" ANTHONY COMSTOCK - UM DEFENSOR DA FÉ " Parte 2

01/09/2011 10:41

ANTHONY COMSTOCK: O PRIMEIRO CAMPEÃO PRÓ-FAMÍLIA DA HISTÓRIA MODERNA


 Viagem no tempo

 

Fiz, por assim dizer, uma viagem no tempo, lendo a literatura da época, para conferir o impacto de Comstock. Li sua biografia, suas obras e os livros de seus inimigos. Seus críticos, além dos jornais, eram secularistas, defensores do “amor livre” (sexo sem nenhuma responsabilidade e casamento) e indivíduos que detestavam os valores cristãos. Um tal de De Robinge Bennett (também conhecido como D.M. Bennett), escrevendo sarcasticamente um livro intitulado “The Champions of the Church” (Os campeões da igreja) em 1878, não só condenou Comstock como um “criminoso”, mas também, em muitas outras palavras, desconstruiu Jesus Cristo como Deus e o reconstruiu como uma mera entidade pagã, presente com diferentes nomes em diferentes religiões pagãs do mundo.

O que é fascinante é que, conforme declarações dos próprios espíritas, a Lei Comstock, ao atacar frontalmente a pornografia e a propaganda de controle da natalidade e aborto, prejudicou o espiritismo. Um espírita reclama que Comstock “fez sua lei explicitamente para impedir a distribuição de um jornal espírita de amor livre”.

A Lei Comstock dizia:

Todo livro, panfleto, foto, papel, carta, escrito, estampa ou outras publicações obscenas, imorais, lascivas e sujas de caráter indecente, e todo artigo ou produto designado, adaptado ou tencionado para impedir a concepção ou produzir aborto, ou para qualquer uso indecente ou imoral; e todo artigo, instrumento, substância, droga, medicina ou produto que é anunciado ou descrito de maneira planejada para levar outros a usá-lo ou aplicá-lo para impedir a concepção ou produzir aborto, ou para qualquer propósito indecente e imoral. (Carlson)

D.M. Bennett, que era defensor do “amor livre”, tinha suas razões para atacar Comstock: ele fora preso duas vezes por publicar obras obscenas.

Tentativas de revogar a Lei Comstock, ou até mesmo de alterá-la de forma significativa, fracassaram repetidas vezes. Em sua morte em 1915, o império legal de Comstock estava intacto. Aliás, um enfraquecimento das cláusulas anti-contraceptivas só ocorreu na década de 1930, e mesmo assim somente mediante decisões de tribunais pressionadas por Sanger e seus apoiadores. Como é que dá para explicar que a Lei Comstock tenha permanecido sólida durante tanto tempo?”(Carlson)

Em 1850, o número de templos cristãos era 38.183 nos EUA. Os pregadores Dwight L. Moody e Ira D. Sankey começaram suas campanhas de reavivamento nos EUA na década de 1870, o período em que a Lei Comstock entrou em vigor. Moody explicou: “Não sei de qualquer outra coisa que os EUA precisem mais hoje do que homens e mulheres cheios da unção do céu”. Milhões de americanos atenderam ao desafio. Em 1890, os EUA tinham 142.521 igrejas, um aumento de 272 por cento. As igrejas estavam experimentando um elevado aumento no número de membros. A moralidade sexual do protestantismo evangélico, inclusive sua oposição ao controle da natalidade, havia triunfado na sociedade americana por causa dos reavivamentos.  Comstock não enfrentou nenhuma oposição importante. Seus inimigos mais ferozes tendiam a estar no movimento de “amor livre”, que fazia campanhas que essencialmente queriam abolir as leis de casamento. (Carlson)

Comstock usava seu emprego para lutar contra a pornografia nos mais importantes meios de comunicação de sua época. Como agente especial do Departamento dos Correios dos EUA, ele recusou, durante trinta e três anos, aceitar seu devido salário. “Dê-me a autoridade que tal ocupação confere”, ele confidenciou em seu diário, “e o salário e as honras podem ir às favas”. Seu salário vinha realmente da Sociedade para a Eliminação dos Vícios, dando-lhe certa independência em suas ações públicas. Como inspetor postal, ele tinha um documento que exigia que todas as ferrovias que transportavam correios lhe dessem passagem livre. Durante seus primeiros dez meses no ofício apenas, ele viajou 37.000 quilometros. Comstock tinha a autoridade de “fazer buscas de materiais transportados nos correios em violação da lei”. (Carlson)

Em 1877, ele havia acabado com a corrupta loteria do mercado negro em Nova Iorque. Numa época em que os consumidores tinham pouca proteção, a campanha vitoriosa de Comstock contra médicos charlatães e fornecedores de medicamentos sem receita recebeu elogios até mesmo de seus inimigos mais ferozes. Aliás, praticamente todos os “contraceptivos” e “drogas abortivas” no mercado livre em 1872 eram, na melhor das hipóteses, ineficazes; na pior, eram venenos. (Carlson)

 

Guerra espiritual

 

Naquela época, a maior propagandista dessas drogas, na Inglaterra, era a lésbica inglesa Annie Besant (1847-1933). Ela era uma das maiores líderes da teosofia e era a maior promotora da idéia de redução de filhos — em outras palavras, o controle da natalidade ou o planejamento familiar. Seu principal meio de influenciar os EUA era enviando sua literatura através do correio, bem no “território” de Comstock.

O fato de que um número significativo de defensores do aborto, pornografia, “amor livre” e controle da natalidade eram espíritas mostra que Comstock estava envolvido também numa grande guerra espiritual. Um espírita se queixou:  

 

“Nos tempos de Comstock inquisições e queima de livros, muitos dos melhores livros que mostravam a luz mais elevada do espiritismo… eram destruídos sob o termo „pornografia no final do século XIX até o começo do século XX e publicadores, vendedores de livros e médiuns eram atirados às prisões, a maioria dos quais morreu ali”.

Muitos desses presos haviam sido condenados por promover sua literatura pornográfica entre crianças e adolescentes.

Por causa de seu trabalho, Comstock recebeu muitas ameaças de morte, chegando a sofrer violência física e um ataque a bomba, que falhou. Muitas vezes, ele precisou de escolta policial para se proteger de emboscadas de assassinos contratados. Mas os quarenta anos em que ele pôde prosseguir seu trabalho em meio a muitos perigos contra sua vida comprovam que havia uma Mão forte sobre ele.

Diante das ameaças de morte, certa vez ele exclamou:

“Que tolice! Será que um homem mortal consegue fazer algo que seu Criador não permita? Será que Deus não pode mudar o propósito do homem, ainda que o braço dele esteja levantado com a arma mortal pronta para atirar? Será que Ele não pode desviar a morte de quem que Ele quiser? Todos os homens maus de Nova Iorque não poderão fazer mal a um só fio dos cabeços da minha cabeça, se não for pela vontade de Deus. Se for Sua vontade, que direito eu ou alguém tem de dizer algo? Sou apenas pó, um ácaro, diante de Deus, mas nenhum cabelo da minha cabeça poderá ser arrancado, a menos que seja a vontade dEle. Oh, como é maravilhoso viver e sentir a vontade dEle sendo feita!” (Fighter, Some Impressions of a Lifetime of Adventure in Conflict with the Powers of Evil, pág. 85.)

Tentaram várias vezes suborná-lo com presentes milionários, chegando a lhe oferecer uma viagem de cinco anos ao redor do mundo, com todas as despesas pagas e com pagamento adiantado de todos os seus salários cobrindo esse tempo inteiro, com a condição de que ele deixasse completamente em paz o negócio sujo da jogatina, pornografia e prostituição. Mas ele não aceitou.

Como ele poderia aceitar? Por mais de 30 anos, ele trabalhou para o governo americano sem aceitar nenhum salário. Mas quando ele recusava, seus inimigos então subornavam líderes na polícia, política e imprensa para atrapalhar o trabalho de Comstock.

Seu biógrafo, Charles Gallaudet Trumbull, escrevendo em “Anthony Comstock, Guerreiro, Algumas Impressões de uma Vida Inteira de Aventura na Luta contra os Poderes do Mal” diz nas páginas 235 e 237:

“Tentaram levá-lo à tentação, mas ele resistiu às ciladas mais sedutoras que puderam armar contra ele. Colocaram detetives em seu rastro, na esperança de descobrir que em algum momento de sua vida ele havia sido culpado de algum ato que poderia agora envergonhá-lo, e grandes quantias de dinheiro foram oferecidas a qualquer homem que desse informação que pudesse ser usada para encurralar Anthony Comstock. Para ganhar sua recompensa, muitos dos investigadores mais espertos dos Estados Unidos fizeram pesquisas no registro da vida dele desde o próprio dia em que ele deixou o colo de sua mãe”.

“Seus inimigos tentaram destruir sua vida mediante violência escancarada e astúcia secreta. Tentaram intimidá-lo, suborná-lo e difamá-lo”.

A Palavra de Deus comprovou ser real na vida dele, com os seguintes versículos, que eram os seus favoritos:

 

“Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça.” (Isaías 41:10 ACF)

 

“Toda arma forjada contra ti não prosperará; toda língua que ousar contra ti em juízo, tu a condenarás; esta é a herança dos servos do SENHOR e o seu direito que de mim procede, diz o SENHOR.” (Isaías 54:17 RA)

Apesar dos ataques constantes dos promotores do “amor livre”, Comstock era honrado. 

 

Fonte: Livro Anthony Comstock – O primeiro ativista pró-vida da história moderna

Autor: Julio Severo

www.juliosevero.com