" DEFENDA A SUA FÉ EM CRISTO DA MESMA FORMA QUE CRISTO NOS DEFENDEU DA CONDENAÇÃO ETERNA: COM A PRÓPRIA VIDA"

29/08/2011 10:43

 Seja Anátema 

“Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema” (Gl 1.9).

A PALAVRA anátema (gr. anathema) significa alguém que está sob maldição divina, condenado à destruição. 

(1) O apóstolo Paulo revela a atitude, inspirada pelo Espírito Santo, de julgamento e indignação para com aqueles que procuram perverter o evangelho original de Cristo e mudar a verdade do testemunho apostólico. Igual atitude evidenciava-se em Jesus Cristo (Mt 23.13), em Pedro (2 Pe 2), em João (2 Jo 7-11) e em Judas (Jd 3.4,12-19), e se achará no coração de todo seguidor de Cristo que ama o seu evangelho, conforme é revelado na Palavra de Deus e crê que o evangelho é a imprescindível boa nova da salvação para o mundo perdido no pecado (Rm 10.14,15). 

(2) Malditos (“anátema”) são todos os que pregam um evangelho contrário à mensagem que Paulo pregava de acordo com a revelação que Cristo lhe dera (Gl 1.11,12). Quem acrescenta ou tira algo do evangelho original e fundamental de Cristo e dos apóstolos fica sujeito à maldição divina: “Deus tirará a sua parte do livro da vida” (Ap 22.18,19).

(3) Deus ordena os crentes a defenderem a fé, a corrigirem os errados com amor (2 Tm 2.25, 26) e a se separarem dos mestres, pastores e outros que na igreja negam as verdades bíblicas fundamentais, ensinadas por Jesus e os apóstolos (Cl 1.8,9; Rm 16.17, 18; 2 Co 6.17). Essas verdades incluem:
(a) a deidade de Cristo e seu nascimento virginal (Mt 1.23); 
(b) a plena inspiração e autoridade da Palavra de Deus em tudo quanto ela ensina; 
(c) a historicidade da queda de Adão (Rm 5.12-19);
(d) a corrupção inerente na natureza humana (Gn 6.5; 8.21; Rm 1.21-32; 3.10-18; 7.14-21);
(e) a condição perdida da raça humana sem Cristo (Rm 1.16-32; 10.13-15);
(f) a salvação pela graça mediante a fé em Cristo como Senhor e Salvador efetuada pela expiação através de sua morte e do seu sangue (Rm 3.24,25; 5.10);
(g) a ressurreição corporal de Cristo (1 Co 15.3,4);
(h) a realidade histórica dos milagres, tanto no AT como no NT (1 Co 10.1);
(i) a realidade da existência de Satanás e dos demônios como seres de ordem espiritual (Mt 4.1; 8.28; 2 Co 4.4; Ef 2.2; 6.11; 1 Pe 5.8);
(j) o ensino bíblico a respeito do inferno (Mt 10.28);
(l) a volta literal de Jesus Cristo à terra (Jo 14.3; At 1.11; 1 Co 1.7; Ap 19.11).

(4) Trechos bíblicos semelhantes que advertem contra os falsos mestres: (Rm 16.17; 2 Pe 2.17-22; 2 Jo 9.11; Jd 12.130. 
14.07.2010

Comentários da Bíblia de Estudo Pentecostal