" JESUS CRISTO QUE É A PALAVRA ENCARNADA PRECISA SER O CENTRO DAS NOSSAS VIDAS PARA TERMOS UMA VIDA CENTRADA NA VERDADEIRA JUSTIÇA " Parte 3

17/11/2011 07:33

 

"Destrua o mal pela raiz. Ensina a criança no caminho em que deve andar. E ainda quando for velho, não se desviará dele."
Provérbios 22:6.  -  Parte 3

 

 

 

A Metodologia Bíblica para Ensino-Aprendizagem

 

As palavras: assentar, caminhar, levantar, deitar  falam de coisas simples e corriqueiras do dia a dia, enfatiza a convivência, o relacionamento. Ensinar e aprender é portanto algo RELACIONAL e PESSOAL, e não técnico e informativo. Ensinar e aprender envolve obrigatoriamente um relacionamento pessoal. Nós não ensinamos matérias, nem ensinamos aulas. Ensinamos crianças, estamos treinando corações e mentes eternas. Ensinar e aprender é um processo de coração, mente para mente, espírito para espírito. É um investimento de nossas vidas. É também uma obra de fé, um trabalho de amor e uma firme esperança (1 Ts 1:2-3 "Damos, sempre, graças a Deus por todos vós, mencionando-vos em nossas orações e, sem cessar, recordando-nos, diante do nosso Deus e Pai, da operosidade da vossa fé, da abnegação do vosso amor e da firmeza da vossa esperança em nosso Senhor Jesus Cristo,"). Nenhuma criança pode aprender sem antes estabelecer um relacionamento de confiança com aquele que a ensina. O Salmo 142:4 nos declara isto: "Olha para a minha direita e vê, ninguém há que se interesse por mim, refúgio me falta, e ninguém cuida de minha alma". O que fica claro aqui é que primeiramente uma criança precisa de amor, alguém que se interesse genuinamente por ela, que lhe ofereça refúgio, consolo, companheirismo, compreensão, amizade. Então, após este relacionamento de amor e amizade, vem o desejo de que sua alma (mente) seja ensinada, cuidada, instruída naquilo que é bom.

   Assim, os pais que não estabelecem um relacionamento com seu filho não conseguem ensinar nada a eles. Eles simplesmente não podem ouví-los. O pai ou mãe que não demonstra por seus filhos amor e interesse, compreensão com suas dificuldades e limitações, não abre a porta dos seus corações. O solo não é preparado, e portanto não se podem plantar boas sementes.    Com quem uma criança está assentada em sua casa, andando pelo caminho, ao deitar-se e ao levantar-se? Não são os pais? A chave está aqui. primeiro as palavras precisam estar no coração dos pais, para que possam ser inculcadas nos filhos. Através de um relacionamento de amor os pais abrem o caminho para marcar de tal forma a vida dos filhos pela Palavra de Deus, que produzirá neles um estilo de vida cristão, formará neles o caráter de Cristo.   A vida no lar está cheia de momentos preciosos para ensinar. É ao deitar, ao levantar, ao andar no caminho para a escola, assentado no almoço e no jantar. Eles estão aprendendo pela demonstração de seus pais, de como eles falam, reagem, resolvem seus problemas.

 

A Escola Como a Segunda Testemunha que Fundamenta em Fé

 

Muitos pais consideram que o trabalho de ensinar deve ser feito pela escola. Delegam o mandamento de Deus e o privilégio de ensinar sua próxima geração a terceiros, e se esquivam com desculpas e compromissos inadiáveis. O mandamento para ensinar em toda a bíblia sempre foi dirigido aos pais. A palavra de Deus estabelece somente três instituições, ou três esferas de governo: a família, a igreja e o governo civil. Desta forma, a escola como instituição não existe, senão como extensão da família que lhe concede autoridade para ensinar seus filhos. Na verdade, a escola não coloca outro fundamento, mas somente pode CONFIRMAR e ESTABELECER os fundamentos que a família já tem.

A palavra de Deus nos diz que sem duas ou três testemunhas nada pode ser estabelecido (Mt 18:16 " Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda palavra se estabeleça."; 2 Co 13:1 "Esta é a terceira vez que vou ter convosco. Por boca de duas ou três testemunhas, toda questão será decidida. " ; Hb 10:28 " Sem misericórdia morre pelo depoimento de duas ou três testemunhas quem tiver rejeitado a lei de Moisés."). Dessa forma, para que uma família estabeleça seus filhos em fé, e lhes dê um propósito na vida, é necessário mais de uma testemunha. Isto também está claro em 1 Co 3:5-10 " Quem é Apolo? E quem é Paulo? Servos por meio de quem crestes, e isto conforme o Senhor concedeu a cada um. Eu plantei, Apolo regou; mas o crescimento veio de Deus. De modo que nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento. Ora, o que planta e o que rega são um; e cada um receberá o seu galardão, segundo o seu próprio trabalho. Porque de Deus somos cooperadores; lavoura de Deus, edifício de Deus sois vós. Segundo a graça de Deus que me foi dada, lancei o fundamento como prudente construtor; e outro edifica sobre ele. Porém cada um veja como edifica."(um planta, outro rega, aqui vemos novamente a questão de mais de uma testemunha).

Os pais precisam de ajuda. Não somente porque muitas vezes não dominam os conteúdos das matérias, não têm tempo suficiente, ou não possuem habilidade para ensinar. Mas principalmente porque a Palavra de Deus diz que com duas ou três testemunhas toda palavra será confirmada (estabelecida). Assim a escola atua como a segunda testemunha, e confirma o que os pais estão ensinando em casa. A escola faz isto através de uma abordagem de cada disciplina por um ponto de vista bíblico, identificando os fundamentos e os princípios bíblicos que as governam. Não significa que os pais vão ensinar geografia em casa e a escola vai confirmar, mas por exemplo os pais ensinam que cada coisa tem o seu lugar, e que o quarto deve ficar em ordem, e o professor na escola ao mostrar os mapas, continentes, aplica o mesmo princípio mostrando a ordem com que Deus criou o universo e a terra, e como tudo tem o seu lugar (princípio da mordomia ou administração).

Como professores numa escola cristã, fundamentamos os nossos alunos em fé com propósitos divinos. O papel do professor é fundamentar as crianças na fé que seus pais desejaram abraçar, de modo que eles cresçam firmando-se internamente nos propósitos de Deus para suas vidas.

 

Uma Mesma Lei, Uma Aliança

 

Podemos observar portanto que para que este processo de ensino e aprendizagem ocorra, a família e a escola devem estar sob uma mesma lei, e dentro de uma mesma aliança. O que a criança aprende em casa é confirmado na escola, e o que ela aprende na escola deve ser reforçado em casa. Ambos, lar e escola, devem estar fundamentados sobre os mesmos princípios, para que haja consistência no que for produzido. Está consistência produzirá na vida da criança equilíbrio, segurança, e frutificará positivamente em boas obras, em mudança de atitudes, em desenvolvimento espiritual, mental e físico.

Todavia, uma série de pequenas coisas pode atrapalhar este processo. Se a criança em casa recebe um tipo de treinamento, e na escola outro, estamos plantando dois tipos de sementes, e uma irá enfraquecer a outra. A criança pode ficar confusa, e não saber discernir o que é certo e errado, qual é o padrão a ser seguido. Se ela em casa pode ter atitudes que na escola não pode, isto certamente acarretará conflitos, e o processo e ensino-aprendizagem fica totalmente comprometido.

 

Os pais podem facilmente treinar negativamente seus filhos, de maneira não intencional:

 

Exemplo 1: Se ao darmos uma ordem a nosso filho, ele não responde na primeira, nem na segunda, mas somente quando elevamos o tom de voz ele nos ouve, estamos treinando eles para obedecerem e darem atenção somente quando o tom de voz é elevado. Então na classe o professor não consegue a atenção e a obediência do aluno a menos que ele eleve a voz. E um professor não deveria elevar a voz, muito menos os pais.

Exemplo 2: se em casa a criança não faz a lição de casa, ou se delonga nisso, ou sempre acha uma desculpa, e os pais não corrigem, ela também não fará as atividades em sala, não dará importância a concluir as suas tarefas, e a conseqüência é um baixo rendimento.

Exemplo 3: se uma criança não tem limites em casa em suas brincadeiras, na escola também causará problemas durante o intervalo, ou mesmo em sala não consegue discernir o limite para parar de falar, leva tudo na brincadeira.

Exemplo 4: se os pais estão sempre muito ocupados para ver o caderno de seu filho, e não os incentiva e elogia positivamente, apreciando o esforço e reconhecendo a melhoria, os filhos não se preocuparão em mantê-lo bem organizado e limpo e valorizá-lo.

Exemplo 5: uma criança que não tem horário regular para fazer lição de casa, dormir, acordar, etc.,ou que os pais não prezam os horários de seus compromissos, não valoriza o fazer as coisas dentrodo prazo estipulado, não atenta para os horários de início e fim de uma aula, sempre acha que se pode deixar para depois.