10/2011 15:01

 

Só o Amor poderá construir verdadeiras pontes para nossos relacionamentos mesmo com as grandes distâncias que aparentam existir entre eles.

 

Até nas melhores fases, a vida parece ser uma série interminável de situações desafiadoras, pressões pessoais, pequenas crises e decisões difíceis. A maioria desses problemas envolve de alguma forma as pessoas. De fato, os relacionamentos estão no centro de muitas de nossas tensões e conflitos. Amamos nossa família, mas os cônjuges ocasionalmente não se entendem e deixam de cumprir as expectativas. Os filhos consomem a nossa energia e sobrecarregam a nossa paciência com suas exigências de tempo e atenção. Os filhos adultos se afastam e os pais envelhecidos se intrometem ou exigem cada vez mais atenção e cuidado.

O círculo de relacionamentos fora de casa também pode ser exigente. A atmosfera no trabalho pode ser tensa por causa da competição entre os colegas, das exigências dos superiores e decepções com os empregados. Os líderes de igreja parecem estar sempre insistindo conosco pala maior envolvimento pessoal no ministério. Vizinhos barulhentos nos incomodam. Os empregados das lojas nos ignoram ou confundem os nossos pedidos. Os professores não entendem as necessidades dos alunos. E de todos os lados alguém – grupo de desabrigados, associações de caridade, comitês da igreja, liga de futebol e outros – está sempre pedindo algo. Concordamos com um ministro que disse ironicamente a outro: "Estar no ministério seria ótimo se não fosse pelas pessoas". E simpatizamos com a dona-de-casa mal-humorada que se perguntou: "Em que momento a mãe pode pedir demissão? Algumas vezes pensamos que a vida seria muito mais fácil sem as pessoas e os desafios estressantes que elas apresentam.

Até mesmo o relacionamento pessoal com Deus tem seus momentos difíceis. Deus evidentemente não é ingrato, injusto ou superexigente como alguns indivíduos. Mas Ele também não se compraz em ficar afastado do Seu povo, pois deseja que tenhamos comunhão com Ele mediante a adoração e a oração. Ele nos encoraja a crescer à Sua semelhança, aprendendo a sua Palavra e abrindo espaço para o Seu Espírito que habita em nós. O Senhor ordena que contemos a outros a diferença que Ele faz em nossa vida. Na realidade, é a nossa associação com um Deus que nos ama que impede o nosso afastamento das Pessoas que mais criam problemas em nossa vida.

Algumas vezes nos consideramos inaptos para andar com Cristo e lidar com esses problemas. Gritamos para Deus quando as pressões aumentam. "Não agüento mais. Não sou à prova de pessoas." Todavia, Deus continua testando-nos, rodeando-nos de todos os tipos de gente. Deus não nos fez para sermos ilhas solitárias. Ele nos fez sob medida para nos relacionarmos com pessoas de toda espécie, até mesmo as que esgotam a nassa paciência. Nenhum de nós, nem mesmo os mais mal-humorados e introvertidos, pode demitir-se, fechando-se em sua concha. Conviver com as pessoas, ajudá-las, resolver suas dificuldades, consolá-las e guiá-las a Cristo, é para isso que fomos feitos. O amor requer um objeto. E Deus nos deu então uns aos outros.

 

UMA CHAVE MESTRA OFERECIDA PELO MANUAL

 

Devemos alegrar-nos com o fato de Deus não nos destinar a um ministério pessoa-a-pessoa sem nos dar instruções para isso. Na Sua Palavra – o "manual do fabricante" que nos ensina a viver segundo o propósito que nos foi designado neste mundo – Deus forneceu a chave mestra para nos relacionarmos com Ele e convivermos com pessoas de todos os tipos. De capa a capa, a Bíblia demonstra o amor de Deus pela criação humana; convida-nos a experimentar pessoalmente o amor dEle por meio do Seu Filho amado, Jesus; ordena-nos a praticar o amor em todos os níveis de relacionamento – humano e divino; e providencia instrução e exemplo para o exercício diário da ética do amor cristão em nossos relacionamentos.

Amar é colaborar com o objetivo ímpar de Deus para a criação humana e conhecer a satisfação resultante da vida segundo Deus.

Não amar é perder de vista o propósito da nossa existência e conhecer pouco mais que frustração e sofrimento em nosso trato com as pessoas.