"A VERDADEIRA IGREJA DE CRISTO" Parte 1

15/08/2011 11:13

 História da Igreja - Parte 1

 

O FUNDADOR DA IGREJA

O apóstolo Paulo informa: " vindo, porém, a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos " ( Gl 4: 4,5 ). O Cristianismo foi favorecido pela região e pelo tempo em que surgiu. Originou-se no mundo mediterrâneo - o maior e mais importante centro de civilizações de então. Herdeiro que era da longa história judaica e tendo o seu início nos anos de maior vigor do Império Romano, o Cristianismo gozava de todos os benefícios que o Império oferecia aos seus cidadãos.

O Primeiro Período de Expansão do Cristianismo

O primeiro período de expansão do Cristianismo coincidiu com a transfomação política, social e religiosa do mundo que ficava às margens do Mar Mediterrâneo. Libertos das antigas ancoragens, os homens buscavam segurança em meio a uma agitação religiosa que despetava. Com o transcorrer dos séculos, e a decadência das antigas civilizações, e do Império Romano, os homens se esforçaram por alcançar salvação por diferentes meios. E então vieram a achá-la em Cristo. Nunca antes, na história humana, as condições se mostravam tão favoráveis ao surgimento de um movimento de libertação espiritual para a humanidade. Foi assim que Cristo apareceu na " plenitude dos tempos " estabelecendo a Si mesmo a pedra de fundamento da Igreja.

O Ministério de Jesus

No princípio do Seu ministério, Jesus associou-se a João Batista - seu primo legítimo, pelo qual foi batizado no Jordão. Daí Jesus começou a pregar a necessidade do arrependimento por parte dos seus ouvintes, face à iminente manifestação do reino de Deus. Dizia Ele que viera buscar os perdidos e achar os desgarrados do aprisco do Pai. Ainda que não condenasse abertamente a lei cerimonial, proclamou com veemência os princípios que haveriam de anulá-la. Durante o Seu ministério, viveu vida irrepreensível, chamando os homens ao arrependimento; inculcando neles a fé em Deus e nEle mesmo, e sempre colocando o homem em posição de dignidade pela relação que o propósito divino tem para com este. Ensinava com autoridade, denunciava a hipocrisia dos fariseus, a parcialdide das autoridades, tinha compaixão pelos despresados e sofredores. Não temeu apresentar a Si mesmo como o Filho de Deus, o Filho do homem, o Messias, enfim, Aquele através de quem todas as profecias messiânicas se cumpririam. Pela Sua vocação e ministério profético, predisse a Sua morte, ressurreição, ascensão e vitória quando da Sua segunda vinda em glória com o propósito de julgar os vivos e os mortos. Enfim, Jesus veio para estabelecer o reino de Deus nos corações dos homens.

Face à veemência com que denunciava a hipocrisia e o pecado, sofreu acirrada perseguição que resultou na sua prisão, julgamento e morte de cruz. Mas, ao terceiro dia após sepultado, seu túmulo, que havia sido selado pelas autoridades e guardado por sentinelas romanos, estava vazio. Durante os quarenta dias seguintes à Sua ressurreição, andou com os Seus discípulos, comeu com eles e lhes deu promessas e mandamentos. Finalmente viram-no subir da terra e desaparecer entre as nuvens no céu; porém, deixou com Seus discípulos uma dupla promessa: a) que Ele voltaria outra vez; b) que o Espírito Santo seria enviado para encher as suas vidas e para capacitá-los a testemunhar da morte e ressurreição do Messias.

Resultados da Influência de Cristo

A vida e trabalho de Jesus Cristo, não devem ser apreciados somente pelo número dos que O seguiram, devem ser apreciados principalmente pela influência que seus atos exerceram sobre as gerações futuras.

" Jesus só teve três anos e meio para o cumprimento da Sua missão. Se atentarmos para a rapidez com que decorrem três anos de vida de qualquer pessoa, e do pouco que geralmente produzem, poderemos avaliar a capacidade e natureza daquele caráter, e a unidade e intensidade de propósito daquela vida que, em tão curto espaço de tempo deixou no mundo profundo e indelível impressão, e deixou a todas as gerações vindouras tão grande legado de verdades e influência ", - Dr. James Stalker.

A EXPANSÃO DA IGREJA

Com pequenas exceções, Jesus limitou o Seu ministério terrestre aos judeus na Palestina. Grande parte dos últimos meses da Sua vida foi dedicado ao preparo de um pequeno grupo de homens que haveriam de continuar a obra por Ele começada. Sua última ordem foi que eles ficassem na cidade de Jerusalém até que do alto fossem revestidos do Espírito Santo, o que os capacitaria para testemunharem da morte e ressurreição de Cristo. O plano do Senhor ressuscitado, fonforme At 1: 8, eram que homens fortalecidos pelo Espírito Santo, partissem de Jerusalém e conquistassem o mundo ao longe por uma campanha de testemunho. Segundo esse plano, os apóstolos iniciaram-na onde se achavam, e, com os olhos sempre fitos no mundo.

A EXPANSÃO DO CRISTIANISMO ( século I )

Começando em Jerusalém

Efetivamente, o testemunho dos discípulos, fotalecidos pelo Espírito Santo, gradualmente ganhou terreno em Jerusalém. Desse centro começou a irradiar-se primeiro entre os samaritanos, e depois aos estrangeiros simpatizantes do culto a Jeová dentro do país. De Jerusalém partiram para Antioquia que veio a constituir-se em novo centro de propaganda da fé cristã, de onde alcançou os habitantes da Ásia Menor e grande parte da Europa.

Esses três passos foram dados apesar da oposição e, às vezes, da violência dos judeus mais conservadores. Houve dias perigosos através dos quais o novo movimento teve de passar, mas as fogueiras da perseguição apenas espalharam faíscas e chamas; surgiram novos centros de influência cristã por toda a vastidão do Império Romano.

Indo Mais Adiante

Tão severa foi a perseguição, que dispersou os membros da igreja em Jerusalém, exceto os apóstolos. Os dispérsos pela região da Judéia e Samaria, iam por toda parte testemunhando de Cristo. A Felipe, um dos sete diáconos da igreja em Jerusalém, coube a ação pioneira de evangelizar os samaritanos. Pouco depois, Pedro, que havia por fim saído a campo a convite do centurião Cornélio, foi a Cesaréia, onde anunciou Jesus a um público totalmente gentílico.

Estavam vencidos os primeiros obstáculos e fora dado o primeiro passo na libertação do Cristianismo dos moldes judaicos. A igreja em Jerusalém, ainda que não convencida completamente, submeteu-se, mas nada fez para levar o Evangelho aos gentios dentro e fora do país.

Paulo Entra em Cena

O crescimento da igreja em Antioquia, capital da Síria, tornou-se notório, chegando ao conhecimento dos líderes da igreja em Jerusalém. Para ver o que de fato acontecia em Antioquia, a igreja em Jerusalém enviou Barnabé, então " tendo ele chegado e, vendo a graça de Deus, alegrou-se e exortava a todos a que, com firmeza de coração, permanecessem no Senhor " ( At 11: 23 ). Provavelmente, Barnabé continuou em Antioquia e dentro em pouco ele tinha mais trabalho a fazer do que de fato era capaz. Assim, partiu para Tarso em busca de Saulo e, tendo-o achado, levou-o a Antioquia, onde durante um ano inteiro se reuniram com a igreja, e instruiram muita gente. Foi em Antioquia o lugar onde os discípulos, pela primeira vez, foram chamados "cristãos".

Até esse tempo, parece que a propagação do Cristianismo ainda não havia sido planejada pelos discípulos. Antes, fora-lhe imposta pela liderança da providência. Agora chegara a hora para um esforço mais agressivo e mais abrangente.

Paulo e Barnabé Enviados como Missionários

Por orientação do Espírito Santo, a igreja em Antioquia separou e enviou Paulo e Barnabé para a obra missionário. Em obediência à chamada divina, partiram em sua primeira viagem que os levou, através da ilha de Chipre e a certas cidades importantes da Ásia Menor. Ao longo dessa viagem, igrejas iam sendo formadas e obreiros estabelecidos para cuidar delas.

Paulo fez mais duas longas viagens missionárias através da Asia Menor e sudoeste da Europa, atravessando a Macedônia e a Grécia, e talvez chegando até a costa do mar Adriático. De volta da sua terceira viagem, Paulo foi preso em Jerusalém, daí levado a Cesaréia onde ficou por dois anos e posteriormente foi conduzido para Roma, onde foi conservado preso pelo menos dois anos, desfrutando porém, de liberdade para pregar e escrever. Depois disso, parece ter sido libertado, porém, logo em seguida, numa viagem ao Leste, foi preso outra vez, e finalmente foi martirizado em Roma.

Com exceção de Pedro, pouco se sabe das atividades dos outros apóstolos. A tradição posterior à era dos apóstolos atribui grandes atividades missionárias a cada um, e pode haver alguma base para essas conjecturas, mas nada de positivo se sabe. O certo é que no fim do primeiro século, a Igreja firmara-se nos grandes centros do Império Romano, progredindo em regiões mais remotas. Em alguns lugares os cristãos constituíam elementos de influência na sociedade.